Reflexão do Evangelho

Vivemos Atiçados pelo Espírito e Mergulhamos em Cristo

As palavras de Jesus no evangelho de hoje fazem parte dos textos mais obscuros e difíceis do Novo Testamento. Para entendê-las adequadamente, precisamos situá-las no contexto literário no qual se encontram: o caminho de Jesus para Jerusalém. Estas frases fazem parte da catequese com a qual Jesus explica aos discípulos sua missão, a radicalidade da adesão ao projeto do Reino de Deus e as exigências para quem adere à sua proposta de vida. Por detrás dessas palavras estão tanto a experiência como algumas preocupações dos discípulos daquele tempo.

Para falar da sua missão, a mesma que ele compartilha conosco, Jesus recorre a duas imagens: o fogo e o batismo. Em algumas tradições de Israel o fogo é símbolo da intransigência de Deus frente ao pecado. Alguns profetas usam a imagem do fogo para descrever a ira de Deus (cf. Am 1,4; 2,5) ou o castigo imposto às nações pecadoras e ao próprio Israel (cf. Is 30,27.30.33). Mas, ao mesmo tempo em que castiga, o fogo também faz desaparecer o pecado (cf. Is 9,17-18; Jer 15,14; 17,4.27). Portanto, o fogo é elemento de purificação e transformação (cf. Is 6,6; Eclo 2,5; Dan 3).

É neste horizonte que podemos entender o sentido do fogo no trecho da pregação de Jesus que nos é oferecida neste segundo domingo do mês vocacional. Jesus vem revelar a santidade de Deus – destruir o egoísmo, a injustiça, a opressão que arruínam o mundo – a fim de que surja o Mundo Novo, marcado pelo amor, pela partilha, pela fraternidade e pela justiça. E essa transformação acontece, inicialmente, através da Palavra e da ação de Jesus e, mais tarde, mediante a ação do Espírito Santo que o Pai enviará aos discípulos/as. Ele é mesmo “pescador de outros lagos”.

Quanto à imagem do batismo, parece evidente que está referida à morte de Jesus. Em Mc 10,38 Jesus pergunta a João e Tiago se eles estão dispostos a “beber do cálice” que Ele vai beber e a “receber o batismo” que Ele vai receber. São imagens complementares, usadas para descrever sua paixão e morte na cruz. Para que o fogo transformador e purificador se manifeste, é necessário que Jesus faça da sua vida um dom de amor. E isso ele começou a fazer na Galileia, ampliou na sua subida a Jerusalém e completou na sua paixão e morte.

A paz é um dos dinamismos essenciais da esperança messiânica do povo do povo de Israel. “Quero ouvir o que o Senhor irá falar: é a paz que ele vai anunciar; a paz para o seu povo e seus amigos, para os que voltam ao Senhor seu coração… A verdade e o amor se encontrarão, a justiça e a paz se abraçarão” (Sl 84/85). O hino messiânico do sacerdote Zacarias saúda Jesus como aquele que vem “para dirigir os nossos passos, guiando-os no caminho da paz” (Lc 1,79). Mas, se isso é verdade, então por que Jesus diz que não veio trazer paz, mas divisão?

Dizendo que não veio trazer ao mundo a paz mas a divisão, Jesus não está falando da meta da sua ação, mas fazendo referência às reações das pessoas e grupos à sua pessoa e à sua proposta. Ele veio trazer a paz, mas uma paz que é vida plena, vivida na solidariedade e na coerência. A paz do reino de Deus, aquela que os verdadeiros/as discípulos/as buscam como fome e sede, não pode ser tecida e sustentada com meias tintas, com meias verdades, com jogos de equilíbrio que não perturbam ninguém mas também não transformam nada. A paz de Jesus é uma “paz inquieta”.

O objetivo de Jesus não é conservar o sistema de poder intacto, pactuar com uma paz que não questiona a injustiça e a opressão, como as grandes redes de comunicação que não toleram que a paz seja maculada pelas reivindicações de democracia e respeito ao povo. Sua missão é incendiar o mundo, colocar em causa tudo aquilo oprime o povo e escraviza a pessoa e a vida. O caminho da fé cristã não é um passeio fácil e descomprometido, mas um percurso duro e difícil, que não se coaduna com incoerências e concessões em nome de um pacifismo medroso e ingênuo.

Jesus de Nazaré, fogo de amor que elimina a injustiça e purifica a ambiguidade dos nossos projetos e ações: batiza com o teu Espírito todas as pessoas que acreditam em ti, todas aquelas que chamas a se fazerem dom e serviço numa Igreja sinodal, constituída por uma comunhão de carismas e ministérios. Ilumina especialmente os pais e mães na exigente tarefa de iniciar seus filhos e filhas nos caminhos da paz alicerçada na justiça. Ajuda-nos a manter os olhos fixos em ti, e a aprendermos da tua compaixão com os pequenos. Amém! Assim seja!

Itacir Brassiani msf

situs judi bola AgenCuan merupakan slot luar negeri yang sudah memiliki beberapa member aktif yang selalu bermain slot online 24 jam, hanya daftar slot gacor bisa dapatkan semua jenis taruhan online uang asli. idn poker slot pro thailand

Seu carrinho está vazio.

mersin eskort