Bem-vindo ao CEBI! (51) 3568-2560 | [email protected]

Para Jesus, quais são os seis principais direitos humanos?

Para Jesus, quais são os seis principais direitos humanos?
20 de novembro de 2017 Centro de Estudos Bíblicos
Confira a reflexão do evangelho proposta pelo biblista e assessor do CEBI, Ildo Bohn Gass, para o dia 26 de novembro, próximo domingo. O contexto da análise bíblica é Mateus 25,31-40.

Boa meditação!

O texto da liturgia deste domingo é a parte final do último dos cinco discursos de Jesus no Evangelho segundo Mateus (Mateus 5-7; 10; 13,1-52; 18; 24-25). Esses últimos dois capítulos são conhecidos como o discurso escatológico, isto é, a reflexão voltada para as últimas coisas, sobre a intervenção de Deus para transformar a história, no momento da parusia (vinda, presença) do filho humano.

Como se esperava na mentalidade fortemente apocalíptica, essa chegada seria para breve. O pano de fundo para essa forma de pensar é a violenta guerra do império romano contra o povo judeu nos anos 66 a 70. De modo especial, precisamos ter presente o ano 70, quando o exército romano, sob o comando do general Tito, arrasou Jerusalém e destruiu o templo.

Nesse sentido, essa tragédia entendida como julgamento de Deus sobre Israel é como que uma antecipação do que haveria de acontecer por ocasião da parusia definitiva, da vinda final do Reino de Deus, momento em que todos os povos seriam julgados.

Na segunda metade desse discurso, temos as parábolas a respeito da vigilância permanente diante da iminente vinda do filho da humanidade (Mateus 24,43-25,30), bem como a parábola do julgamento final (Mateus 25,31-46) que é o texto da liturgia deste domingo.

Revisitando a parábola

Essa parábola apresenta o Jesus glorioso como rei que julga as nações (Mateus 25,32). Esse julgamento não será somente no final dos tempos, mas já começou com a vida de Jesus de Nazaré. Seu jeito de ser rei (Mateus Mt 25,34) é diferente do modo de o imperador ou Herodes governarem através da opressão e da violência.

Na prática do Reino de Deus, os critérios éticos centrais que orientam o comportamento das pessoas são o amor (Mateus 22,37-39), a justiça, a misericórdia e a fidelidade ao projeto do Pai (Mateus 23,23). Esse também foi o centro da prática profética no antigo Israel (cf. Isaías 58,6-10; Oseias 6,6).

Os frutos concretos desse amor e dessa justiça são obras de misericórdia palpáveis, bem visíveis.

Eu estava com fome, e me destes de comer; eu estava com sede, e me destes de beber; eu era forasteiro, e me recebestes em casa; estava nu, e me vestistes; doente, e cuidastes de mim; na prisão e fostes visitar-me (Mateus 25,35-36).

Jesus não perguntará a que nação pertencemos ou qual a tradição religiosa que professamos. Ou ainda, de cor é a nossa pele ou qual a nossa orientação sexual. O que importa é que devemos cumprir toda justiça (Mateus 3,15) em relação aos mais pequeninos, que são os irmãos de Jesus (Mateus 25,40).

E cumprir toda a justiça é, em primeiro lugar, colocar em prática os seis direitos humanos fundamentais, na compreensão de Jesus de Nazaré.

São eles: o direito ao pão (me destes de comer), o direito à água (me destes de beber), o direito a um lar (me recebestes em casa), o direito à roupa (me vestistes), o direito à saúde (cuidastes de mim) e o direito à liberdade (fostes visitar-me).

Prática da comunidade

E os destinatários privilegiados desses direitos são as pessoas a quem esses direitos são negados, isto é, os irmãos mais pequeninos de Jesus, isto é, as pessoas empobrecidas. Elas mesmas são o ponto alto da encarnação de Deus, pois ser misericordioso com elas é ser solidário com o próprio Jesus (Mateus 25,40).

Quando esta é a prática da comunidade, então ela também é Jesus encarnado, é o corpo do Cristo, pois o agir dela é semelhante ao agir de Deus (cf . 1 Coríntios 12,12-27). E a essência do agir divino, do projeto de Jesus, é a partilha do pão, da água, da casa, da roupa, da saúde e da liberdade, isto é, das necessidades fundamentais para ter vida cidadã. É nisso que consiste ser justo.

Mas não podemos olhar de forma ingênua e isolada para esta parábola, limitando-nos ao assistencialismo. Certamente também é urgente ajudar logo a quem precisa. No entanto, é necessário enxergar mais longe e, com Jesus, superar a tentação de somente transformar pedras em pão (Mateus 4,3).

É indispensável buscar em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça e todas essas coisas vos serão dadas por acréscimo (Mateus 6,33).

Direitos Humanos

Por isso, ser discípulo e discípula de Jesus não somente é atender aos direitos fundamentais das pessoas, mas é, em primeiro lugar, engajar-se na construção de uma sociedade justa que garanta esses direitos humanos fundamentais a todas as pessoas.

No Pai-Nosso, Jesus manifestou o desejo do Pai de que já na terra vivamos como será no céu (Mateus 6,10). Por isso, é tão importante para Deus ver um mundo em que a justiça do seu Reino não permita que haja uma única pessoa que passe fome, que tenha sede, seja moradora de rua, esteja nua, ou abandonada quando  doente ou na prisão.

Por fim, convém lembrar algo incomum presente nestes critérios éticos que nos colocam ou excluem do caminho de Jesus. Excluir-se do projeto do Pai não é por questões moralistas, muitas vezes fruto de preconceitos discriminatórios. No entanto, a exclusão se dá por não partilhar.

Acomodar-se, não fazer nada, é tornar-se cúmplice, é contribuir com a situação de fome, de sede, de falta de vestimentas e de casas. É colaborar com a situação precária da saúde pública e da falta de liberdade plena para todas as pessoas. Portanto, negar-se a partilhar é ter parte de responsabilidade na situação atual dos pobres, que estão à margem dos direitos fundamentais à vida, à dignidade.

Fonte: A reflexão é de Ildo Bohn Gass.