Bem-vindo ao CEBI! (51) 3568-2560 | [email protected]

Reflexão: “Lutai para entrar pela porta estreita” [Ildo Bohn Gass]

Reflexão: “Lutai para entrar pela porta estreita” [Ildo Bohn Gass]
21 de agosto de 2013 Centro de Estudos Bíblicos
reflexão do evangelho semanal
Esta reflexão do evangelho é de Ildo Bohn Gass, biblista, escritor, assessor e Secretário de Formação do CEBI.

Boa meditação!

Reflexão

Nos capítulos 9 a 19, Lucas apresenta Jesus caminhando para Jerusalém (Lucas 9,51-53; 13,22). Às pessoas que o seguem pelo caminho, Jesus propõe jeitos novos de comunhão com Deus como espaços de liberdade e de libertação.

A narrativa do evangelho proposta para este final de semana encontra-se em Lucas 13,22-30. Nela, Jesus deixa claro que faz parte do seu projeto de libertação quem anda no caminho da justiça, isto é, que entra pela porta estreita da casa do Reino.

Neste relato, mais uma vez encontramos Jesus ensinando abertamente nas cidades e aldeias. Assim, anuncia o caminho da justiça a todas as pessoas, independente de sua cultura ou etnia. Jesus dirige-se decididamente para Jerusalém, onde enfrentará os poderes da injustiça, e que o condenarão à morte (cf. Lucas 13,22).

Podemos dividir a catequese sobre o caminho do discipulado em quatro momentos.

“Senhor, são poucos os que se salvam?”
(Lucas 13,22-23)

Jesus “passava por cidades e aldeias e caminhava para Jerusalém”. Essa informação não está à toa no lugar em que se encontra. É que o tema fundamental desta narrativa é a respeito do caminho que leva à salvação.

É justamente no caminho para Jerusalém, o caminho do seguimento (Lucas 9,51-19,48), que Jesus vai clareando qual é o projeto para as pessoas que decidem segui-lo. É o caminho da não violência (Lucas 9,51-56), da prioridade do anúncio do Reinado de Deus (Lucas 9,57-62). É levar a todos os povos do mundo a paz, a saúde, a boa-nova do Reino e a superação de todas as forças maléficas (Lucas 10,1-20). É priorizar os pequeninos (Lucas 10,21-25), bem como a única lei, a do amor pleno, que se traduz, a exemplo do samaritano, em solidariedade com quem sofre discriminação e violência (Lucas 10,26-37).

O caminho

Para não nos alongarmos, lembramos ainda que o caminho do discipulado é o da partilha (Lucas 12,33-34), ao contrário da ganância do homem rico (Lucas 12,16-21) e do rico avarento (Lucas 16,19-31). Só por isso, já é possível perceber que a porta para entrar nesta casa do Reino é estreita, muito estreita. Além de exigir renúncia e desapego, esforço e perseverança, ela enfrenta interesses pesados, sejam eles políticos, econômicos ou religiosos.

Não é por acaso que o texto informa que Jesus está a caminho de Jerusalém, onde viverá o desfecho deste conflito, sendo condenado à morte pelos poderes religiosos e imperiais, agora de braços dados (Lucas 13,31-35; 23). A porta estreita da justiça também é a porta da cruz (Lucas 18,31-34).

É neste contexto que um judeu anônimo em meio ao povo pergunta: “Senhor, são poucos os que se salvam?” No judaísmo daquele tempo, era pensamento comum que somente os judeus eram o povo eleito e que a salvação era para eles. É verdade também que judeus mais piedosos pensavam que não bastava ser judeu. Era preciso também viver a lei de Deus em todos os seus detalhes.

Jesus, no entanto, não responde a pergunta. Em vez de dizer quantos se salvam, Jesus deixa claro que a salvação não pertence a nenhum povo especial ou a nenhum grupo privilegiado. Ela é de todas as pessoas que lutam para entrar pela porta estreita.

“Lutai para entrar pela porta estreita”
(Lucas 13,24)

Jesus esclarece que há duas portas, dois caminhos. Um é estreito e o outro é largo. Jesus se refere a que portas? São, na verdade, dois projetos de vida.

Ainda no caminho para Jerusalém, Jesus resume esses dois projetos da seguinte forma: “Nenhum servo pode servir a dois senhores: ou odiará um e amará o outro, ou se apegará a um e desprezará a outro. Não podeis servir a Deus e ao dinheiro” (Lucas 16,13).

De um lado, temos o projeto do dinheiro. Entrar pela porta deste projeto não exige esforço. Ela é larga e tem como mística o individualismo, o consumismo e a busca de riqueza individual como sentido de vida.

