Bem vindo(a) ao CEBI ! (51) 3568-2560

Pela saúde da democracia. Manifesto luterano

Pela saúde da democracia. Manifesto luterano
13 de agosto de 2020 Comunicação
blank

Um grupo de luteranos, preocupado com os rumos que o Brasil está tomando, com a insensibilidade da presidência da República no enfrentamento da pandemia do covid-19, na assistência às comunidades indígenas e quilombolas, pede, em manifesto assinado por edudacores/as, pastores/as, comunicadores/as e profissionais de diferentes áreas, basta de autoritarismo, mais democracia.

Leia o manifesto:

 

PELA SAÚDE DA DEMOCRACIA

Ao tomar posse em 1º de janeiro de 2019, o capitão reformado que foi exonerado do Exército acusado de ação terrorista, Jair Messias Bolsonaro defendeu, no Congresso, um “pacto nacional” para conduzir o país a “novos caminhos”. Depois, já com a faixa presidencial, falou ao povo reunido na Praça dos Três Poderes prometendo “tirar o peso do governo sobre quem trabalha e produz”.

Palavras apenas sedutoras para início de mandato. Um ano e meio de governo bastou para desmentir todos esses acenos iniciais. O “pacto nacional” transformou-se em “divisão nacional”, promovida pelo gabinete do ódio, instalado no Palácio do Planalto. A ideologia que defende bandidos está inserida no DNA de um presidente vinculado a milicianos e que procura cumprir promessa de campanha de “armar a população”.

Os “novos caminhos” pouco se importam com quem trabalha e produz. Trabalhadores perdem direitos conquistados há anos. Vale o negociado sobre o legislado. O ministro da Economia, Paulo Guedes, colocou a “granada no bolso do inimigo”, leia-se servidores federais e assalariados. Seguindo a cartilha neoliberal, o propósito do ministro é privatizar, colocar o Brasil a venda, deixar a área pública em terra arrasada, dilapidando o patrimônio da população brasileira sob os aplausos de parte de uma elite econômica que dá sustentabilidade a esse desgoverno.

Os “novos caminhos” que acabariam com o toma-lá-dá-cá trouxeram para a agenda política a compra de parlamentares do Centrão para barrar qualquer iniciativa de impeachment, e defender negociatas e desmandos de filhos do presidente. A Câmara dos Deputados recebeu 50 pedidos de impeachment do presidente da República, apontando crimes de responsabilidade, engavetados pelo presidente da casa.

Os “novos caminhos” estão marcados por ofensas, agressões e conflitos do Executivo com governadores e prefeitos, com o Legislativo e o Judiciário, sob a ameaça de que um jipe e um soldado dariam conta do STF, intervenção antidemocrática apoiada por manifestantes bolsonaristas em diferentes ocasiões.

Os “novos caminhos” integraram mais de três mil militares ao governo, incentivaram a ação de madeireiras, garimpeiros e aproveitadores na invasão de terras indígenas e o desmatamento desenfreado da Amazônia. Esse desgoverno é responsável, direta e indiretamente, pelo genocídio indígena, ao descumprir determinação constitucional de demarcar suas terras (Art. 231), antes quer reduzi-las. Mais, o governo vetou até mesmo a distribuição de água potável para indígenas, quilombolas e comunidades tradicionais (PL 1142).

Do exterior vem o alerta: Investidores estrangeiros chamam a atenção internacional para o fracasso do governo brasileiro em proteger as florestas, o que pode obrigá-los a rever investimentos.

Mas é no campo da Saúde, comandada por um militar na ativa que não tem qualquer afinidade com a área, a não ser agradar o presidente vendedor de cloroquina, que o governo federal apresenta sua face necrófila, acentuada com a pandemia do coronavírus. O Brasil ultrapassou a triste marca de 100 mil mortos, vítimas da doença. O luto de milhares de famílias chorando seus mortos não sensibiliza o governo na alteração de rumos no enfrentamento do covid-19.

“E daí. Não sou coveiro”, é o máximo que um presidente autoritário, descontrolado, debochado, despreparado, preocupado, sim, com amigos e familiares para não caírem nas malhas da Justiça, sabe dizer à nação.

