Bem vindo(a) ao CEBI ! (51) 3568-2560

Jesus Cristo é um ‘rei’ pobre, misericordioso e servidor! (Lucas 23,35-43) [Itacir Brassiani msf]

Jesus Cristo é um ‘rei’ pobre, misericordioso e servidor! (Lucas 23,35-43) [Itacir Brassiani msf]
17 de novembro de 2016 Centro de Estudos Bíblicos
Jesus Cristo é um ‘rei’ pobre
 Há mais de 50 anos atrás, durante o Concílio Vaticano II, o saudoso e profético Dom Helder Câmara escrevia, de Roma, aos seus colaboradores: “Celebrei a missa de Cristo Rei. Claro que ele é Rei. Mas de uma realeza tão diferente, que eu me angustio ao ver que, de certo modo, exploramos a realeza dele para justificar inconscientemente a nossa. Durante a missa, pensei o tempo todo no pobre Rei, com estopa nas costas e coroado de espinhos. E fiquei repetindo baixinho: ‘Meu pobre Rei, para mim você é (o mendigo) Luciano’. Dependesse de mim e criaríamos uma festa nova: a festa de Cristo Servidor e Pobre”.
Ainda hoje, as imagens do poder continuam exercendo sobre uma irresistível sedução sobre muita gente. Muitos experimentam uma espécie de êxtase quando têm a oportunidade de se aproximar de um chefe de estado, de um rei ou príncipe, de um ídolo do esporte, de um cardeal ou do Papa. Mas os Evangelhos nos previnem severamente contra os riscos de uma aproximação ingênua entre Jesus Cristo e um rei ou um destes ídolos famosos e poderosos. Quem identifica Deus com os reis, príncipes e sacerdotes acaba olhando o Cristo crucificado e os excluídos de todos os tempos sem entender nada.
É verdade que Jesus anunciou algo como um reino ou reinado de Deus. Ele mesmo foi aclamado como descendente do rei Davi, como o Messias e o rei esperado. Mas isso nada tem a ver com a figura dos reis e chefes que a história nos deu a conhecer, pois alguns deles assassinaram os próprios familiares para alcançar o trono. A referência a Davi expressa a esperança de uma liderança nova e popular, de um líder humilde e corajoso na defesa dos injustiçados, nos moldes do frágil e rejeitado filho de Jessé, excluído pelo próprio pai da festa dos filhos e herdeiros (cf. 1Sm 16,1-13).
Jesus anunciou e colocou em ação o reinado de Deus. Deus reina quando os coxos andam, os cegos veem, os mudos falam, os presos conquistam a liberdade, os oprimidos adquirem a cidadania, os mortos ressuscitam e os pobres recebem boas notícias. Deus reina na medida em que homens e mulheres superam as relações de dominação e exercitam a liberdade e a solidariedade. Jesus realiza o reinado de Deus esquecendo-se de si, fazendo-se irmão e servidor de todos, prioritariamente dos últimos na escala social. Ele renunciou à igualdade com Deus, despojou-se de tudo e assumiu a vida humana e a posição social dos escravos. E é por isso que o mundo inteiro deve fazer reverência diante dele.
A cena descrita por Lucas no evangelho de hoje nos apresenta Jesus crucificado entre dois condenados à morte. Toda a sua vida foi uma proclamação viva de um Deus que acolhe os últimos e faz justiça aos oprimidos. Pregado na cruz entre dois condenados, Jesus proclama silenciosa e inequivocamente a solidariedade de Deus com os excluídos e põe em ação o reinado de Deus. Enquanto os reis e príncipes se afastam dos homens e mulheres e os consideram desprezíveis, Jesus compartilha a sorte dos condenados e os acolhe no seu reinado. Certamente esse não é um rei muito convencional.
Por isso, o Cristo pendente da cruz permanece uma espécie de espada que penetra nossa fé até à medula e incomoda a Igreja e seus chefes. E não passam de fuga e de traição as tentativas de substituir os espinhos por uma coroa de ouro e a cruz por um trono glorioso. É nesta condição de condenado e de proscrito, de quem compartilha a condição dos desclassificados, que Jesus nos livra das trevas do poder impostor e é o primogênito da humanidade regenerada, a cabeça da Igreja seu corpo, o príncipe das mulheres e homens libertos. A ele podemos pedir: “Lembra-te de mim quando entrares no teu reinado!”
Enquanto expressão mais radical da proximidade e da solidariedade de Deus com a humanidade discriminada, Jesus é potente e eloquente sacramento da humanidade renovada. É entregando-nos a vida como dinamismo e força de uma compaixão que regenera que ele nos salva. É compartilhando a humana carência que ele conquista a plenitude pela qual todos anelamos. E é fazendo-se em tudo irmão e servo que ele resgata a dignidade da verdadeira autoridade. É na boca de um dos companheiros proscritos e condenados que ressoa a proclamação da inocência de Jesus: “Ele não fez nada de mal.”
Diante de ti, Jesus de Nazaré, e dos irmãos que estão à tua direita e à tua esquerda, reconhecemos a loucura dos nossos desejos de poder e de glória, e te suplicamos: elimina do nosso coração e da tua Igreja estas pretensões descabidas e o medo que elas escondem. Reveste-nos da tua corajosa compaixão e guia-nos no caminho da solidariedade com os últimos, a fim de que sejamos apenas mas sempre Servidores dos mais pobres, multiplicando sinais luminosos e efetivos do teu reinado ativamente presente na compaixão. Só assim contribuiremos para que reines, e seremos realmente teus irmãos e irmãs. Assim seja! Amém!

(2° Livro de Samuel 5,1-3 * Salmo 121 (122) * Carta aos Colossenses 1,12-20 * Evangelho de Lucas 23,35-43)