Bem vindo(a) ao CEBI ! (51) 3568-2560

Eu sou o pão que desceu do céu

Eu sou o pão que desceu do céu
6 de agosto de 2018 Centro de Estudos Bíblicos

texto de Ir. Florinda Dias Nunes– sjbp, sobre João 6,41-51:

O texto deste domingo é Jo 6,41-51 e continua o discurso de Jesus sobre o pão que desceu do céu.

No domingo passado a multidão havia pedido a Jesus: “Senhor, dá-nos sempre desse pão” (v. 34). Neste, ele faz a grande declaração: “Eu sou o pão da vida. Quem vem a mim não terá mais fome, e quem acredita em mim nunca mais terá sede” (v. 35). Portanto, a narração se dá ainda junto ao Mar da Galileia onde Jesus havia multiplicado os pães (cf. v. 19). Nos vv. 41-51 acontece toda uma situação de crítica a este Jesus que se declara Pão Vivo, enviado pelo Pai.

Podemos destacar três momentos nesta perícope:

  • vv. 41-42 – os adeptos da instituição criticam Jesus
  • vv. 43-46 – os verdadeiros motivo da oposição a Jesus
  • vv. 47-51 – o Pão da vida Jesus, em contraposição ao maná

vv. 41-42 – os adeptos da instituição criticam Jesus

A perícope começa introduzindo novas personagens, os adeptos da instituição, diante da declaração anterior de Jesus apresentam como objeção a sua origem humana, que para eles é incompatível com a sua qualidade divina (cf. vv. 41-42), pois “conhecem” sua origem e não conseguem ver nele a divindade. Assim como os hebreus murmuraram no deserto (cf. Ex 16,7-8), querendo retornar ao Egito, terra da escravidão e da morte, eles também murmuram. Não admitem que Jesus venha de Deus. Jesus, plenamente humano, vem de Deus e é a revelação perfeita de Deus.

Por que separar Deus do humano?

Com o prólogo (1,14) aprendemos que o humano Jesus é o ponto de encontro de Deus com a humanidade. O próprio Deus conduz as pessoas a essa descoberta. Só resta deixar-se guiar por Deus que se dá a conhecer plenamente humano na pessoa de Jesus. Estar do lado da vida é estar do lado de Deus. Jesus garante que quem está a favor da vida que nele se manifesta terá vida para sempre. A humanidade de Jesus é pedra de tropeço para os líderes. Já para a comunidade joanina a glória está justamente em Jesus de Nazaré, feito homem: “A Palavra se fez homem e habitou entre nós. E nós contemplamos sua glória: glória do Filho único do Pai cheia de amor e fidelidade” (Jo 1,14).

Quando Jesus assume a expressão “Eu sou” (v. 41b) está assumindo o Nome do Deus libertador do AT (cf. Ex 3,14-15). É ele o presente-pão de Deus para a vida da humanidade. A expressão “Quem vem a mim … ” recorda o convite da Sabedoria no AT que convocava todas as pessoas ao banquete da vida (cf. Pr 9,1-6). É a vida presente em todas as coisas que Deus criou. Jesus se revela como a Sabedoria que produz vida sem fim, superior à Sabedoria do AT.

vv. 43-46 – os verdadeiros motivo da oposição a Jesus

Jesus revela, em primeiro lugar, qual é o motivo de sua oposição a ele, a falta de interesse pelo homem, por não conhecerem a Deus como Pai (cf. vv. 43-46). A beleza do projeto de salvação está justamente no fato de Deus ter assumido a humanidade na pessoa de Jesus. Ele se tornou o ponto de referência indispensável para entendermos quem é Deus. Aderindo à humanidade de Deus em Jesus, as pessoas passam da morte à vida. “Eu o ressuscitarei no último dia” (v. 44b).

