Bem vindo(a) ao CEBI ! (51) 3568-2560

Temos tempo para a pedagogia de Jesus?

Temos tempo para a pedagogia de Jesus?
31 de julho de 2018 CEBI Secretaria de Publicações

por Amábile Priscila Fonseca Franco*

Salmo 111;
Isaías 25.6-10a;
Marcos 6.35-44

Compartilhe seu tempo

Deus nos alimenta todo o tempo, mostra sua compaixão por nós e trabalha conosco de forma integral. A forma pedagógica de um Pai amoroso nos ensina a viver com base em Cristo. Ele nos dá o alimento necessário para recordarmos sempre de sua aliança. As palavras de Cristo satisfazem nossa alma, Ele é o pão e o peixe e não importa o número de pessoas a procurá-lo, sempre haverá uma mesa posta para banquetear.

O mundo atual apresenta-se repleto de aprisionamentos que roubam o nosso tempo e impõe um ritmo de trabalho voltado para mais produção e menos reflexão.

Estamos escravizados à lógica do mercado, que se impõe pela ideia do consumismo, este conceito de meritocracia é usado de forma distorcida, ou seja, para justificar as desigualdades e a injustiça social. Onde aplicar Jesus e sua pedagogia que prega o amor ao próximo, a compaixão, alimentar aos famintos, partilhar a vida, pregar as boas novas da Salvação?

Temos tempo para a pedagogia de Jesus?

Até quando seremos escravos de um mundo que cultua o individualismo? Ao analisarmos a visão pedagógica de Cristo compreendemos que o tempo deve ser priorizado para os contatos pessoais, pois a palavra em Isaías fala de um Pai que sempre preparará um farto banquete para todos os povos, um banquete com alimentos saborosos e o melhor vinho. Banquetear significa também partilhar o tempo com outras pessoas, olhar nos olhos de nossos irmãos e irmãs, festejar a vida com um Deus que gosta de estar no meio do seu povo.

Todos comeram e ficaram satisfeitos. (Marcos 6.42)

Oremos para o que o Senhor nos dê sabedoria para administrarmos o tempo e aprendermos a nos satisfazer nele.

Texto de Amábile Priscila Fonseca Franco, publicado no livro de Meditações Diárias – Sementes – Compaixão e Justiça Social, produzido pela Igreja Episcopal Anglicana do Brasil e Diocese Meridional.