Bem vindo(a) ao CEBI ! (51) 3568-2560

Agricultores familiares são os principais agentes para erradicação da fome

Agricultores familiares são os principais agentes para erradicação da fome
Agricultores familiares são os principais agentes para erradicação da fome
29 de outubro de 2014 Centro de Estudos Bíblicos
Famílias produtoras de alimento são agentes decisivos de mudança na busca por segurança alimentar sustentável e na erradicação da fome mundial no futuro. Segundo informe recente da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), nove em cada 10 dos 570 milhões de cultivos agrícolas são geridos por famílias, figurando estas como o elemento predominante do setor.

 A organização aponta que os cultivos agrícolas familiares produzem em torno de 80% dos alimentos do planeta e correspondem a 75% de todos os recursos agrícolas mundiais, figurando como chaves para melhorar a sustentabilidade ecológica e de recursos naturais. De acordo com o diretor-geral da FAO, José Graziano da Silva, essa produção predominante é vital para solucionar a fome que aflige mais de 800 milhões de pessoas no Globo.

Ao mesmo tempo, a agricultura familiar está entre as mais vulneráveis às consequências do esgotamento dos recursos e da mudança climática. Enquanto que terras geridas por agricultores familiares geram excelentes rendimentos, muitas pequenas fazendas não alcançam produzir o suficiente para proporcionarem meios de vida dignos para as famílias.
"A agricultura familiar se encontra, assim, diante de um triplo desafio: o aumento do rendimento para satisfazer a necessidade mundial de segurança alimentar e uma melhor nutrição; a sustentabilidade ambiental para proteger o planeta e garantir sua própria capacidade produtiva; e o crescimento da produtividade e diversificação dos meios de vida para sair da pobreza e da fome”, destaca a FAO. De acordo com a organização, todos esses desafios pedem que os agricultores inovem seus modos de produção.
A FAO faz um chamamento para que o setor público, trabalhando conjuntamente com os agricultores, organizações da sociedade civil e o setor privado, melhore os sistemas de inovação para a agricultura. "Os sistemas de inovação agrícola incluem todas as instituições e atores que apoiam os agricultores no desenvolvimento e adoção de melhores formas de trabalho em um mundo cada vez mais complexo”, justifica.
A organização propõe ainda que a capacidade de inovação deve promover-se em vários níveis, com incentivos para camponeses, investidores e provedores de serviços e assessoramento, além de cadeias de valor integradas para interatuar e criar redes e associações para compartilhar informação. "Em todos os casos, os agricultores têm de ser protagonistas da inovação, já que somente assim poderão tomar posse do processo e assegurar-se de que as soluções que se oferecem respondem às suas necessidades”, asseverou Graziano da Silva.

A organização destaca que os responsáveis pelas políticas públicas do setor devem levar em conta a diversidade da agricultura familiar em termos de tamanho, tecnologias utilizadas e a integração dos mercados, assim como seus entornos ecológicos e socioeconômicos. Esta diversidade implica que os agricultores tenham diferentes necessidades dentro de um sistema de inovação. "Ainda assim, todas as fazendas necessitam de uma melhor governança, estabilidade macroeconômica, infraestrutura física e institucional do mercado e educação, assim como pesquisa agrícola básica”, ressalta a FAO.