Bem vindo(a) ao CEBI ! (51) 3568-2560

Neste Advento, livre uma criança indígena da fome!

Neste Advento, livre uma criança indígena da fome!
12 de dezembro de 2013 Centro de Estudos Bíblicos
Neste Advento

Apesar dos direitos garantidos na Constituição Federal, famílias indígenas não têm acesso à terra e a direitos mínimos, como alimentação, moradia digna e saúde.

Você pode colaborar de qualquer parte do Brasil. Faça a doação de qualquer valor por meio da conta corrente 25200-X, agência 2904-1 Banco do Brasil, em nome do Centro de Estudos Bíblicos. Envie a confirmação para articulacao@cebi.org.br.

Divulgue e colabore!

Mais da metade dos indígenas assassinados são de MS

Mais da metade dos assassinatos de indígenas no Brasil ocorre no estado de Mato Grosso do Sul. Não há registro de prisões dos culpados até o momento, nenhum assassino foi preso, “a impunidade é a pior morte”. Tradicionalmente, existe um enorme preconceito racial contra as populações indígenas no estado de MS, sobretudo na região da fronteira com o Paraguai, onde a população Guarani-Kaiowá sofre cotidianamente toda sorte de violências. As taxas de suicídio são altíssimas entre essa população.

Desde 2003, mais de 500 indígenas foram assassinados no Brasil. Em 2011, foram mortos 51 indígenas; MS concentra 62% dos casos. As mortes têm como principal causa disputa por terras, afirma o CIMI, órgão da CNBB. No ano passado, 37 dos 61 assassinatos (registrados) ocorreram no Estado.

Incentivo à violência armada

No último dia 19 de novembro, ruralistas invadiram o prédio da FUNAI em Campo Grande. Com ofensas diversas e agressões verbais, ameaçam um “banho de sangue” sobre as comunidades indígenas se suas “reivindicações” não fossem atendidas.

Recentemente, grandes proprietários de terras de MS, em especial seus dirigentes tem manifestado publicamente seu desejo de luta armada contra comunidades Guarani-Kaiowá, Terena e outras de MS. Os latifundiários estão, inclusive promovendo eventos para arrecadar recursos e financiar a formação de milícias armadas.

Entidades da sociedade civil formalizaram denúncia no Ministério Público Federal e outros órgãos para que tomem providências urgentes a fim de evitar mais mortes e sofrimento a esses povos que já vivem em condições precárias e sem a proteção do estado, que não cumpre a legislação assegurada na Constituição Federal e nos tratados internacionais à respeito dos Direitos dos Povos Indígenas.

Mais informações: Coletivo Terra Vermelha

https://www.facebook.com/coletivo.terravermelha