Bem vindo(a) ao CEBI ! (51) 3568-2560

Reflexão do Evangelho: O espírito da verdade consola e emancipa o povo de Deus!

Reflexão do Evangelho: O espírito da verdade consola e emancipa o povo de Deus!
13 de maio de 2020 Zwei Arts

Leia a reflexão sobre João 14,15-21, texto de Itacir Brassiani.

Boa leitura!

A experiência de orfandade é semelhante à situação de uma pessoa que perdeu as referências fundamentais e, que não consegue mais tocar suas raízes, não tem mais colo nem horizonte. É como alguém que é processado e não conta com um advogado que fale em seu nome. Orfandade significa falta de assistência, de proteção, de defesa, de consolação, enfim, uma situação de vulnerabilidade. Nestas circunstâncias, por mais clara que seja a inocência, a liberdade e dignidade correm sérios riscos.

É assim que se sentiam os apóstolos naquela misteriosa noite de despedida de Jesus, narrada pelo evangelista. Eles haviam partilhado pão e vinho e visto Jesus se inclinar e lavar seus pés. Haviam ouvido da sua própria boca que um deles o trairia, outro o negaria e todos se dispersariam. Sentiam que a imagem de Deus que tinham construído se dissolvia diante do ensino e dos gestos de Jesus. Anteviam o seu destino – prisão, condenação e execução – e sentiam-se inseguros e órfãos da utopia do Reino.

É neste contexto que Jesus promete-lhes outro Advogado ou Defensor: alguém que falaria por eles e em lugar deles nas acusações e nos tribunais. Este defensor agiria como os pais, que, além de serem o fio que liga as novas gerações ao passado e os indivíduos a uma família, assumem a defesa e a tutela dos filhos menores e em situação de vulnerabilidade. Agiria como Jesus, que assumiu esta dupla missão junto aos discípulos: ser o advogado de defesa e o irmão primogênito que revela e torna presente o Pai.

Daí a promessa consoladora e encorajadora de Jesus Cristo aos discípulos: “O pai dará a vocês outro Defensor… Eu não vos deixarei órfãos…” O Espírito da Verdade-Fidelidade nos ajuda a superar a orfandade e nos faz filhos de Deus e herdeiros do Reino anunciado e iniciado por Jesus Cristo. Ele também faz perseverantes no dinamismo do Amor a Jesus Cristo e ao próximo, especialmente aqueles que padecem as maiores necessidades. O amor a Jesus Cristo se mostra na atitude cuidar do seu rebanho, e nada pode ser posto acima do amor a Jesus Cristo e aos pobres nos quais ele vive.

Entretanto, este amor não é apenas uma questão ética, um simples e inflexível imperativo categórico. O amor é um movimento livre e libertador, original e fecundo, que brota do núcleo mais profundo dos discípulos de Jesus como sopro novo do Espírito Santo. Neste dinamismo de saída de nós mesmos para entregarmo-nos e descobrirmo-nos no Outro fazemos a experiência de estar em Deus, de habitar nele em segurança, de ter um Pai real, amável, presente e próximo.

E não é só isso. Na medida em que percorremos responsavelmente este êxodo de nós mesmos em direção ao outro e ao futuro, experimentamos também o advento do próprio Deus no nosso corpo, no coração do mundo. Mediante o amor solidário não é apenas o ser humano que está em Deus, mas o próprio Deus vem habitar nesta sua amante criatura e fazer dela sua morada definitiva. “Vocês compreenderão que eu estou no Pai, vocês em mim e eu em vocês…”.

Alguém disse que a forma mais eficaz de acabar com o amor é torná-lo obrigatório. Mas poderíamos acrescentar: a forma mais eficaz de esterilizá-lo é reduzi-lo a um sentimento. O amor é uma relação num ambiente de aliança, uma atitude que supera a veleidade dos sentimentos. É atitude, relação, ação que reconhece e afirma o outro em sua dignidade. Se tivermos dúvida sobre o que significa amar, olhemos para o que fez Jesus Cristo. Nele certamente encontraremos mais que meros sentimentos. E aprendemos que o amamos na medida em que acolhemos e praticamos seu mandamento de amor ao próximo.

Pedro pede que estejamos sempre prontos a tornar públicas as razões da esperança que nos faz viver, mas também sugere que o façamos com mansidão, respeito e delicadeza. Estejamos, pois, dispostos a sofrer por causa da esperança e do amor que nos faz próximos daqueles que estão longe. E que esta ação portadora do sopro do Espírito de Deus impressione e seduza os homens e mulheres, e os leve a prostrarem-se diante do Deus que realiza isso mediante seus servos e servas.

Deus querido e amável, Pai que defende e Mãe que consola: Vem em nosso socorro e permanece conosco nas muitas travessias que nos encantam e amedrontam. Ensina a Igreja a permanecer no teu amor, a flexibilizar seu corpo enrijecido pelo hábito das leis e pelo medo da liberdade. Que o Espírito de Lealdade e de Verdade nos mantenha no caminho do amor que teu Filho percorreu e ensinou; ajude-nos a entender sua Palavra com a mente, o coração e as mãos; multiplique nossa alegria diante dos povos que acolhem essa Palavra; guie-nos como discípulos e missionários ao coração do mundo. Assim seja! Amém!

(Atos dos Apóstolos 8,5-17 * Salmo 65 (66) * Primeira Carta de Pedro 3,15-18 * Evangelho de Joao 14,15-21)