Bem vindo(a) ao CEBI ! (51) 3568-2560

7 escândalos de corrupção do governo Bolsonaro

7 escândalos de corrupção do governo Bolsonaro
6 de outubro de 2021 Comunicação

Corrupção passiva, obstrução da Justiça, falsidade ideológica, fake news: relembre alguns motivos para ir às ruas no sábado (2/10) contra o governo genocida

 

Por Fernanda Alcântara*
Da Página do MST

Neste fim de semana, centrais sindicais, movimentos populares, partidos políticos e as Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo irão às ruas para um grande ato nacional neste sábado, 02/10, pelo Fora Bolsonaro. Em todas as regiões do país, já há manifestações confirmadas e muitas cidades ainda seguem convocando e marcando seus locais de concentração.

No marco de 1.000 dias na Presidência da República, completados na última segunda-feira (27/09), apoiadores de Bolsonaro lançaram a hashtag “#1000DiasSemCorrupçao”. A ação coordenada vai contra todos os fatos que comprovam como o Governo Federal tem operado sistematicamente de forma vil, acumulando diversos casos envolvendo corrupção, desvio de verbas, destruição de bens públicos, improbidade administrativa e outros crimes.

Veja abaixo uma lista que relembra 7 casos que envolvem corrupção na gestão de Bolsonaro e porque o MST se solidariza contra o caos que este governo tem provocado contra a população brasileira:

1. Corrupção na pandemia

Foto: Sergio Lima/AFP

Diversos casos de corrupção tem sido revelados durante a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia, que investiga omissões e irregularidades nas ações do governo federal do presidente Jair Bolsonaro.

Desde que foi criada, em 13 de abril de 2021, a CPI tem revelado as consequências mais perversas em meio à terrível crise humanitária, desde as suspeitas de corrupção no contrato do Ministério da Saúde para a compra da vacina indiana Covaxin até a criação de um “gabinete paralelo”, que junto com operadoras de plano de saúde, intimidaram médicos pelo uso de medicamentos sem comprovação científica.

2. “Laranjal” no turismo

Arte: Agência PT de notícias

O escândalo é de 2019, mas segue sem encerramento. Marcelo Álvaro Antônio, deputado federal e ex-Ministro do Turismo, é acusado de participar ativamente de um esquema de corrupção em Minas Gerais. Na posição de presidente do Partido Social Liberal (PSL) no estado, ele teria desviado fundos de campanha de candidatas do partido, realizado indicações de campanha como candidatas “laranja”, no intuito de usar seus fundos de campanha em benefício próprio e ameaçado algumas das candidatas para não deporem contra ele. Em outubro, Antônio foi denunciado por falsidade ideológica, associação criminosa e fraude.

Apesar das denúncias, Marcelo Antônio continuou no cargo do Ministro do Turismo até o ano passado. O caso corre em sigilo até hoje.

3. Meio ambiente em chamas: Ricardo Salles

Bolsonaro e seu Ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. Foto: Blog Esmael Moraes

Ricardo Salles foi sem dúvidas um dos ministros mais nocivos e cruéis do governo Federal. Condenado por improbidade administrativa, a Justiça comprovou a participação do ex-Ministro do Meio Ambiente na fraude do plano de manejo de área de proteção ambiental para beneficiar empresas de mineração ligadas à Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

Salles também está envolvido em processos da Polícia Federal que apuram crimes do ex-Ministro por agir contra a administração pública, corrupção, advocacia administrativa, prevaricação e, especialmente, facilitação de contrabando a empresários do ramo madeireiro. A principal linha de investigação aponta que o Ministério do Meio Ambiente atuou favorecendo indevidamente empresas dentro da administração pública, o que pode caracterizar crime de advocacia administrativa. Com essa operação, a PF busca provas do eventual pagamento de propina aos servidores.

4. Por que Queiroz depositou R$ 89 mil na conta de Michelle?

Capa do Jornal Exta do dia 24/08/2020. Foto: Reprodução

Reportagens na revista Crusoé, jornal Folha de S.Paulo e o portal G1 mostram um total de R$ 89 mil recebidos pela atual primeira-dama, Michelle Bolsonaro, entre 2011 e 2016. A quebra de sigilo mostrou que Queiroz depositou 21 cheques na conta de Michelle nesse período, somando R$ 72 mil, enquanto Marcia Aguiar, esposa de Queiroz, realizou o deposito de mais seis cheques também para a primeira-dama entre janeiro e junho de 2011, no valor total de R$ 17 mil.

