Bem vindo(a) ao CEBI ! (51) 3568-2560

Um apelo a agir com prontidão

Um apelo a agir com prontidão
16 de agosto de 2019 Comunicação

por IHU Online*

Naqueles dias, Maria partiu para a região montanhosa, dirigindo-se, às pressas, a uma cidade da Judeia. Entrou na casa de Zacarias e saudou Isabel. Quando Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança se agitou no seu ventre, e Isabel ficou cheia do Espírito Santo. Com um grande grito exclamou:

“Você é bendita entre as mulheres, e é bendito o fruto do seu ventre! Como posso merecer que a mãe do meu Senhor venha me visitar? Logo que a sua saudação chegou aos meus ouvidos, a criança saltou de alegria no meu ventre. Bem-aventurada aquela que acreditou, porque vai acontecer o que o Senhor lhe prometeu.”

Então Maria disse:

“Minha alma proclama a grandeza do Senhor, meu espírito se alegra em Deus, meu salvador, porque olhou para a humilhação de sua serva. Doravante todas as gerações me felicitarão, porque o Todo-Poderoso realizou grandes obras em meu favor: seu nome é santo, e sua misericórdia chega aos que o temem, de geração em geração. Ele realiza proezas com seu braço: dispersa os soberbos de coração, derruba do trono os poderosos e eleva os humildes; aos famintos enche de bens, e despede os ricos de mãos vazias. Socorre Israel, seu servo, lembrando-se de sua misericórdia, conforme prometera aos nossos pais em favor de Abraão e de sua descendência, para sempre”.

Maria ficou três meses com Isabel; e depois voltou para casa.

Leitura do Evangelho segundo Lucas 1, 39-56 (Correspondente a Solenidade da Assunção de Maria, ciclo C do Ano Litúrgico).

O comentário é de Ana Maria Casarotti, Missionária de Cristo Ressuscitado.

Um apelo a agir com prontidão

Celebramos hoje a Solenidade da Assunção da Virgem Maria. Uma festa que nos convida a pensar e celebrar com antecipação nosso destino glorioso. Para esta festividade a Liturgia oferece-nos um bonito texto do Evangelho de Lucas. Refere-se à visita de Maria a sua prima Isabel imediatamente após saber que ia ficar grávida e que seu filho “será grande e será chamado Filho do Altíssimo”.

O trecho do Evangelho de Lucas que lemos e ouvimos neste domingo começa assim: “Maria partiu para a região montanhosa, dirigindo-se, às pressas, a uma cidade da Judeia”. É uma descrição muito simples, mas carregada do Espírito que anima Maria ao longo de toda sua vida. Nos versículos anteriores, lemos a visita do anjo a Maria para anunciar que ela será Mãe de Jesus o Messias, o Salvador. O anjo Gabriel, a modo de exemplo da grandeza e do poder de Deus nas pessoas que confiam nele, disse a Maria que sua parenta Isabel também estava grávida apesar de sua idade avançada, porque “Para Deus nada é impossível”.

Depois deste anúncio, Maria dirige-se às pressas para visitar sua parente Isabel. Ela poderia ter ficado no seu lar, pensando e celebrando a visita do anjo, o fato e até o significado de ser escolhida por Deus para ser Mãe do Salvador, mas sua atitude é outra! E o evangelista realça sua prontidão para ir ao encontro de uma mulher que também está grávida. Sem dúvida esta proposta vai na contramão de uma cultura narcisista que nos impossibilita de ver o rosto dos outros/as.

Lembremos que a gravidez no ambiente religioso e social em que vive Maria e sua parente Isabel é considerada uma benção de Deus. Maria sente o impulso imediato de ir ao encontro desta mulher abençoada por Deus, que possivelmente tanto desejava ter um filho, mas como era de idade avançada suas esperanças deviam ser cada vez mais pequenas. É preciso celebrar com ela e ajudá-la neste momento fundamental de sua vida como possivelmente ela tinha contribuído com suas vizinhas e parentes de sua pequena aldeia. Maria vai sem demora a servir, apresentando assim uma atitude fundamental para ter diante da Palavra de Deus que lhe foi anunciada.

