Notícias

A Campanha de Fraternidade Ecumênica e os Povos Indígenas

A Campanha de Fraternidade Ecumênica e os Povos Indígenas
Na Quaresma, a fala do profeto Amós “Quero ver o direito brotar como fonte e correr a justiça qual riacho que não seca” acompanha-nos na Campanha de Fraternidade Ecumênica.

Como nós vivemos na nossa casa comum? Como nós nos responsabilizamos para que todos os seres – humanos, animais, plantas, arvores, rios: toda a criação em sua diversidade maravilhosa – possam aproveitar seus direitos?

Isso também é uma pergunta que os povos indígenas colocam para a sociedade Brasileira.

No caderno para a ‘Semana dos Povos Indígenas de 2016, Laklãnõ/Xokleng: O povo que caminha em direção ao sol’, do Conselho de Missão entre Povos Indígenas (COMIN), estas perguntas são apresentadas em dois momentos que refletem dois dias da Semana Santa: a Sexta-Feira Santa e Páscoa. O momento da ausência de luz e da esperança é representado para o poema de João Adão Nunc-nfoônro de Almeida, intitulada Saudade.

Saudade do índio, sentando no chão,
Em volta do fogo, comendo pinhão.
Saudade do cântico, que o kujá cantava,
E de todo povo, que alegra dançava.

Saudade de mata, por onde andavam,
Saudade de caça, que todos tratavam.
Saudade de mõg, que o índio bebia,
Saudades das festas, tudo era alegria.

Saudade do fogo, que o índio acendia,
Saudade das danças, grande era a alegria.
Saudade do rio, onde as crianças nadavam,
Saudade dos peixes que os índios alimentavam.

Saudade das festas, e dos casamentos,
Sempre em luas cheias, era uma grande evento.
Saudade de tudo, que o índio usava,
E a tradição sempre continuava.

Saudade da terra, que foi invadida,
Saudade da mata, que foi destruída.
Saudade da relva, que o fogo queimou,
Saudade de tudo que o tempo apagou.

Saudade do ouro e do pau brasil,
Saudade de tudo, que daqui sumiu.
Saudade do índio que o branco matou,
Com esta Saudade para o túmulo vou.

A Páscoa não nos deixa no túmulo. Ela nos abre para um outro mundo possível: onde as forças da morte não vencem, mas onde o direito brota como fonte e onde a justiça corre como um riacho que não seca.

O povo Laklãnõ/Xokleng também nos oferece um exemplo da esperança nas suas comunidades: o renascimento da consciência da sua cultura, língua, espiritualidade. Eles levam as pessoas não-indígenas na Mata Atlântica, mostram a biodiversidade e ensinam sobre a sua cultura. No encontro, no diálogo, eles mostram não são como “aquele indígena retratado em livros e programas de televisão, mas o indígena real que tem sua língua, tem voz, tem sonhos, alegrias e tristezas; tem sabedoria, tem vida e que é Laklãnõ/Xokleng.”

Desde o ensino sobre a sua cultura, os Laklãnõ/Xokleng oferecem um olhar numa maneira diferente de viver e de cuidar da nossa casa comum.

Link para o Caderno da Semana dos Povos Indígenas: comin.org.br/publicacoes/interna/id/104

situs judi bola AgenCuan merupakan slot luar negeri yang sudah memiliki beberapa member aktif yang selalu bermain slot online 24 jam, hanya daftar slot gacor bisa dapatkan semua jenis taruhan online uang asli. idn poker slot pro thailand

Seu carrinho está vazio.

mersin eskort
×