O outro projeto é o Reino de Deus e a sua justiça. Entrar pela porta deste projeto exige esforço. Seguir este caminho é deixar o individualismo e a acomodação, o pensar somente em si e o acumular. Entrar pela porta da equidade requer acolhida e solidariedade, partilha e superação de preconceitos. Tudo isso exige conversão permanente aos valores de Deus. E Jesus tem claro que, diante das facilidades que o outro caminho oferece, é preciso esforçar-se para ser fiel ao plano de Deus.

Essa foi sua experiência na luta contra as propostas diabólicas deste mundo, isto é, a fama, o poder e a riqueza (cf. Lucas 4,1-13).

Adiante, no próprio evangelho deste domingo, veremos que o segundo projeto é a prática da injustiça. Assim, Jesus deixa-nos claro que lutar para entrar pela porta estreita é o mesmo que praticar a justiça.

“Afastai-vos de mim, vós todos, praticantes da injustiça” (Lucas 13,25-28)

Na sequência, Jesus conta uma parábola a respeito de um banquete a portas fechadas, o banquete do Reino. Ali, terão lugar os praticantes da justiça.

Não entra pela porta do Reino quem optar pela prática da iniquidade. É o contrário do projeto da porta estreita.

Quem pratica a injustiça exclui-se da casa do Reino. Ali não entrará, pois busca portas largas e cheias de facilidades. É que a porta da casa do Reino é restrita. E não é Jesus quem exclui ou fecha a porta. Quem pratica a injustiça está apegado à riqueza, ao poder e ao consumismo. Está muito “gordo” para passar na porta da justiça. E, então, não existe chance para ele? Sim, há. Porém, precisa queimar muita “gordura”, a gordura da injustiça com todos os seus frutos de violência, de discriminação e de exclusão.

Vimos acima como Jesus se referiu aos dois caminhos fundamentais. De um lado, o projeto de Deus que gera vida em abundância (João 10,10) e, de outro, o projeto do dinheiro. E “no amor ao dinheiro está a origem de todos os males” (1Timóteo 6,10).

Conhecemos também quais são os frutos de quem adere a esse projeto da porta larga. Para quem busca esta porta não servem desculpas. Não adianta dizer “nós comemos e bebemos contigo e ensinaste em nossas praças” (Lucas 13,26). Não basta somente participar na comunidade, nas liturgias e na catequese. É preciso muito mais.

É preciso o essencial: praticar a justiça. A vida comunitária tem sentido quando celebra e fortalece a luta para entrar pela porta estreita, a prática da justiça.

A boa-nova de Jesus é para todas as pessoas que lutam pela justiça (Lucas 13,29-30)

Por fim, em vez de Jesus responder ao judeu anônimo quantas pessoas se salvam, se são poucas ou muitas, Jesus aproveita a oportunidade para mostrar que a boa-nova do Reino não pertence a nenhuma pessoa ou movimento, povo ou grupo privilegiados. A salvação, a participação no Reino, não é mérito de ninguém. No entanto, faz parte do Reino quem decidir com firmeza pela porta do discipulado, a porta estreita. E esta requer esforço.

E mais. Esta porta da justiça não tem fronteiras. Não existe ali um porteiro que faz uma triagem prévia. O direito de passar por essa porta não é exclusivo de nenhum movimento religioso ou filosófico. Na porta estreita passam todas as pessoas de boa vontade e que estão abertas ao caminho da equidade, independente da cor da pele, da idade, do sexo, da religião. Pois outro será o critério. Será a prática da justiça, que gera pessoas recriadas, que produzem frutos de partilha e de solidariedade, de liberdade e de vida.

Concluindo

Em Mateus 25,34-36, Jesus recorda o que caracteriza uma pessoa justa: é todo aquele que se solidariza com quem está com fome e com sede, sem roupa e sem casa, sem saúde e sem liberdade. Nisso, aliás, consiste a verdadeira religião: “assistir os órfãos e as viúvas em suas aflições, conservando-se sem mancha neste mundo” (Tiago 1,27). E, segundo Amós 5,24, o verdadeiro culto a Deus é aquele em “que o direito corre como a água e a justiça como um rio perene”.

O Livro de Atos dos Apóstolos, que foi escrito pelos mesmos autores do evangelho segundo Lucas, resume em poucas palavras essa perspectiva universal do Reino, tema do evangelho deste final de semana. Assim afirma o judeu Pedro na casa do gentio Cornélio: “Na verdade, eu me dou conta que Deus não faz acepção de pessoas e de que, em toda nação, quem lhe for fiel e praticar a justiça é acolhido por ele” (Atos 10,34-35).

Lutai, portanto, para entrar pela porta estreita, a porta da casa do Reino.

Fonte: Esta reflexão do evangelho é de Ildo Bohn Gass, biblista, escritor, assessor e Secretário de Formação do CEBI.