O presidente tem como bandeiras “a família, Deus, Brasil, armamento, liberdade de expressão, livre mercado”. Liberdade de expressão para difundir mentiras via redes sociais, atacar a imprensa que ousa questionar ações do seu governo; livre mercado para acabar com o Sistema Único de Saúde e políticas públicas voltadas às comunidades mais vulneráveis; o Brasil como bandeira, mas bate continência ao pavilhão estadunidense, e tem em Donald Trump o seu protótipo; um governo que acaba com a política de desarmamento e venera um deus sem cruz, mas com espada.

A religiosidade de Bolsonaro só é marqueteira. Ora ele se diz seguidor do catolicismo, ora bajula líderes neopentecostais e se deixa batizar por pastor evangélico no Rio Jordão. Um presidente que elogia torturador também deve concordar com a tortura sofrida por Cristo na cruz e por isso mesmo não lhe cabe o atributo de cristão!

Impressiona que a eleição de Bolsonaro desbloqueou parte da sociedade brasileira para eleger e aplaudir um “mito” descabido, demolidor do Brasil e que na campanha lamentou que a ditadura não tenha matado mais. A verdade certamente nos libertará, outro refrão do presidente que não encontra sustentabilidade em ações. Estamos conhecendo a verdade desse desgoverno diariamente em todo o seu potencial destrutivo de direitos humanos, do parque industrial, da natureza, de políticas públicas em favor das famílias empobrecidas, das relações internacionais, favorecendo o sistema financeiro e enganando o povo. A saída da crise democrática é mais democracia.

Nós, herdeiros e seguidores da Reforma protestante, jamais seguiremos teologias que se dizem evangélicas, mas que apoiam e dão sustentabilidade a um governo que trocou a cruz pela arma, que mente e desconsidera a dignidade das pessoas. Jamais colocamos, ou colocaremos, nossa confiança nesse desgoverno, que afirma “Deus acima de tudo e de todos”, e entende o Brasil como se o país fosse um patrimônio privado.

Acreditamos no Deus bíblico, que diz: “Eu sou o que está aí e estarei aí” (Êxodo 3,14) – não acima de todos, mas junto às pessoas mais vulneráveis e que acompanha o seu povo escravo no caminho da libertação. Nosso Messias é Jesus Cristo, o Emanuel, o Deus presente, que estará conosco até o fim dos tempos.

Identificados e identificadas com o Evangelho de Jesus Cristo, a Declaração Universal dos Direitos Humanos e amparados na Constituição federal lembramos o testemunho do reformador Martim Lutero: uma autoridade que esquece que existe por causa da população e age conforme as próprias ideias e vantagens – tal autoridade é pagã.

Comprometidos e comprometidas com esta afirmação e querendo vê-la praticada em toda a parte,

