Bem-vindo ao CEBI! (51) 3568-2560 | [email protected]

Protestos contra a copa: violência parte da polícia

Protestos contra a copa: violência parte da polícia
16 de maio de 2014 Centro de Estudos Bíblicos
Protestos contra a copa: violência parte da polícia
Na  noite desta quinta-feira (15.05), a Polícia Militar de São Paulo  reprimiu com brutalidade o ato pacífico contra os impactos da Copa do  Mundo em São Paulo. Organizado pelo Comitê Popular da Copa – SP, a  principal reivindicação do protesto era a garantia da liberdade de  manifestação antes, durante e depois da Copa.

Por  volta das 19 horas, cerca de 7 mil manifestantes seguiam em marcha pela  Avenida da Consolação, quando, na altura da Rua Matias Aires, foram  agredidos por tropas da PM.

Os policiais entraram no meio da manifestação atirando balas de borracha e bombas de gás lacrimogêneo contra os manifestantes.

Por  conta dessa ação policial, os manifestantes foram dispersados em  diferentes trajetos, mas a repressão seguiu, conforme mostram vídeos.  Pelo menos quatro pessoas se feriram, incluindo o Padre Julio  Lancelotti,ferido por estilhaços de uma bomba de efeito moral, e ao  menos 28 foram presas. Após a violência inicial e desproporcional da PM,  alguns manifestantes reagiram revidando com pedras e depredando  propriedades privadas.

O  ato desta quinta-feira (15.05) integrou o Dia Internacional de Lutas  contra a Copa e teve o apoio de mais de 100 grupos, incluindo o MPL-SP  (Movimento Passe Livre de São Paulo), o MTST (Movimento dos  Trabalhadores Sem Tetos), a CMP (Central de Movimentos Populares),  coletivos estudantis, artísticos e outros movimentos sociais, como as  Mães de Maio e a Comissão Nacional dos/as Ambulantes.
Para  o Comitê Popular da Copa de SP, a repressão deste protesto é mais uma  prova da incapacidade do poder público de lidar com a livre expressão e  do recrudescimento da violência estatal contra movimentos sociais e atos  publicos. O grupo garante ter construído uma manifestação pacífica e  planeja novas ações para as próximas semanas.

 
Assista aos vídeos: