Bem vindo(a) ao CEBI ! (51) 3568-2560

Novo coronavírus e o triunfo dos fundamentalismos

Novo coronavírus e o triunfo dos fundamentalismos
15 de junho de 2020 Comunicação
Por Romi Bencke
Vassíli Grossman foi um jornalista soviético. Ele era correspondente durante a defesa de Stalingrado e da queda de Berlim, na II Guerra Mundial.
Entre os livros que escreveu está “Vida e destino“. A obra tem uma história curiosa. Ela foi confiscada pela KGB nos anos de 1960 e só foi publicado na década de 1980.
O livro é o relato de um correspondente de guerra que acompanhou, do início ao fim, a Batalha de Stalingrado. O autor narra sobre os campos de concentração, a vida nos campos de prisioneiros militares, os interesses dos altos comandos da guerra. De um lado, Hitler. E de outro, Stalin.
Grossman capta, e talvez aí esteja a energia dramática da narrativa, a força da insensatez e da irracionalidade humanas. A cidade de Stalingrado já estava toda destruída. Não havia comida, o frio era intenso, mas, apesar disso, os soldados lutavam por casas que estavam parcialmente em pé.
Deste livro tirei uma frase que carrego comigo desde quando o li. Ela é como um Salmo ou como um daqueles mantras que a gente sussurra continuamente para guardar fundo na memória e no coração o que não desejamos esquecer. A frase diz: “Quando o fascismo triunfa, o ser humano deixa de existir, restam apenas criaturas que sofrem modificações internas”.
Sobre esta modificação interna das criaturas humanas em contextos desumanizados é que tenho pensado bastante.
O Brasil nunca teve um processo profundo de humanização.
Os crimes contra seres humanos marcam nossa história.
O genocídio indígena, a escravização das pessoas negras, os feminicídios, as contínuas e permanentes violações da Mãe Terra, as várias ditaduras que reprimem e assassinam seus opositores e opositoras, as mortes de deuses e deusas pela intolerância religiosa, as torturas e desaparecimentos políticos durante os anos da ditadura civil-militar.
Somos um país formado por criaturas modificadas que se alimentaram da dor e do sofrimento alheios. A capacidade de refletir e assumir a responsabilidade destas atitudes também é algo que nos falta. Ernst Bloch afirma que o grau de responsabilidade individual depende do poder de ação dos sujeitos. Isso significa que as classes e as elites dirigentes têm o dever de ser as primeiras a assumir suas responsabilidades.
No entanto, tais elites se negam a qualquer responsabilização dos crimes, dos genocídios, das escravizações. O sofismo cínico busca eliminar a possibilidade de algum peso de consciência. Nossa história de horror fica condenada a uma eterna repetição.
No Brasil, um caminho que tende a ser utilizado para a expiação da culpa e da responsabilidade é o cristianismo, embora, importante ressaltar, a fé cristã se oriente pela responsabilização dos erros humanos.
O pecado, que é a tentação eterna do ser humano, colocar-se no lugar de Deus e decidir sobre a vida e a morte, exige autorreflexão e transformação.
Mas parece que o cristianismo e seus valores foram manipulados para aliviar qualquer possibilidade de responsabilização pelos inúmeros crimes contra a humanidade aqui praticados. Com isso, permanecemos como um país de criaturas com modificações internas.
Esse cristianismo distorcido, manipulado e instrumentalizado para os interesses das criaturas com modificações internas, é o que está presente hoje na política brasileira. Trata-se de um cristianismo fundamentalista aonde Deus é mero instrumento do mercado como ideal de Reino. Em obediência e reverência a este reino, valem todos os sacrifícios.
Este é o triunfo dos fundamentalismos.
Quando vemos altas autoridades e “pessoas do bem” argumentando que é melhor perder algumas vidas para que a economia seja salva, podemos dizer que deixamos de existir. 
Esta também é a morte de Deus. É a repetição da cruz.