Lucas não fala muito de Maria, mas aquilo que fala tem grande profundidade. Quando ele escreve pensa nas comunidades. Nesta narrativa apresenta-nos na sua figura uma atitude a ter e um caminho a percorrer. Maria é um modelo para a vida das comunidades. Sua visita é inesperada para Isabel. “É a visita daquela que não permanece fechada nem ensimesmada em seu mistério. É a visita daquela que se sente impulsionada a sair de si mesma para colocar-se a serviço daquela que está necessitada de ajuda”. Visitação: o encontro com o outro faz saltar a vida em nosso interior.

Seguindo o exemplo de Maria, podemos pensar quais são as situações que estão ao nosso redor e pedem uma resposta imediata. Moramos em países onde a situação social, a marginalização, a discriminação, o aumento de mortes sem considerar a dignidade da pessoa humana crescem cada dia mais.

Lembremos algumas das situações que continuamente estão ao nosso redor e não agimos com prontidão. Escutemos o grito das mulheres na Marcha das Mulheres Indígenas em defesa de suas terras e populações milenárias: “nós não cansaremos em defender a importância dos territórios para nós povos indígenas, porque enquanto o governo só se preocupa em extrair riquezas de uma forma irresponsável, nós, povos indígenas, a gente convive há décadas, há milênios, em harmonia. Nós dependemos da água, da terra, do solo, da matéria prima, da fauna, da flora, das riquezas naturais. Hoje é necessário, a gente quer participar das políticas públicas de uma forma organizada. “ O discurso do governo hoje é acabar com a população indígena”. Entrevista com Rosimere Teles, da União das Mulheres Indígenas da Amazônia Brasileira

Ou também o grito de nossa Terra como disse Donald Falk, professor de ecologia na Universidade do Arizona, referindo-se à importância de comemorar o dia da Terra: “O planeta está à beira do colapso quase sem nos darmos conta. Produzimos 150 milhões de toneladas de plástico de um só uso por ano e, destas, oito milhões de toneladas acabam no mar; nos últimos 25 anos, o nível de água do mar aumentou o dobro do esperado; 40% da população mundial já tem problemas devido à escassez de água… e se o planeta consumisse ao ritmo da Espanha, por exemplo, no dia 11 de junho ficaríamos sem recursos na Terra para um ano. Dia da Terra: protejamos as espécies, cuidemos de nossa casa comum

Não podemos esquecer os milhões de pessoas da África, de Centro-América, de tantos outros países que dia a dia arriscam sua vida na busca de alimento e uma possibilidade de vida para suas famílias ou fugindo das guerras que devastam populações inteiras.
Tendo presente nossa atual situação, somos convidados neste dia a agir com prontidão, sem demora!

Peçamos ao Senhor pelas nossas comunidades para que estejamos prontos a dar respostas a tantas necessidades que gritam no nosso entorno. Neste dia, de forma especial, é preciso ter presente os pequenos e quase insignificantes grãos de esperança que brotam ao nosso redor e que nos convidam a elevar sempre a esperança em Deus nosso Pai-Mãe que nos protege e nos cuida!

Oração

Servidor de todos
Te foi dito:

Rodeia-te de triunfadores.
Para que tua vida seja um êxito
serve-te de todos.
Retém em tua memória
o nome do rico,
e anota o telefone
do rosto feminino
que sorri no concurso.
Forra as paredes de tua casa
com assinaturas de pintores
de prestígio e de dinheiro.
Enche tua boca
com os nomes
que ocupam o cenário
da glória escorregadia.
Faze-te vizinho, compadre,
de seu clube e seu partido.
que todas estas famas
te emprestem seu prestígio.

Mas A Palavra diz:

Senta a tua mesa
os que não podem
convidar-te em sua casa
arrastada pelo rio,
e empresta sem enrugar a cara
ao que não pode devolver-te
teu dinheiro no prazo estipulado
porque as horas extras
se perderam no computador
da zona franca.
Haverão encontrado em ti
a resposta de deus
a sua angústia cotidiana.
e tu sentirás atravessar
algo de deus passando
pelo centro de ti mesmo
para chegar até o irmão.

Ao romper com este gesto
de gratuita proximidade
as leis e as cátedras
do investimento
bem calculado,
um manancial de eternidade]
te chegará entre tuas pedras,
e fará de ti um servidor de todos,
cheio de graça e de sabor

Benjamin González Buelta (Salmos para saborear e sentir internamente as coisas)

Publicado originalmente por IHU Online.