Bem vindo(a) ao CEBI ! (51) 3568-2560

Entrevista com Walter Altmann: Lutero e a redescoberta do Evangelho

Entrevista com Walter Altmann: Lutero e a redescoberta do Evangelho
31 de outubro de 2017 Centro de Estudos Bíblicos
Confira a entrevista realizada pelo IHU On-Line em comemoração aos 500 anos da Reforma Protestante com o pastor emérito da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB), Walter Altmann.

Boa leitura!

Martinho Lutero tem na crítica às indulgências o ponto mais lembrado quando se fala nas razões que o levaram a se insurgir contra a Igreja. Nessa questão das indulgências – apenas um dos tantos pontos propostos por ele –, é importante compreender o que está por trás dessa crítica. Segundo o teólogo Walter Altmann, Lutero queria destacar a noção de gratuidade da salvação, acessível a todos. “Essa noção de gratuidade segue relevante nos dias de hoje, em que temos numerosas formas ‘modernas’ de mercantilização da fé”, acrescenta. Segundo Altmann, essa gratuidade tem conexão direta com a noção de liberdade, já que a partir da cisão emergem outras tantas formas de se viver o cristianismo.

“Num mundo globalizado e de comunicação global, característico para a atualidade, há uma movimentação religiosa com uma intensidade jamais vista”, pontua..

Em meio a tantas formas de professar a fé, o teólogo destaca outro valor que se torna importante em nosso tempo: o diálogo inter-religioso. Isso porque, no passado, a Reforma gerou muito mais do que disputas teológicas, chegando a guerras. Hoje, destaca que é importante fazer essa reforma da Reforma e compreender a necessidade de alimentar o espírito ecumênico. É uma espécie de aproximação, não só com católicos, mas com diversos credos. “Hoje, ao rechaçarmos qualquer tentação ou intento de enfrentar os muçulmanos em nome da fé cristã, devemos construir de todos os modos possíveis avenidas de respeito e diálogo”, exemplifica.

E sobre a aproximação entre católicos e luteranos, pontua: “não se trata de uma meta já plenamente alcançada, mas de uma trajetória em curso. Pode-se dizer que o conflito foi deixado para trás. Há um reconhecimento comum de que pessoas católicas e luteranas são irmãs em Cristo, a separação é sentida com dor e o diálogo tem avançado em muitas questões”.

IHU – Como compreender a Reforma Luterana para além da perspectiva teológica?

Walter Altmann – Embora a preocupação central de Lutero tenha sido uma questão teológica (“como posso obter um Deus misericordioso?”), é inegável que a Reforma teve implicações profundas na igreja e na sociedade do mundo ocidental. Aliás, foi a conjunção de vários fatores que tornou a Reforma um evento histórico epocal. De uma forma um tanto simplificada, mas ainda assim acurada, pode-se dizer que Lutero rompeu com a concepção de uma tutela da ordem eclesiástica sobre a ordem secular.

Embora na concepção de Lutero todos os setores da vida humana estejam submetidos à vontade de Deus e devam servir para atender as necessidades das pessoas, ao fazer a distinção de que o ofício precípuo da Igreja é de ordem espiritual tão somente, forças políticas, econômicas, sociais e culturais puderam desabrochar e desenvolver-se sem as amarras às quais estavam submetidas. A ordem social já não seria mais regrada por um direito divino imutável, mas por um direito humano, reformável de acordo com realidades contextuais.

IHU – Qual o contexto histórico que a faz emergir? E quais suas consequências nos campos social, econômico, científico/tecnológico e político?

Walter Altmann – No início do século XVI, já estavam em curso vários processos de mudança na Europa. Na cultura, o Renascimento trazia para o centro de suas obras (na pintura, por exemplo) o próprio ser humano. Para Lutero, a fé pessoal haveria de ser algo de suma importância. Também havia um movimento cultural de “volta às fontes” da Antiguidade. Lutero haveria de fundamentar a doutrina na Bíblia que ele magistralmente traduziu à língua alemã. Gutenberg [1] havia descoberto a imprensa que foi determinante para a extraordinária difusão não apenas da Bíblia, mas também dos numerosos escritos de Lutero.

Como Lutero considerava que todas as pessoas devem ter acesso à Bíblia e que o estudo seria importante também para os ofícios seculares, ele foi pioneiro em advogar em favor de um sistema de educação universal, e isso numa época em que a esmagadora maioria da população era analfabeta. Numa época em que emergiam unidades políticas territoriais autônomas, potencialmente independentes, ele ancorou a dignidade do ofício político no conceito de sacerdócio geral das pessoas batizadas e ele o definiu como manutenção da paz, estabelecimento da justiça e proteção às pessoas mais fracas.

Na economia, inspirou iniciativas de caixas comunitárias, com o fim de garantir a todas as pessoas o atendimento de suas necessidades básicas, como sustento, saúde, educação. Também combateu práticas comerciais e financeiras que, no advento do capitalismo mercantil, exploravam os mais pobres, aprofundando suas necessidades. Num tempo em que tropas turcas avançavam sobre a Europa, chegando às portas de Viena, Lutero defendeu o direito e o dever da população de se defender e dos mandantes de proteger seus súditos, mas rechaçou totalmente o conceito de qualquer “guerra santa”. Tudo isso apontava para algo profundamente renovador.

IHU  – De que forma podemos compreender o que leva Lutero a questionar a Igreja da época? E como as inquietações de Lutero se atualizam em nosso tempo?

Walter Altmann – O âmago da Reforma foi o que se convencionou chamar de a “redescoberta do Evangelho”, isto é, a noção de que a salvação é concedida gratuitamente por Deus, em Cristo, especificamente no Cristo crucificado, o que deve ser recebido em fé. Mas o estopim da Reforma foram suas 95 Teses que, segundo a tradição, teriam sido afixadas à porta da Igreja do Castelo, na cidade de Wittenberg, em 31 de outubro de 1517. Nelas, a partir da noção de gratuidade da salvação, Lutero combateu o comércio de indulgências. Suas teses se difundiram qual rastilho de pólvora pela Europa inteira.

Precisamente essa noção de gratuidade da salvação segue relevante nos dias de hoje, em que temos numerosas formas “modernas” de mercantilização da fé. Significativa e acertadamente a Federação Luterana Mundial – FLM, em sua assembleia geral realizada num país do Sul, na Namíbia, em maio passado, em pleno ano comemorativo da Reforma, tomou como tema a gratuidade da salvação, afirmando nos subtemas que “a salvação não está à venda”, “os seres humanos não estão à venda”, “a criação não está à venda”. Não são artigos comercializáveis. Salvação, seres humanos, criação – uma abrangência ampla para atualização do âmago teológico da Reforma.

 

IHU  – Em que medida podemos afirmar que a Igreja Católica também “é reformada” depois de todas as questões trazidas por Lutero?

Walter Altmann – O conflito religioso que se produziu entre Lutero e a Igreja Católica, embora não fosse sua intenção romper com ela (ao contrário, Lutero foi excomungado da Igreja Católica em janeiro de 1521 pelo Papa Leão X [2]), se agudizou ainda mais em tempos posteriores, tanto nas questões doutrinárias quanto nos desdobramentos políticos, levando inclusive à extraordinariamente sangrenta Guerra dos Trinta Anos (1618-1648) [3], até que, exauridos em sangue, católicos e protestantes estabelecessem um acordo de convivência territorial, com territórios católicos e territórios protestantes. (O pluralismo religioso, em que diferentes confissões religiosas convivam no mesmo espaço geográfico, só viria muito tempo depois, com o advento pleno da Modernidade.)

Mas o dissenso católico-protestante, aparentemente absoluto e irreconciliável, haveria de perdurar até o século XX. O advento do movimento ecumênico no seio do protestantismo, com raízes no século XIX, mas estabelecido a partir da Conferência de Missão de Edimburgo, em 1910, e a adesão oficial da Igreja Católica ao movimento ecumênico, com o Vaticano II (1962-1965) [4] transformaram radicalmente as relações entre os diferentes integrantes da família cristã, abrindo crescentes espaços para o respeito e o entendimento mútuo, bem como a cooperação, não por último em áreas sociais.

O Vaticano II implantou uma série de reformas e fez uma série de afirmações teológicas básicas que eram caras ao protestantismo desde seus primórdios, entre outras: a missa na língua vernácula, e não mais em latim; a ênfase na Bíblia, proporcionando o acesso dos fiéis a ela; a compreensão da eclesialidade plena da igreja local, a valorização do sacerdócio comum dos fiéis; a compreensão da Tradição como um desdobramento da Escritura, e não como um adendo a ela.