Novamente, são algumas poucas as pessoas que ficarão sob os pés da cruz velando o Cristo que está se esvaindo em medo, dor e solidão. Estas pessoas são as mães que perderam seus filhos e filhas para o racismo estrutural, para as diferentes formas de violência, para as execuções extra judiciais, para a fome.
Há bastante tempo chamamos a atenção para a relação simbiótica entre o fundamentalismo de mercado e o fundamentalismo religioso. O COVID-19 expõe muito bem essa relação, quando vemos o Estado justificando o corte de gastos públicos e injetando dinheiro nas veias sedentas dos bancos, mesmo que isso vá significar a morte de muitos seres humanos. Esta relação está presente no negacionismo dos conhecimentos científicos e nas mentiras pseudo-religiosas usadas para ludibriar as pessoas e manter Deus escravizado a serviço do Mercado. Estas são as homilias de uma religião que se abastece e se alimenta do sofrimento do outro.
Outro dia, li um texto de Mike Davis com um título bem sugestivo: “A crise do coronavírus é um monstro alimentado pelo Capitalismo”.
No texto, Davis chama a atenção que o novo coronavírus escancara a desigualdade de classes que alimenta o sistema capitalista. Ele cita o exemplo da indústria de asilos nos EUA que têm fins lucrativos.  Estas clínicas atendem em torno de 1,5 milhões de pessoas idosas. Segundo o autor, é um mercado altamente lucrativo, competitivo. O número de profissionais que trabalham nestas clínicas é sempre inferior ao que realmente seria necessário. O primeiro epicentro do coronavírus nos EUA foi, justamente, em uma dessas clínicas, localizada em um bairro periférico de Seattle. Entre os vários problemas apontados para entender a proliferação do vírus está o fato de que as pessoas que trabalham nesses locais, em função dos baixos salários, atuam em mais de uma clínica. Com isso, tornam-se, sem querer, potenciais transmissoras do COVID-19.
Um exemplo muito cotidiano do triunfo do fundamentalismo e de como nos tornamos criaturas modificadas.
Agora, o que chama a atenção nisso tudo, é a dificuldade em nomear este monstro metamorfoseado de deus. Há uma resistência grande, inclusive entre as criaturas menos modificadas, em dizer que o nome deste monstro é capitalismo. Alguns até celebram o fato aparente de o novo coronavírus ter acabado com o neoliberalismo financeirizado. Mas temem em falar o nome do onipotente capitalismo.
O que vem depois disso tudo?
Não sabemos.
Para alguns, se inaugurará um mundo mais solidário. Para outros, a aposta pode ser que o novo coronavírus contribuirá para a tão sonhada higienização social: os que sobram e atrapalham o sistema serão eliminados. Ficarão apenas as pessoas “justas” e as produtivas. É a realização do Reino do Mercado.
Uma sociedade mais totalitária, com maior controle, maior divisão de classes, mais hierarquias e novas fronteiras tende a ser um cenário possível.
Este é o triunfo dos fundamentalismos.
E Jesus, nisso tudo?
Ele é um ser, pregado na cruz, em agonia
Romi Bencke

Secretária-geral do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs-CONIC, é teóloga e mestre em Ciências da Religião pela Universidade Federal de Juiz de Fora. Em 2013, recebeu o Prêmio Direitos Humanos – a mais alta condecoração do Governo brasileiro a pessoas que se destacam na defesa, na promoção e no enfrentamento às violações dos Direitos Humanos no país.

Liga228 situs judi bola merupakan situs judi bola online dengan pasaran terlengkap.

Kunjungi situs judi bola terlengkap dan terupdate seluruh asia.

Situs sbobet resmi terpercaya. Daftar situs slot online gacor resmi terbaik. Agen situs judi bola resmi terpercaya. Situs idn poker online resmi. Agen situs idn poker online resmi terpercaya. Situs idn poker terpercaya.

situs idn poker terbesar di Indonesia.

List website idn poker terbaik.

Game situs slot online resmi

slot hoki terpercaya

slot terbaru

rtp slot gacor

agen sbobet terpercaya

slot online judi bola terpercaya slot online terpercaya judi bola prediksi parlay hari ini