Bem vindo(a) ao CEBI ! (51) 3568-2560

Comentário do Evangelho: A missão da comunidade

Comentário do Evangelho: A missão da comunidade
13 de julho de 2018 CEBI Secretaria de Publicações
Confusão entre público e estatal é entrave à comunicação pública no país

via IHU Online*

Chamou os doze discípulos, começou a enviá-los dois a dois e dava-lhes poder sobre os espíritos maus. Jesus recomendou que não levassem nada pelo caminho, além de um bastão; nem pão, nem sacola, nem dinheiro na cintura. Mandou que andassem de sandálias e que não levassem duas túnicas. E Jesus disse ainda: «Quando vocês entrarem numa casa, fiquem aí até partirem. Se vocês forem mal recebidos num lugar, e o povo não escutar vocês, quando saírem, sacudam a poeira dos pés como protesto contra eles.» Então os discípulos partiram e pregaram para que as pessoas se convertessem. Expulsavam muitos demônios e curavam muitos doentes, ungindo-os com óleo.

Leitura do Evangelho de Marcos 6,7-13 (Correspondente ao 15° Domingo Comum, ciclo B do Ano Litúrgico). O comentário é de Ana Maria Casarotti, Missionária de Cristo Ressuscitado.

A missão da comunidade

O texto do Evangelho situa-se logo depois da rejeição sofrida por Jesus em Nazaré (Mc 6,1-6). Uma vez mais vemos que Jesus não fica parado diante da incompreensão ou incredulidade das pessoas, mas cria novas forças missionárias!

É o que acontece no texto que nos é proposto para refletir neste domingo: “Chamou os doze discípulos, começou a enviá-los dois a dois e dava-lhes poder sobre os espíritos maus”.

Marcos narra um novo começo. Jesus inicia a sua comunidade de discípulos e discípulas, na missão, que é a mesma que a dele! Para isso os escolheu, agora os envia e dá-lhes o mesmo poder que Ele tem.

Na Exortação Apostólica Evangelii Gaudium o Papa Francisco ressalta que: “Todos têm o direito de receber o Evangelho”. “Sonho com uma opção missionária”, escreve Francisco, “capaz de transformar tudo, para que os costumes, os estilos, os horários, a linguagem e toda a estrutura eclesial se tornem um canal proporcionado mais à evangelização do mundo atual que à autopreservação”. Em particular, Francisco pede uma Igreja marcada por uma paixão especial pelos pobres e pela paz. (Disponível: O sonho de Francisco. Um catolicismo mais missionário, misericordioso e corajoso)

E essa identidade missionária significa “responsabilidade para com o mundo”, e comporta um posicionamento: está ao lado dos vencidos, não dos vencedores.

Este posicionamento que a Igreja busca ter é continuidade da tomada de “partido” de Jesus. Ele passou sua vida servindo aos mais pobres, excluídos sociais e religiosos.

É importante lembrar que o primeiro milagre de Jesus, que nos relata o Evangelho de Marcos, é a expulsão de um espírito impuro (Mc 1,21-28). No texto de hoje, Jesus confere-lhes autoridade sobre os espíritos maus.

O evangelista mostra à comunidade primitiva, como a missão de Jesus se prolonga na sua e que ela tem o mesmo poder de seu Mestre para libertar os excluídos/as de cada tempo e lhes oferecer uma nova vida.

Para viver essa missão, Jesus deixa algumas recomendações simples e concretas.

A primeira: “que não levassem nada pelo caminho, além de um bastão; nem pão, nem sacola, nem dinheiro na cintura”. Com comparações orientais, bíblicas, exorta-os a viver o espírito evangélico de pobreza. Num mundo marcado pelo materialismo, pelo egoísmo, pela desigualdade social, os enviados de Jesus são convidados a apresentar-se na liberdade que nasce do espírito de pobreza, na confiança no Deus providente (Lc 12,31).

Depois “Mandou que andassem de sandálias e que não levassem duas túnicas”. Continuando com a ideia anterior, agora Jesus parece desenhar a figura de um peregrino. As sandálias nos remetem aos pés cansados e empoeirados dos mensageiros da Boa Notícia, que caminham livremente!

Finalmente as últimas recomendações: “Quando vocês entrarem numa casa, fiquem aí até partirem. Se vocês forem mal recebidos num lugar, e o povo não escutar vocês, quando saírem sacudam a poeira dos pés como protesto contra eles”.

A proclamação da Boa Nova deve fazer-se em liberdade, não se pode obrigar ninguém a aceitá-la. Por isso, a orientação é permanecer com aqueles que a acolhem, deixar aqueles que a rejeitam.

Precisamos ter cuidado com a interpretação desta recomendação. Sacudir a poeira dos pés é um gesto simbólico dos israelitas que, ao ingressarem no próprio país, depois de terem estado em terra pagã, não queriam ter nada em comum com o modo de vida deles.

É um gesto de ruptura com aqueles que não aceitam a proposta do Evangelho. É sinal de ruptura que representa respeito pela escolha feita, por mais que isso implique sofrimento para o evangelizador. Ele deve ter uma atitude tolerante e compreensiva, esperando uma nova oportunidade.

Levando em conta estas recomendações missionárias, em quais deveríamos crescer mais como comunidade eclesial e pessoalmente?

Depois de escutar as palavras de Jesus, os discípulos e discípulas se puseram em marcha, “partiram e pregaram para que as pessoas se convertessem. Expulsavam muitos demônios e curavam muitos doentes”.

E esta marcha se estendeu até hoje, não parou nunca, entre luzes e sombras, a Igreja santa e pecadora, continua anunciando a Boa Notícia do Reino a todos os povos.

Publicado no site do Instituto Humanitas.

Liga228 situs judi bola merupakan situs judi bola online dengan pasaran terlengkap.

Kunjungi situs judi bola terlengkap dan terupdate seluruh asia.

Situs sbobet resmi terpercaya. Daftar situs slot online gacor resmi terbaik. Agen situs judi bola resmi terpercaya. Situs idn poker online resmi. Agen situs idn poker online resmi terpercaya. Situs idn poker terpercaya.

situs idn poker terbesar di Indonesia.

List website idn poker terbaik.

Game situs slot online resmi

slot hoki terpercaya

slot terbaru

rtp slot gacor

agen sbobet terpercaya

slot online judi bola terpercaya slot online terpercaya judi bola prediksi parlay hari ini