IHU  – O que a resistência à Reforma, a chamada Contrarreforma Católica, revela acerca da Igreja Católica da época? Quais as consequências sociais, econômicas e políticas dessas disputas?

Walter Altmann – A chamada Contrarreforma foi um intento de responder propositivamente (e não simplesmente de modo repressivo) ao desafio lançado pela Reforma. Suprimiu abusos na prática da Igreja Católica de então, reavivou a seriedade da teologia e da piedade, acendeu a paixão pela missão, e assim colocou barreiras à expansão da Reforma. Nas áreas que permaneceram solidamente vinculadas à Igreja Católica, ela também acabou contribuindo, não intencionalmente, para retardar o desenvolvimento social, político e econômico em direção ao capitalismo, sem, contudo, poder impedi-lo, por ser um processo regido por forças históricas próprias irreprimíveis. As colônias, da América hispânica e portuguesa, por exemplo, ficaram por séculos hermeticamente fechadas à Reforma, que haveria de aportar de forma permanente em países da América Latina apenas após os processos de independência nacional.

IHU – Como a Reforma Protestante chegou ao então chamado “novo mundo”?

Walter Altmann – À parte de algumas presenças esporádicas de indivíduos (por exemplo, o viajante alemão luterano Hans Staden [5] no século XVI, que deixou relato de suas peripécias, tendo inclusive se tornado cativo de tribo indígena, da qual conseguiu fugir) e dos intentos após algum tempo fracassados de colonização de parte de calvinistas franceses na Baía da Guanabara e de holandeses no Nordeste brasileiro, a presença de adeptos da Reforma na América Latina se deu a partir do século XIX, seja ligada a presenças diplomáticas e comerciais (de ingleses, por exemplo), seja da vinda de imigrantes (alemães, no Brasil a partir de 1824), como soldados do Império ou agricultores e artesãos, necessários para o desenvolvimento de um país independente, seja ainda, mais tarde, de missões protestantes vindas dos Estados Unidos, das quais se esperava uma contribuição em áreas carentes, como a educação. Foram, a princípio, legalmente “tolerados” enquanto adeptos da Reforma. O reconhecimento legal pleno se deu, no caso brasileiro, apenas com a Proclamação da República em 1889.

IHU – Como se configura o cenário religioso hoje e o que isso representa para as igrejas?

Walter Altmann – Muito diferente de tempos passados, o cenário religioso hoje é de um crescente pluralismo. Primeiramente, tem havido, no caso brasileiro e, em larga medida até mesmo em nível mundial, particularmente no chamado Sul Global, um impressionante crescimento do pentecostalismo e também do chamado neopentecostalismo. Na origem, o pentecostalismo emergiu do interior de igrejas protestantes, mas hoje se configura como uma família confessional própria.

Também há no mundo católicos carismáticos, praticamente em igual número ao de pentecostais não católicos. Há diferenças entre eles, por exemplo no respeito à hierarquia e na manutenção fiel da celebração eucarística por parte dos carismáticos católicos, enquanto os pentecostais assumem grande liberdade no tocante a essas questões. Mas há muito analogias e semelhanças nas formas de culto e espiritualidade, bem como no enfatizar a centralidade das manifestações do Espírito Santo.

Num mundo globalizado e de comunicação global, característico para a atualidade, há uma movimentação religiosa (de uma religião à outra, de uma região do globo a outra) com uma intensidade jamais vista e que vai muito além da cristandade, abrangendo uma multiplicidade de religiões. Um subproduto altamente problemático desse fenômeno é a competição, pacífica ou muitas vezes agressiva, entre diferentes expressões religiosas, levando até mesmo a ideologizações religiosas de conflitos armados mundo afora.

A resposta a esse fenômeno de parte das religiões em geral, embora aqui me refira em particular às igrejas cristãs, só pode ser um claro compromisso ecumênico de respeito, de compreensão, ainda que por vezes crítica (e ao mesmo tempo autocrítica), do “outro”, o estabelecimento de vias de diálogo e cooperação, por exemplo no estabelecimento da paz onde há conflitos e na defesa da dignidade humana e cuidado da criação como um todo. Portanto, é algo que ultrapassa a relação entre igrejas cristãs, mas abrange o relacionamento entre religiões diversas.

