Notícias

Igreja: corpo, voz e consciência negra

por Nilton Júnior*

A igreja de Jesus é um só corpo e essa é a vontade de Deus.

Essa afirmação é muitas vezes respondida quando indagamos sobre o racismo na igreja. No entanto, facilmente se percebe que, apesar da Igreja ser um único corpo, ela não é um corpo único. Ela é diversa.

Não se pode esconder a desigualdade que existe e estrutura esse mundo. Mundo no qual a igreja está inserida e ainda reproduz suas injustiças. É fato: irmãos negros e, sobretudo, irmãs negras, tem sua existência marcada pelo silenciamento, segregação e até demonização, ou seja, são submetidos a mais profunda desumanização. Uma afronta à vida em abundância prometida por Jesus.

A igreja como “um só corpo” deve responder a isso com Verdade, reconhecendo esse pecado estrutural, do qual muitas vezes é promotora e chamar ao arrependimento individual, coletivo e institucional. Não se trata de uma nova norma de conduta, é um urgente rompimento com sistemas de opressão que continuam invisibilizando a pessoa negra.

A nossa fé nos estimula a olhar este mundo em sua concretude, não apenas no horizonte que almejamos. Os dados de mortalidade da juventude negra, de encarceramento e de adoecimento psicossocial já são motivos suficientes para nos desvendar os olhos e nos mostrar que ainda não nos percebemos como um só corpo. Existe parte deste corpo de Cristo que está caído na periferia e, assim como Jesus, está sob a mira de um aparato político que extermina os que considera descartáveis.

Então, sim, somos todas/os filhas e filhos de Deus. Mas, o racismo faz distinção entre nós. Culpar a negritude por isso é como culpar um médico pelo diagnóstico. Essa culpabilização é mais uma forma de promover racismo.
Em novembro, mês da consciência negra, costumamos fazer momentos de debate e denunciar o racismo.

Especialmente no dia 20, dia que rememoramos a páscoa do líder do Quilombo dos Palmares, Zumbi, martirizado por causa da sua resistência à escravidão e de sua liderança entre o povo negro.

Zumbi, juntamente com suas companheiras e companheiros, foi voz profética da liberdade, numa época em que os cristãos elaboraram desculpas teológicas para perpetuar a exploração do povo africano. Mas a estrutura racista é tão persistente que esse grande líder ainda hoje é perseguido por quem tenta reescrever sua história deturpando seu legado.

Precisamos avançar! Essa temática não cabe em apenas um feriado. O povo negro que constrói esse país e é a maior parte nos espaços religiosos não pode ser ouvido apenas numa única data. Temos muito a falar, muito a contribuir e mostrar como somos e seremos resistência.

O tempo é chegado.

Vivamos a fé em Jesus, lembrando que Ele não é aquele loirinho de olhos azuis que nos impuseram. O Nazareno está muito mais perto da nossa fisionomia e, infelizmente, também poderia ser alvo do racismo que atinge seu povo.

Se calarem a voz dos profetas, mil pedras clamarão.

Em memória de Zumbi, Dandara e de Jesus.

Texto de Nilton Júnior (Natal/RN), membro da Igreja Batista do Coqueiral (PE), Ecólogo, Biólogo e professor da educação básica.

situs judi bola AgenCuan merupakan slot luar negeri yang sudah memiliki beberapa member aktif yang selalu bermain slot online 24 jam, hanya daftar slot gacor bisa dapatkan semua jenis taruhan online uang asli. idn poker slot pro thailand

Seu carrinho está vazio.

mersin eskort