Desde que as denúncias foram divulgadas, em agosto de 2020, a pergunta “Por que Queiroz depositou R$ 89 mil na conta de Michelle?” já foi repetida mais de 1 milhão de vezes nas redes sociais, mas segue sem resposta.

5. Dinheiro na cueca e Onyx Lorenzoni

O deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS), que já transitou no Governo Bolsonaro como Ministro da Casa Civil, Ministro da Secretaria Geral da Presidência do Brasil, e atualmente é Ministro do Trabalho e Previdência, admitiu o recebimento de doações em sua campanha eleitoral e, através de um acordo, deve R$ 189 mil como prestação pecuniária.

Flagrado com R$ 30 mil na cueca, Chico Rodrigues [à direita] era vice-líder do governo e já se referiu ao presidente como “amigo Jair Bolsonaro”. Foto: Marcos Côrrea/Presidência da República

Já em 2020, o senador Chico Rodrigues, então aliado de Bolsonaro e vice-líder do Governo no Senado, ganhou repercussão nacional depois de ser flagrado pela Polícia Federal com R$ 33 mil na cueca. O dinheiro foi encontrado ao cumprir um mandado de busca e apreensão na casa do parlamentar durante uma operação para apurar um suposto esquema criminoso de desvio de recursos públicos para o combate ao Coronavírus em Roraima. Diferente de Onyx, o senador deixou o posto em 15 de outubro e pediu afastamento do mandato.

6. Interferência na Polícia Federal

Mobilização pelo Fora-Bolsonaro em 19 de junho. Foto: MST GO

Atualmente, Jair Bolsonaro responde ao inquérito que investiga a participação do chefe do Executivo sobre o uso da corporação para proteger seus filhos e aliados. A investigação foi aberta no final de abril de 2020, a partir de informações apresentadas pelo ex-Ministro Sérgio Moro, que deixou o governo acusando o presidente de substituir nomeados em cargos estratégicos da PF para blindar familiares e aliados de investigações. Juridicamente, o Presidente pode ter que responder presencialmente aos crimes de corrupção passiva privilegiada, advocacia administrativa, obstrução de justiça, falsidade ideológica e coação no curso do processo.

Em maio do ano passado, Bolsonaro confessou a interferência na PF e intenção de “proteger a família”. O STF retomou nesta quarta-feira (29), as revisões sobre a investigação.

7. Rachadinhas e Bolsonaros

Foto: Gustavo Marinho

São muitas as investigações que envolvem o presidente e os filhos de Bolsonaro: Flávio e Carlos, suspeitos de organizar um esquema de “rachadinha” no gabinete do parlamentar na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro. Segundo jornais e depoimentos, foi identificado que Fabrício Queiroz recebeu R$ 2 milhões por meio de 483 depósitos de dinheiro em espécie feitos por 13 assessores ligados ao gabinete do filho do presidente da República.

No mais recente escândalo envolvendo o tema, um ex-empregado de Ana Cristina, ex-esposa de Jair Bolsonaro e mãe do filho Renan, denunciou que entregou para a família 80% de tudo o que recebeu como assessor de Flávio na Assembleia do Rio por quase quatro anos, cerca de R$ 340 mil. O esquema ilegal de entrega de salários acontecia no gabinete de diversos mandatos de Bolsonaro e da família.

Por todos estes crimes e pela morte de quase 600 mil pessoas, a Campanha Fora Bolsonaro convoca a todas e todos para ocupar as ruas, seguindo os protocolos que evitam a proliferação da Covid-19. A situação de ameaça à vida do povo torna imperativo a luta pelo impeachment: Fora Bolsonaro!

*Com informações do portal Transparência Internacional e materiais de diversos veículos de imprensa.

**Editado por Solange Engelmann

 

Foto: crédito -Leonardo André /Alagoas

 

Fonte : artigo publicado no site do MST Brasil