Bem vindo(a) ao CEBI ! (51) 3568-2560

Celebrar o dia da Consciência Negra: uma necessidade política

Celebrar o dia da Consciência Negra: uma necessidade política
23 de novembro de 2020 Comunicação

Povo negro quer formar uma roda diferente, onde brilha a alegria e a fé da nossa gente (Lúcia Felício e Gilio Felício)

Pe. Ari Antonio dos Reis*

Joelmar de Souza**

            Estamos na semana da Consciência Negra que circunda uma data muito significativa para a população afro-brasileira: a memória da morte de Zumbi (1695), liderança do Quilombo dos Palmares. Em um país com histórico de negação do papel fundamental movimentos e lideranças populares na democratização, especialmente dos negros, como é o caso do Brasil, é alvissareiro demarcar esta data. É também a demarcação de uma luta política árdua e necessária. No último pleito eleitoral foi noticiada como grande novidade a eleição de alguns candidatos negros para prefeituras e câmara de vereadores. Contudo, noticiar este fato como “novidade” em nosso país deveria causar certa estranheza. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estática (IBGE) a população afro-brasileira é maioria no Brasil conforme o critério de auto definição. Sendo maioria, por que tão baixa representatividade nos cargos eletivos?

A celebração do dia da Consciência Negra torna-se também um ato político se assumirmos a leitura de política como “arte de bem organizar a vida dos povos vivendo em uma nação” (Bastos Ávila, 1993, p. 364) ou como exercício caritativo em vista do bem comum (cf. Papa Pio XI). É agir político assinalar no calendário nacional a memória de Zumbi dos Palmares. Ela não pode ficar esquecida e não pode ficar descrita em discursos e escritos como algo de menor importância na História. A celebração da memória de Zumbi dos Palmares implica em lembrar a presença dos negros na História do Brasil, a luta contra a escravidão e o legado cultural que deixaram.

Apesar das controvérsias e tentativas de contrapontos a esta narrativa, sabemos que o Brasil tem uma dívida histórica para com a população negra devido aos quase três séculos de escravidão. A espinha dorsal da economia brasileira, até 1888, era o trabalho escravagista. Os negros não recebiam senão a casa (senzala), alimentação frugal e roupa para produzir riquezas. Começou com a produção de açúcar a partir das lavouras de cana e migrou para a mineração ou outras atividades econômicas, dependo da região.  No Rio Grande do Sul destacava-se a produção de charque.

Zumbi e outras lideranças procuraram organizar os negros em vista do enfrentamento do sistema. O movimento Quilombola foi uma das iniciativas promissoras nascidas no tempo da escravidão. Não foi um projeto fácil. Estavam lutando contra a instituição escravagista, base econômica do Brasil no período colonial e imperial. O movimento Quilombola era visto pelo sistema como uma ameaça econômica e social e, por isso, se iniciou a perseguição a Zumbi e outras lideranças. Era necessário destruir o Quilombo dos Palmares pelo fascínio que exercia como símbolo da luta contra a escravidão.  Quando se alcançou o objetivo, o feito foi motivo de festa. A perseguição se estendeu a outras lideranças nas diferentes regiões do Brasil. Infelizmente, a historiografia ainda é pobre quanto ao levantamento de dados. Assim como Zumbi, muitos líderes reagiam ao projeto escravagista utilizando-se de diferentes metodologias.

Zumbi e os quilombolas lutavam contra a escravidão, contra o direito de um homem ter poder sobre o outro, legitimado pelo Estado. Naquele tempo a luta pela dignidade humana era considerada afronta à lei, uma vez que esta fora formulada por homens brancos defensores da escravidão. Entretanto, a organização quilombola não foi a única iniciativa dos negros no enfrentamento da escravidão. As irmandades e confrarias também ocuparam um papel significativo, sobretudo na compra da liberdade dos negros escravizados. Eram as diferentes formas de enfrentamento da escravidão.

A luta de Zumbi, e de tantos outros líderes negros, enfrentou diversas resistências. Primeiramente foi tratada como ato ilegal, como expresso acima, e posteriormente com certo velamento da sua importância histórica. Este velamento foi aliado ao menosprezo das formas de expressividade do povo negro, das quais destacamos a cultura e a religião. A cultura de origem afro-brasileira, mesmo estando presente nas diferentes regiões do Brasil, foi vista como “subcultura”, uma vez que a referência era a vertente cultural de origem europeia. Já em relação ao exercício do culto religioso, este sempre foi visto com desconfiança e, muitas vezes, proibido.

Todavia, o broto da vida sobrevive à aridez do solo. Hoje é impossível desconhecer os traços afros na linguagem, na alimentação, na música e tantas outras manifestações culturais. A religiosidade de matriz africana se ressignificou e sobreviveu. Nas periferias é o espaço sagrado de renovação da esperança e do alento em uma sociedade ainda racista e preconceituosa.

Além da vertente originária, a raiz religiosa africana penetrou também na tradição cristã, enriquecendo-a sem negar os fundamentos tradicionais. Como reconhecem os bispos reunidos na Conferência de Aparecida, os afro-americanos se caracterizam, entre outros elementos, pela expressividade corporal, o enraizamento familiar e o sentido de Deus (DAp 56). Busca-se reforçar o compromisso da Igreja Católica, enquanto aliada da causa. Assinalamos o pedido expresso aos bispos do Brasil pela abolição da escravidão, de autoria do Papa Leão XIII na Encíclica In Plurimis (1888). Outra manifestação documentada é o texto final da Conferência de Aparecida, onde se lê o compromisso dos bispos latino-americanos de, pela prática pastoral, contribuir para que as feridas culturais, injustamente sofridas na história, não absorvam nem paralisem o dinamismo do povo negro nos novos cenários de vida (cf. DAp 533).

Nesta trajetória secular de luta e resistência é importante celebrar o Dia da Consciência Negra. Compreende-se que a negritude, herança étnica e política dos antepassados, é anterior à escravidão moderna. Superado este crime, cabe dar outros passos. As terras brasileiras não são mais o “exílio dos negros”. Agora é a nossa pátria! Se no passado a chegada aqui se deu aliada à perda da liberdade, agora a presença se caracterizará pela luta pelos direitos de cidadania teimosamente negados mesmo que alguns estejam amparados na lei.

Não deixemos de celebrar este dia como memória histórica e como consciência de que existe muito a fazer.

*Padre da Arquidiocese de Passo Fundo; Professor do Instituto de Teologia e Ciências Humanas (ITEPA Faculdades).

** Seminarista da Etapa da Configuração da Arquidiocese de Passo Fundo; acadêmico do VIº semestre do curso de Bacharelado em Teologia (ITEPA Faculdades).

 

Artigo sugerido para publicação pela equipe do CEBI Bahia.

Liga228 situs judi bola merupakan situs judi bola online dengan pasaran terlengkap.

Kunjungi situs judi bola terlengkap dan terupdate seluruh asia.

Situs sbobet resmi terpercaya. Daftar situs slot online gacor resmi terbaik. Agen situs judi bola resmi terpercaya. Situs idn poker online resmi. Agen situs idn poker online resmi terpercaya. Situs idn poker terpercaya.

situs idn poker terbesar di Indonesia.

List website idn poker terbaik.

Game situs slot online resmi

slot hoki terpercaya

slot terbaru

rtp slot gacor

agen sbobet terpercaya

slot online judi bola terpercaya slot online terpercaya