IHU – Como compreender o islã no contexto da Reforma? Em alguma medida, a Reforma promove mudanças na relação entre cristãos e muçulmanos?

Walter Altmann – No tempo da Reforma, a Europa cristã estava ameaçada em sua integridade política e cultural pelo avanço das forças bélicas do Império Otomano (os chamados “turcos”), que chegaram às portas de Viena, Áustria. Do ponto de vista religioso, eram muçulmanos. Lutero convocou à defesa do território, das localidades e da população, mas o entendeu não como um empreendimento religioso, e sim como um dever da cidadania e do ofício das autoridades seculares. Rechaçou completamente o conceito de uma guerra santa. A fé não se impõe. A eventuais prisioneiros cristãos recomendou que, inseridos numa ordem islâmica, obedecessem a ordens civis, mas se dispusessem inclusive ao martírio se viessem a ser coagidos a assumir a fé islâmica.

Hoje, ao rechaçarmos qualquer tentação ou intento de enfrentar os muçulmanos em nome da fé cristã, devemos construir de todos os modos possíveis avenidas de respeito e diálogo. Na Europa, por exemplo, as igrejas da Reforma têm se manifestado claramente contra a exclusão de refugiados à base de sua confissão religiosa, mas ao contrário, têm apoiado políticas de acolhimento e atenção a eles. Radicalismos religiosos devem ser superados em todas as religiões.

IHU – Passados 500 anos, como avalia a relação entre luteranos e católicos? Quais os desafios para o diálogo inter-religioso do nosso tempo?

Walter Altmann – O mais recente documento elaborado pela Comissão Internacional Católico-Luterana, instituída pelo Vaticano e pela Federação Luterana Mundial – FLM, de 2013, tem o significativo título “Do conflito à comunhão” [6]. Não se trata de uma meta já plenamente alcançada, mas de uma trajetória em curso. Pode-se dizer que o conflito foi deixado para trás. Há um reconhecimento comum de que pessoas católicas e luteranas são irmãs em Cristo, a separação é sentida com dor e o diálogo tem avançado em muitas questões. Ainda há obstáculos, sobretudo de entendimento eclesiológico, mas já não na compreensão da salvação.

Diferenças aí são entendidas como ênfases complementares. A Declaração Conjunta Católico-Luterana acerca da Doutrina da Justificação [7], de 1999, foi entrementes subscrita também pelo Concílio Metodista Mundial [8] e pela Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (calvinistas) [9], e em princípio também acolhida favoravelmente pela Comunhão Anglicana [10]. Os obstáculos remanescentes estão aí para serem superados. Mas, à parte de resistências internas, tanto no protestantismo quanto no catolicismo, impera um espírito de relações fraternas. Tanto que tem havido mundo afora comemorações conjuntas de católicos e luteranos acerca dos 500 anos da Reforma, não por último pelo próprio Papa Francisco e o Presidente da Federação Luterana Mundial, Bispo luterano Munib Younan [11], de Jerusalém, em Lund, na Suécia, em 31 de outubro de 2016. Não é de se excluir que no dia 31 de outubro deste ano, na data dos 500 anos, haja novos gestos simbólicos que reforcem ainda mais a caminhada rumo à comunhão almejada.

Quem é Walter Altmann

Walter Altmann é pastor emérito da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil – IECLB, com doutorado em Teologia pela Universidade de Hamburgo, Alemanha, professor de Teologia na Faculdades EST, de São Leopoldo/RS, presidente do Conselho Latino-Americano de Igrejas – CLAI, de 1995 a 2001, pastor-Presidente da IECLB de 2002 a 2010 e moderador do Conselho Mundial de Igrejas – CMI, de 2006 a 2013. Entre suas publicações, destacamos Lutero e libertação. Releitura de Lutero em perspectiva latino-americana (São Leopoldo: Editora Sinodal, 2016) e que foi recentemente publicada também em inglês, com o título Luther and Liberation: A Latin American Perspective (Minneapolis, EUA: Fortress Press, 2016).

 

Fonte: A entrevista foi publicada na revista IHU On-Line, edição número 514, cujo tema de capa é Lutero e a Reforma – 500 anos depois. Entrevista de João Vitor Santos, o conteúdo original pode ser acessado aqui, 31/10/2017.