Bem vindo(a) ao CEBI ! (51) 3568-2560

Igreja, Sociedade e as Juventudes

Igreja
Igreja, Sociedade e as Juventudes
26 de fevereiro de 2015 Centro de Estudos Bíblicos

Nos modos distintos de atuação da REJU podemos afirmar a relação da Campanha da Fraternidade promovida pela CNBB, ICAR, que neste ano possui como tema "Fraternidade: Igreja e Sociedade”, e o lema "Eu vim para servir” (cf. Mc 10,45).

Ampliando a perspectiva que ultrapassa as dimensões da análise pastoral Católica Romana podemos afirmar que o Brasil passa por um momento de embate onde as pautas da religião e política assumem destaque na dinâmica social. "Eu vim para servir ", provoca não só a comunidade católica, mas as diferentes comunidades de fé a se unirem para enfrentar à "globalização da indiferença ", sendo cada vez mais atuantes na luta contra as desigualdades sociais e superação das intolerâncias.

Como Juventude Ecumênica nos sentimos amparados quanto ao discurso da Campanha que professa o desafio de servir e a missão de se buscar a plenitude do Reino na sociedade, o que de modo concreto, compreendemos pela promoção da Justiça Social. Com a consciência de que a igualdade vem cercada da equidade. E assim pelo dever de reparar problemáticas históricas inerentes ao nosso passado.

O teólogo Jon Sobrino, nos faz refletir sobre o "princípio misericórdia ", que ressalta à importância da identidade cristã em não poder ser indiferente à dor do outro. Este princípio, dialoga, não só com à fé cristã, mas, também contempla, por exemplo, as religiões de matrizes africanas, que nestes primeiros meses do ano, em sua maioria, narram o mito das Águas de Osala, que ressalta à importância de acolhemos os estrangeiros e de sermos sensíveis aos seus apelos.

Em meio às desigualdades sociais temos aqueles que mais sofrem com a violência policial, temos aqueles que nem o Estado e nem as Igrejas acolhem e os amparam. Contudo, não estão fora das Igrejas, de seus espaço de fé ou do Estado, ou de nossas comunidades e famílias. São nossos irmãos e irmãs de lutas pela terra, pelos territórios indígenas e quilombolas, que lutam pelo direito ao corpo e por espaços de atuação igualitária, que lutam pelo direito civis e de expressão ao amor na pauta LGBT. Por fim reconhecemos o outro (a), reconhecemos a nós mesmos e como estamos dependentes.

Como liderança religiosa de expressão mundial, religiosa e política, o Papa Francisco está sendo um líder corajoso. Suas singelas revoluções se revelam em gestos de acolhida e simplicidade. A ousadia é traduzida diante de palavras de conforto e segurança para todas as pessoas que assumem a fé católica, porém nunca foram legitimadas com tamanha ênfase.

Estes gestos resultam em uma nova acolhida e um significativo questionamento: porque não há lugar para todos e todas viver na plenitude da criação? Por que excluo os modos de ser e viver do outros(as)? Neste ponto, consideramos o potencial do ecumenismo, a partir da compreensão da construção oikos (casa comum à todos e todas).

Reconhecer que a política e fé estiveram relacionadas não é a novidade em questão. O que fazer diante deste cenário é o que nos propõe um novo desafio, em um mundo que rediscute valores, morais, ética, instituições e estruturas de poder. O conservadorismo, por um lado, utiliza estruturas e discursos religiosos para não discutir as grandes questões que desafiam a nossa vivência comunitária. Quando se encastelam atrás de dogmas e travam, inclusive no congresso nacional, as discussões das pautas progressistas; deixam de servir e querem ser servidos apenas em seus interesses.

As religiões devem se atualizar constantemente no diálogo com o contexto histórico e as problemáticas da sociedade e suas mudanças, assumindo, seu papel no processo de desenvolvimento socioeconômico, denunciando à desigualdade que estrutura nosso mundo, tendo auto crítica e auto revisão e indo além dos trabalhos assistências, sendo agentes de transformação na luta compartilhada pela igualdade e pela paz, respeitando à laicidade do Estado.

Em meio a este desafios e ideais que as juventudes, neste caso ligadas ao movimento ecumênico, se posicionam como sujeitos de direitos, frente aos desafios de construção de políticas públicas para as juventudes, nas causas e desafios dos movimentos sociais, no cultivo e manifestação da sua fé e vida comunitária nas mais distintas vertentes religiosas do país, pela defesa dos direitos, daqueles (as) que ainda morrem pelo descaso de uma minoria que detém o poder, e, por fim, almejamos um Estado Laico de fato.

Isto convoca diferentes, para se reunir em diálogo pelo bem comum, uma prática e incidência política. Caminho e trajetórias que nos desafiam, mas tornam-se necessárias contra aos retrocessos provocados pelo fanatismo religioso e pela intolerância que assumem novas frentes que violam e banalizam as pautas dos direitos Humanos no país. A Campanha lança o desafio de servir: do despertar a uma realidade que todos deverão se posicionar. Pois o outro (a) do outro (a) é você. Que quer e merece tanto respeito quanto seu semelhante.

Por: Alexandre Pupo Quintino, Alexandre Mago da Glória e Edoarda S. Scherer (Jovens, metodista, candomblecista e católica, integrantes da REJU – Rede Ecumênica da Juventude)

Liga228 situs judi bola merupakan situs judi bola online dengan pasaran terlengkap.

Kunjungi situs judi bola terlengkap dan terupdate seluruh asia.

Situs sbobet resmi terpercaya. Daftar situs slot online gacor resmi terbaik. Agen situs judi bola resmi terpercaya. Situs idn poker online resmi. Agen situs idn poker online resmi terpercaya. Situs idn poker terpercaya.

situs idn poker terbesar di Indonesia.

List website idn poker terbaik.

Game situs slot online resmi

slot hoki terpercaya

slot terbaru

rtp slot gacor

agen sbobet terpercaya