Notícias

Vai e faz a mesma coisa…

Vai e faz a mesma coisa...
Uma das narrativas mais conhecidas da Bíblia cristã é a “Parábola do Bom Samaritano”. Nela, um judeu que viajava por uma estrada perigosa foi assaltado, ferido e largado nu e quase morto na beira do caminho. Um líder religioso (sacerdote) transitava por ali, viu a cena e passou pelo outro lado. Logo depois, outro líder religioso, o que zelava pelo funcionamento do templo e cuidava da música nos cultos (levita), passou pelo mesmo lugar, viu aquele que sofreu violência e foi embora pelo outro lado. Em seguida, um samaritano, membro de etnia inimiga dos judeus, cujas disputas históricas não permitiam que sequer se falassem, chegou ao local, viu o judeu caído, machucado e sem roupa, e teve “compaixão” dele. Aproximou-se, limpou as feridas do homem, colocou-o no lombo do seu animal e o levou a uma hospedaria, onde cuidou dele. No dia seguinte, pagou as despesas e pediu que o dono do lugar continuasse com os cuidados. Jesus perguntou, então, ao mestre da lei judaica para quem narrava a história: “quem dos três foi‘o’ próximo daquele homem?” A partir da resposta “aquele que o socorreu”, Jesus então disse: “vai e faz a mesma coisa”.

Esta história vem sendo explanada por líderes cristãos como um relato da importância da caridade, de se fazer o bem para quem está em necessidade. “Samaritano” é até o nome de obras religiosas de assistência, tamanho o destaque da parábola e seu símbolo. No entanto, esta leitura esvazia muito a força da narrativa de Jesus de Nazaré.

Ela tem duas fortes mensagens: a intolerância é superada em nome da dignidade da vida, e quando trazemos para dentro de nós o sofrimento do outro somos impelidos a ele. E temos um esvaziamento no título “O Bom Samaritano”. Claro, ele foi bom! Mas a história de Jesus diz muito mais do isto: o samaritano foi transgressor, subversivo. Socorreu o seu inimigo. Não se vingou dele, deixando-o caído. Foi bom porque rompeu com a convenção que promovia a intolerância entre os dois grupos, subverteu-a, porque entendeu que a vida e a dignidade estão acima de tudo isto.

Outro esvaziamento está no uso da palavra “compaixão” ou “pena”. No texto original em grego, o termo é efsplahnízome, que possui um sentido muito mais denso do que “pena” em português. Esta palavra significa “sentir nas entranhas/vísceras”. Ou seja, o samaritano viu o homem agredido e sentiu nas entranhas o sofrimento dele. Por isso rompeu com a lógica da intolerância em nome da vida! E a ironia é que, antes de o samaritano socorrer o judeu, dois religiosos haviam desprezado a dor do seu igual. Passaram ao largo. Ignoraram. Não foram impelidos a nada. A crítica de Jesus é aguda. Se há alguém a imitar, não são os religiosos preocupados com a lei, o templo, o culto, a música, mas sim quem rompe barreiras em nome da vida, da solidariedade e da dignidade.

Como não recordar esta história quando vivemos no país processos em que a religião tem servido para sustentar a indiferença com o sofrimento do outro e para incentivar a intolerância que resulta em vingança contra inimigos? Como não lembrar esta parábola quando adolescentes envolvidos com o crime são decretados inimigos da sociedade, e religiosos, como o sacerdote e o levita da beira da estrada, passam ao largo da realidade destes próximos de hoje? Quando parlamentares chamados cristãos apoiam e celebram a vingança com a possível aprovação da redução da maioridade penal, que contribui com mais destruição de vidas já em ruínas?

A crítica de Jesus permanece viva. Quem conta para o Senhor da Vida é quem tem “compaixão”. Não a pena que leva a atos de caridade que se extinguem neles mesmos. Mas quem sente nas entranhas o problema do outro e é impelido a socorrê-lo, não a destruí-lo.

situs judi bola AgenCuan merupakan slot luar negeri yang sudah memiliki beberapa member aktif yang selalu bermain slot online 24 jam, hanya daftar slot gacor bisa dapatkan semua jenis taruhan online uang asli. idn poker slot pro thailand

Seu carrinho está vazio.

mersin eskort