Assinamos:
1. Albrecht Baeske, pastor – São Leopoldo RS
2. Allan Krahn, pastor – São Leopoldo RS
3. Ângela Wiebush, Educadora Social – Genebra/Suíça
4. Arlete Schubert, Doutoranda – Vila Velha ES
5. Armin Andreas Hollas, Pastor – Rio das Antas SC
6. Arnoldo Mädche, Pastor – São Leopoldo RS
7. Arteno Spellmeier, Pastor – São Leopoldo RS
8. Carlos Arthur Dreher, Pastor – São Leopoldo RS
9. Carlos Reinardo Dreher, Pastor – Porto Alegre RS
10. Cibele Kuss, Pastora – Porto Alegre RS
11. Cilene D.M. da Silva, Aposentada – São Leopoldo RS
12. Clovis Horst Lindner, Pastor – Blumenau SC
13. Cornélia Eckert, Professora Universitária – Porto Alegre RS
14. Christian Wendt – Pastor – Neustadt an der Weinstrasse/Alemanha
15. Dankwart Bernsmüller, Professor – São Leopoldo RS
16. Dario Geraldo Schäffer, Pastor – Rio de Janeiro RJ
17. Dóris Kieslich Cavalcante, Professora Catequista – Fortaleza CE
18. Dorival Ristoff, Pastor – Candelária RS
19. Edelberto Behs, Jornalista – São Leopoldo RS
20. Edla Loni Hass Berthold, Do Lar – Montenegro RS
21. Emil Schubert, Pastor – Vila Velha ES
22. Ernane Leopoldo Gruhn, Funcionário Público – Cruz Alta RS
23. Gertraude Wanke, Psicóloga – Domingos Martins ES
24. Günter Adolf Wolff, Pastor – Palmitos SC
25. Hans Alfred Trein, Pastor – São Leopoldo RS
26. Hans Benno Asseburg, Tradutor Juramentado – São Leopoldo RS
27. Harald Malschitzky, Pastor – São Leopoldo RS
28. Henry Seibert, Aposentado – São Leopoldo RS
29. Inácio Lemke, Pastor- Pomerode SC
30. Irene Zwetsch, Jornalista – Reinach/Suíça
31. Irineu Lasch, Pedagogo – Nova Petrópolis RS
32. João Artur Müller da Silva, Pastor – São Leopoldo RS
33. Julio Cézar Adam, Professor – Novo Hamburgo RS
34. Käthe Fuchs Trein, Secretária – São Leopoldo RS
35. Lauri Wirth, Professor – Valinhos SP
36. Lori Altmann, Professora Universitária – Pelotas RS
37. Lothar Hoch, Pastor – Praia da Pinheira SC
38. Lusmarina Campos Garcia, Pastora – Rio de Janeiro RJ
39. Lydia Emanuela de Aguiar, Arquiteta – Alto Paraíso de Goiás GO
40. Madalena Zwetsch Altmann, Farmacêutica Bioquímica – São Leopoldo RS
41. Margit Elfriede Lemke, Professora – Pomerode SC
42. Maria Ione Pilger, Professora Catequista – Rio Grande RS
43. Maria Luiza Rückert, Capelã Hospitalar – Lagoa Santa MG
44. Marie Krahn, Professora – São Leopoldo RS
45. Micaela Barbara Lhotzky Berger, Aposentada – Domingos Martins ES
46. Micheli Duarte, Assistente Social – São Leopoldo RS
47. Milton Ítalo Provenzano Jr., Administrador em Saúde – Domingos Martins ES
48. Mon ika Daniela Aguiar, Enfermeira – Domingos Martins ES
49. Mozart João de Noronha Melo, Pastor – Rio de Janeiro RJ
50. Nilo Bidone Kolling, Pastor – Palmitos SC
51. Noemia Dockhorn, Professora – Santa Cruz do Sul RS
52. Odete Zanchet, Advogada – São Leopoldo RS
53. Oneide Bobsin, Pastor – São Leopoldo RS
54. Osmar Luiz Witt, Pastor – São Leopoldo RS
55. Paulo Rückert, Professor – Lagoa Santa MG
56. Regene Lamb, Pastora – Monte Alverne RS
57. Robert Thieme, Publicitário – Ivoti RS
58. Roberto Zwetsch, Professor – Pelotas RS
59. Rodolfo Gaede, Pastor – São Leopoldo RS
60. Romi Márcia Bencke, Pastora – Brasília DF
61. Rosalie Spellmeier – São Leopoldo RS
62. Roswita Schaeffer, Educadora – St.Gallen/Suiça
63. Rudelmar Bueno de Faria, Humanitarista – Genebra/Suíça
64. Rui Jorge Bender, Jornalista – Novo Hamburgo RS
65. Rui Leopoldo Bernhard, Pastor – Porto Alegre RS
66. Ruth Stefanie Berger, Professora – Domingos Martin ES
67. Sabine Hoch, Professora – Praia da Pinheira SC
68. Sibyla Baeske, Jornalista – São Leopoldo RS
69. Sílvio Meincke, Pastor – Baden-Würtenberg/Alemanha
70. Suzana Leonor Bernhard, Professora – Porto Alegre RS
71. Uwe Wegner, Pastor – Ibirama SC
72. Valdomiro Dockhorn, Professor – Santa Cruz do Sul RS
73. Verner Hoefelmann, Professor – São Leopoldo RS
74. Vilmar Saar, Catequista – Mal. Cândido Rondon PR
75. Walter Altmann, Pastor – São Leopoldo RS
76. Werner Fuchs, Pastor – Curitiba PR

Liga228 situs judi bola merupakan situs judi bola online dengan pasaran terlengkap.

Kunjungi situs judi bola terlengkap dan terupdate seluruh asia.

Situs sbobet resmi terpercaya. Daftar situs slot online gacor resmi terbaik. Agen situs judi bola resmi terpercaya. Situs idn poker online resmi. Agen situs idn poker online resmi terpercaya. Situs idn poker terpercaya.

situs idn poker terbesar di Indonesia.

List website idn poker terbaik.

Game situs slot online resmi

slot hoki terpercaya

slot terbaru

rtp slot gacor

agen sbobet terpercaya