Bem vindo(a) ao CEBI ! (51) 3568-2560

Jesus e as Boas Novas de Libertação

Jesus e as Boas Novas de Libertação
28 de fevereiro de 2018 CEBI Secretaria de Publicações

por Marcos Aurélio*

“Seja a atitude de vocês a mesma de Cristo Jesus, que, embora sendo Deus, não considerou que o ser igual a Deus era algo a que devia apegar-se; mas esvaziou-se a si mesmo, vindo a ser servo, tornando-se semelhante aos homens. E, sendo encontrado em forma humana, humilhou-se a si mesmo e foi obediente até à morte, e morte de cruz.” (Filipenses 2:5–8).

Um Deus muito humano que se manifesta no meio do seu povo como servo de todos e todas. O Deus que decide caminhar com os pobres, em comunidade, compaixão e partilha. O Jesus que viveu em uma aldeia chamada Nazaré, da periferia da Galileia, o Deus libertário, amoroso e servo sofredor. É chegado um novo tempo, tempo de amor, partilha, subversão e libertação.

Bíblia e Vida

Nesta passagem bíblica na carta aos Filipenses, o apóstolo Paulo descreve a pessoa de Jesus Cristo como o servo sofredor e humilde, que se fez humano, sujeito as mesmas dores, angústias e sofrimentos do seu povo.

Que em sua humilhação, esvaziou-se de si, aceitando o chamado para o serviço de amor em obediência ao Pai, para cumprimento de seu ministério de serviço e libertação dos pobres e oprimidos.

Como descreve o médico e evangelista Lucas:
“O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me ungiu para pregar boas novas aos pobres. Ele me enviou para proclamar liberdade aos presos e recuperação da vista aos cegos, para libertar os oprimidos.” ( Lucas 4:18).

Paulo reafirma as palavras de Lucas sobre o ministério libertário de Jesus de Nazaré. Jesus foi ungido pelo Pai não para ser glorificado e servido pelo povo, ao contrário, foi enviado para uma missão libertadora, em um rompimento radical com o sistema político-religioso-opressor.

Jesus aparece na Galileia com uma proposta subversiva, proclamando as boas novas de libertação aos cativos, servindo as pessoas, confrontando os poderes da religião e do estado, juntando-se a elas em um movimento libertador.

Segundo os evangelhos, Jesus inicia seu ministério na periferia (Galileia) em um contexto de desigualdade e opressão. Sob o domínio de Roma, com o apoio das lideranças de Jerusalém, o povo estava vivendo tempos difíceis onde o direito humano estava sendo usurpado pelos poderes dominantes.

Podemos citar alguns dos diversos casos como o do cego de Jericó, que mendigava migalhas na entrada da cidade (Lc.18: 35), do aleijado que pedia esmolas na porta do templo, lugar onde centralizava-se o poder opressor (At. 3:2), dos leprosos que viviam sob constante exclusão (Mt. 11:15), da corrupção no sistema tributário que gerava enriquecimento ilícito em detrimento do aumento da pobreza (Lc.20: 22; Lc. 19:8), da usurpação do direito à terra (Mt. 5: 5), da fome e a sede entre os pobres, como também o desprezo aos estrangeiros (Mt. 25:35).

Jesus é o Messias libertador!

A boa nova do reino não está reduzida a uma espiritualização ou doutrina, mas em um compromisso de amor pelos pobres. Jesus não se ausentou diante do sofrimento do povo, Ele entra na história num envolvimento concreto com a situação de sofrimento e dor do povo.

A injustiça aos pobres, a opressão aos mais fracos e a exclusão estavam dentro da pauta libertária de Jesus. Sua resistência e luta ao lado dos pobres o levou à prisão, tortura e morte.

Essa nova espiritualidade humanizadora de Jesus nos remete aos profetas hebraicos que diante de um contexto de injustiça, se posicionam contra os poderes opressores, assumindo a opção pelos mais desfavorecidos, denunciando o acumulo de riqueza, escravidão, pobreza, fome e outros cenários de desigualdade. Jesus aparece nos evangelhos como o maior dos profetas, assumindo de forma humilde os desígnios do Pai, em subversão, obediência e amor.

Ainda na recomendação de Paulo ao Filipenses, ele desafia a comunidade cristã a imitar o Jesus de Nazaré.

“Seja a atitude de vocês a mesma de Cristo Jesus. ” (Fp. 2:5). A vida de humildade e serviço de Jesus é o exemplo para os discípulos e discípulas, como Ele mesmo disse no momento do lava pés: ‘Pois bem, se eu, sendo Senhor e Mestre de vocês, levei-lhes os pés, vocês também devem lavar os pés uns dos outros.’”(João 13:14).

Essa mensagem bíblica de libertação e serviço não paralisou na história, nem tão pouco se limitou ao tempo dos profetas, profetizas e evangelistas. Ela se contextualiza hoje, no chão da vida, deve ser interpretada a partir da vida, do sofrimento das pessoas, da opressão e desigualdade que permeiam entre o povo em nossos dias.

Como discípulos e discípulas de Jesus, como não lutar e subverter? Como não viver em comunidade e partilha?

Então, não fomos chamados para o ministério de amor libertário, de serviço às pessoas que Deus nos confiou para cuidar? Que sejamos discípulos e discípulas do caminho, que possamos ir ao encontro dos oprimidos e oprimidas.

Fonte: Marcos Aurélio é Coordenador do Espaço Comunitário Pé no Chão, Facilitador da Frente de Evangélicos pelo Estado de Direito e colunista do Centro de Estudos Bíblicos.

Publicado na página do projeto Voz Popular no Medium, 28 de fevereiro, 2018.
???? Sugestões e críticas para comunicacao@cebi.org.br

Foto de capa: Crédito para Gift Habeshaw em Unsplash.

Liga228 situs judi bola merupakan situs judi bola online dengan pasaran terlengkap.

Kunjungi situs judi bola terlengkap dan terupdate seluruh asia.

Situs sbobet resmi terpercaya. Daftar situs slot online gacor resmi terbaik. Agen situs judi bola resmi terpercaya. Situs idn poker online resmi. Agen situs idn poker online resmi terpercaya. Situs idn poker terpercaya.

situs idn poker terbesar di Indonesia.

List website idn poker terbaik.

Game situs slot online resmi

slot hoki terpercaya

slot terbaru

rtp slot gacor

agen sbobet terpercaya

slot online judi bola terpercaya slot online terpercaya