Os fariseus chegaram a admitir a ressurreição como fruto da observância da lei. Jesus garante que a ressurreição depende da adesão a ele e a seu projeto. Ele é a nova lei que Deus oferece à humanidade. Esta afirmação é confirmada quando o texto diz: ‘Todos serão discípulos de Deus’ (v. 45a), citação esta que se encontra também em Is 54,13 e Jr 31,33. O evangelho confirma este anúncio profético quando diz que Deus inscreveu a nova lei na pessoa de Jesus, e “todo aquele que escuta o Pai e aceita seu ensinamento adere a Jesus” (v. 45b), porque ele é o único que está junto de Deus (cf. Jo 1,18) e vê continuamente o Pai (v. 46; cf. 1,2).

vv. 47-51 – o Pão da vida Jesus, em contraposição ao maná

Em seguida, ele se declara pão de vida em lugar do maná que não conseguiu levar o povo do Egito à terra prometida (cf. vv. 47-51). Jesus comunica a vida doando-se a si mesmo, em sua realidade humana, até à morte. A aceitação deste seu dom e a assimilação vital dele (comer a sua carne e beber o seu sangue) são para o homem fonte de vida (novo maná) e norma de vida (nova Lei).

Para os fariseus, porém, a ressurreição seria o prêmio que Deus daria aos que observassem a Lei. Jesus garante que a ressurreição é o prêmio para os que aderem à vida que ele comunica. A nova lei é dar adesão a Jesus, aquele que comunica vida em plenitude. Aderindo a Jesus, o doador da vida, nós conhecemos o Pai; e reconhecemos que ele nos atrai a partir daquilo que temos em comum: o desejo de vida plena. Jesus, portanto, é caminho: trouxe a vida de Deus para dentro da nossa caminhada e endereça nossa caminhada para a vida plena em Deus.

Crer em Jesus doador da vida, provoca um novo êxodo, um direcionamento novo para toda a existência. Abre-nos os olhos para perceber que vivemos num mundo em que a morte procura sufocar a vida a todo custo; une nossas forças para que a vida se manifeste do jeito que Deus quer: para todos.

Dentro desse esforço de fazer a vida acontecer, Jesus se torna alimento que sustenta para sempre: “Eu sou o pão vivo que desceu do céu. Quem come deste pão viverá para sempre. E o pão que eu vou dar é a minha própria carne, para que o mundo tenha vida” (v. 51). É ele o Cordeiro da nova Páscoa. Morre na hora em que os cordeiros eram imolados para a páscoa dos judeus. Vai dar sua carne morrendo por amor. Seu sangue preservará da morte para sempre. A melhor resposta que podemos dar ao dom de Deus é acolher Jesus como aquele que se doa totalmente a nós.

Concluindo

Para os cristãos, a Eucaristia é o memorial da doação plena de Jesus. Comer sua carne e beber seu sangue provoca entre ele e as pessoas uma união inseparável, capaz de suscitar a vida que não termina. A expressão: “comer sua carne e beber seu sangue”, era sinônimo de assimilação da pessoa de Jesus na sua totalidade: aceitá-lo como dom do Pai e dar-se como dom de vida para a humanidade. Comungar, portanto, é acolher Jesus na sua totalidade. Com esta expressão o evangelho se abre à dimensão universal. A nova lei não é inscrita só num povo, mas em todos os que desejam ser discípulos de Deus. A comunidade dos que crêem, portanto, é comunidade aberta, como o projeto de Deus, que é proposta feita a todos. Deixemos que a Palavra nos transforme em verdadeiros discípulos missionários e como Jesus, pão doado, pão partilhado, colaboremos para que a vida reine em plenitude em nossas comunidades.

Referências
cf. BORTOLINI, José. Como ler o evangelho de João. O caminho da vida.São Paulo, 1994, Paulus, p. 75-79; MATEOS Juan – BARRETO Juan. O Evangelho de João, análise lingüística e comentário exegético. Paulus, São Paulo 1999, p. 326-331 e DUFOUR, Xavier Léon. Leitura do Evangelho segundo João II. São Paulo 1996, Loyola, p. 95.111-119. Disponível em: http://www.irmaspastorinhas.com.br/liturgia//l_87/XIX_domingo_%20tc_anob_com.pdf

Liga228 situs judi bola merupakan situs judi bola online dengan pasaran terlengkap.

Kunjungi situs judi bola terlengkap dan terupdate seluruh asia.

Situs sbobet resmi terpercaya. Daftar situs slot online gacor resmi terbaik. Agen situs judi bola resmi terpercaya. Situs idn poker online resmi. Agen situs idn poker online resmi terpercaya. Situs idn poker terpercaya.

situs idn poker terbesar di Indonesia.

List website idn poker terbaik.

Game situs slot online resmi

slot hoki terpercaya

slot terbaru

rtp slot gacor

agen sbobet terpercaya

slot online judi bola terpercaya slot online terpercaya judi bola prediksi parlay hari ini