Bem vindo(a) ao CEBI ! (51) 3568-2560

Nota de Solidariedade do CEBI aos quilombolas em greve de fome no Maranhão

Nota de Solidariedade do CEBI aos quilombolas em greve de fome no Maranhão
18 de junho de 2015 Centro de Estudos Bíblicos
Nota de Solidariedade do CEBI aos quilombolas em greve de fome no Maranhão
O CEBI manifesta sua solidariedade aos quilombolas, indígenas e camponeses no Estado do Maranhão, que, acampados na sede regional do INCRA, exigem a regularização de seus territórios, herança de seus ancestrais.

Conclamamos aos órgãos competentes que façam cumprir o que está expresso na Constituição Federal de 1988, especialmente no artigo 68 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias: “Aos remanescentes das comunidades dos quilombos que estejam ocupando suas terras é reconhecida a propriedade definitiva, devendo o Estado emitir-lhes os títulos respectivos”.

Nosso apoio aos povos indígenas e quilombolas do Maranhão e de todo o Brasil.

 
Estado brasileiro pratica racismo institucional e genocídio, afirma o movimento

Em greve de fome há uma semana, oito lideranças quilombolas e indígenas estão acampadas, juntamente com um grupo maior, na sede do INCRA, em São Luiz. De acordo com nota divulgada pelo movimento, a ocupação e a greve de fome denunciam a violência que comunidades indígenas e quilombolas sofrem “por parte de grandes empreendimentos privados que contam com o apoio formal e acordos econômicos firmados com gestões do governo estadual”. O movimento também denuncia “a violência policial contra comunidades e contra a juventude negra de periferia”.

Ainda de acordo com a nota, “a ação violenta do Estado atinge também comunidades indígenas que tem seus direitos a terra e ao bem viver negados pelas instituições que deveriam fazer cumprir o mandado constitucional, tais como a FUNAI”.

O movimento chama a atenção para a “responsabilidade do Estado brasileiro, que continua a prática do racismo institucional e do genocídio contra quilombolas e indígenas.

O CEBI apoia integralmente o movimento. Martha Bispo, diretora nacional do CEBI, faz-se presente junto ao grupo acampado.