Bem vindo(a) ao CEBI ! (51) 3568-2560

Reflexão da semana: Jesus é revolução

Reflexão da semana: Jesus é revolução
31 de outubro de 2019 Comunicação

por Marcos Aurélio dos Santos*

Jesus foi um revolucionário do seu tempo. O Servo da Galileia não se dobrou ao sistema opressor, expôs as vísceras de um sistema que oprimia os pobres, por isso os poderosos da religião o incluíram na lista de inimigos junto aos profetas e profetisas, como Malaquias, Rute, João Batista e muitos outros. Foi odiado pelo sinédrio, lugar de gente hipócrita e escrupulosa, que às escondidas, planejaram sua prisão, que resultou em tortura e assassinato.

Jesus foi um revolucionário de amor e coragem. Na sinagoga, falou sobre profecia, justiça, amor e esperança, falou dele mesmo por meio do livro da lei e dos profetas a um povo que apedrejava os profetas e profetisas de Deus. Entra no templo com indignação e expulsa os exploradores da fé do povo que se aproveitavam dos pobres nas festas anuais e nos dias de expiação pelos pecados no templo. Quando falava sobre misericórdia, compaixão e solidariedade, causava ódio, medo e alvoroço nas cadeiras do poder.

Jesus não amava as coisas e sim as pessoas. Por isso deu sua vida por elas. Amou como ninguém amou. Jesus ensinou sobre o perigo do amor ao dinheiro, que resulta em destruição e ruína. Por meio de sua própria vida, ensinou o caminho do contentamento, da simplicidade, da humildade, da partilha, da solidariedade, da vida abundante, valores contrários ao egoísmo, avareza e ostentação.

Jesus viveu o bem comum. Ensinou a prática da partilha, pois essa foi a maneira de superar a desigualdade social que assolava o povo que amargava impostos injustos e exploração de mão de obra barata. Jesus organizou o povo e lhes ensinou o caminho de libertação, não apenas de si mesmo, mas de um sistema injusto e opressor.

Hoje, segue a utopia revolucionária do subversivo da Galileia. Na realidade do contexto em que vivemos, não há outro caminho, caminho de profecia, de luta libertária, na reconstrução de novos caminhos para a concretização de um mundo melhor e mais justo.

Partilhado pelo autor, Marcos Aurélio dos Santos.