Bem-vindo ao CEBI! (51) 3568-2560 | [email protected]

CEBI repudia violência praticada pela Guarda Municipal de São Paulo contra pessoas em situação de rua

CEBI repudia violência praticada pela Guarda Municipal de São Paulo contra pessoas em situação de rua
15 de setembro de 2018 CEBI Secretaria de Publicações

“Amados, amemo-nos uns aos outros, porque o amor vem de Deus. E todo aquele que ama, nasceu de Deus e conhece a Deus… E nós temos conhecido e temos acreditado no amor que Deus tem por nós. Deus é amor: quem permanece no amor permanece em Deus, e Deus permanece nele” (1Jo 4,7.16)

Faz uma semana que caminhamos pelas ruas para proclamar, gritar, clamar em favor das vidas excluídas e alijadas dos plenos direitos e de dignidade. Hoje, imperou a violência, truculência e total desrespeito pelo outro e pela outra, praticados pela Guarda Municipal de São Paulo. Estes que fazem parte dos serviços da municipalidade, deveriam primar pelo diálogo, pelo interesse de defesa das minorias da sociedade.

Justamente hoje (certamente em tantas outras ocasiões fizeram violências às camadas excluídas, estabelecendo a conversa com cassetetes, balas de borracha, sprays de pimenta…) pela manhã chegaram ao Núcleo de Convivência São Martinho de Lima, do Centro Social Nossa Senhora do Bom Parto, da Arquidiocese de São Paulo, localizado no bairro do Belenzinho, na zona leste da capital, de forma truculenta agredindo funcionários da entidade, moradores de rua, o padre Júlio Lancelotti (Vigário episcopal para o povo da rua).

O CEBI vem manifestar sua voz de protesto e repúdio a ações como estas que atendam contra a vida humana. Assim juntamos nossas vozes com as de tantos irmãos e tantas irmãs que se colocam na defesa dos empobrecidos e “condenados da terra” em nossas ruas, vielas, favelas, grotas, becos e nos territórios de ninguém.

Pelo fim das violências, pela cultura do acolhimento e da solidariedade e, fundamentalmente pela construção da sociedade do bem-viver. A luz da profecia de Oséias podemos dizer: Queremos solidariedade e não violências, justiça e não opressões (conferir Oséias 6,6).


Direção Nacional do CEBI
Maceió/AL, 14 de Setembro de 2018