Bem vindo(a) ao CEBI ! (51) 3568-2560

Desigualdade social, o maior problema do Brasil

Desigualdade social, o maior problema do Brasil
4 de janeiro de 2022 Comunicação
blank

Para especialistas, pandemia e governo Bolsonaro somente acentuaram histórica desigualdade brasileira, com aumento exponencial da fome. Melhorar distribuição de renda é tarefa urgente para próximo governo, afirmam.

 

A reportagem é de Edison Veiga, publicada por Deutsche Welle, 03-01-2021.

 

Com um ano eleitoral pela frente, os mais graves problemas brasileiros precisam ser colocados em debate. Especialistas ouvidos pela DW Brasil apontaram a histórica desigualdade social, a volta ao mapa da fome e a educação precária como pilares fundamentais que precisam ser atacados com políticas públicas e propostas sérias.

“O maior problema do Brasil hoje é o aumento exponencial de pessoas passando fome e de pessoas em situação de insegurança alimentar”, afirma a cientista política Camila Rocha, autora do livro Menos Marx, Mais Mises: O Liberalismo e a Nova Direita no Brasil. De acordo com a Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional, 55% da população brasileira vive em situação de insegurança alimentar.

“Isso ocorreu por uma combinação da retração econômica, permeada pelo aumento dos preços de alimentos básicos e gás de cozinha, com a inabilidade de combater a pandemia entre pessoas em situação de vulnerabilidade social”, diz Rocha.

Ela defende que as soluções possíveis são a ampliação de programas de transferência de renda e aumento de benefícios. “Porém, isso necessariamente precisa ser acompanhado de uma retomada do crescimento econômico”, enfatiza. “Do contrário, tais medidas podem ficar comprometidas a médio prazo.”

O historiador Marco Antonio Villa, professor da Universidade Federal de São Carlos e autor de Um País Chamado Brasil, concorda com o ponto de que a fome “voltou a ser um gravíssimo problema nacional”. “Milhões estão literalmente passando fome”, diz.

“Sucintamente, é a péssima distribuição de renda que aprofunda a desigualdade social”, contextualiza ele, que entende como “tarefa primeira, para ontem” a necessidade de que o próximo governante eleito “coloque o dedo na péssima distribuição de renda que gera essa terrível desigualdade social e, por consequência, a fome”.

“Este foi o Natal da fome, tristemente. Parece a comemoração, entre aspas, dos três anos do governo [do presidente Jair] Bolsonaro”, comenta Villa.

“Desigualdade imoral”

 

Para o historiador Marcelo Cheche Galves, professor da Universidade Estadual do Maranhão, a desigualdade social brasileira sempre foi imoral “e se tornou mais imoral ainda em um ambiente de pandemia sob um governo de extrema direita”. “[O problema] é a base de outras questões”, explica.

“A pobreza é um componente de qualquer país capitalista. A questão são os níveis de pobreza minimamente aceitáveis”, argumenta. “De que maneira governos que se sucedem assumem ou não compromissos mínimos no combate a essa desigualdade?”

Galves afirma que tal esforço depende de “políticas públicas permanentes” e estas foram “brutalmente interrompidas” pela atual gestão. Como a fome não espera, ele cobra uma “retomada imediata e a ampliação dessas políticas públicas de redistribuição de renda”. “Sem malabarismos financeiros para turbinar orçamento em ano eleitoral. Precisamos de política social séria e permanente”, enfatiza.

O jornalista, economista e cientista político Bruno Paes Manso, pesquisador do Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo (USP), vê a “questão social de pobreza e crescimento da fome” dentro de um contexto de de “crise política e descrença nas instituições”.

“Isso dá margem a uma série de violências e também a discursos populistas”, comenta. “E 2022 vai ser decisivo porque veremos como vamos lidar com isso. A população vai votar com todos esses riscos institucionais que Bolsonaro representa. Vamos ver se a escolha será pela civilidade ou pela barbárie.”

O sociólogo e cientista político Rodrigo Prando, professor na Universidade Presbiteriana Mackenzie contextualiza as mazelas brasileiras a partir da própria formação histórica do país. “Economicamente, [o país foi construído por] essa estrutura social de grandes propriedades de terra, escravidão e monocultura voltada para a exportação”, enumera. “Em termos econômicos, isso fez com que o Brasil se tornasse um país pobre, extremamente desigual.”

Além disso, por conta do passado colonial e pré-republicano, o país teve um capitalismo tardio, industrializando-se no século 20. “Assim, a sociedade brasileira se desenvolveu ao longo do século 20. E não houve distribuição de renda: a concentração continuou nas mão de uma elite”, pontua.

“Resultado: o Brasil ainda apresenta extrema pobreza em algumas regiões e uma desigualdade enorme. Em uma pista de corrida, a esfera econômica avançou, mas a cultura e a educação não se desenvolveram na mesma velocidade”, diz ele.

“Educação precária sustenta círculo vicioso”

 

Nesse sentido, a educação precária perpetua um sistema deficitário. “A pandemia não mostrou nada de novo, apenas agudizou a situação, os problemas que temos ao longo do tempo”, comenta Prando. “As crianças pobres das escolas públicas foram mais prejudicadas do que as crianças ricas das particulares, as regiões Norte e Nordeste tiveram crescimento menor do que o Sudeste, os negros foram mais atingidos pela covid e morreram mais. Isso explicitou uma estrutura social bastante desigual.”

Para o pesquisador David Nemer, professor da Universidade da Virgínia, nos Estados Unidos, e autor do livro Tecnologia do Oprimido: Desigualdade e o Mundano Digital nas Favelas do Brasil, os problemas do Brasil atual têm como base o acesso à educação.

“Infelizmente, temos uma educação, a pública e até mesmo a particular, muito precarizada”, diz ele. “E hoje as soluções apresentadas pelo governo para resolver esse problema são péssimas. O governo [federal] pensa em militarizar a educação, o que é inconcebível. Outra agenda que os bolsonaristas e parte do Congresso tentam o tempo todo passar é a do homeschooling [ensino domiciliar].”

Nemer avalia que isso é uma maneira “de o governo retirar verba das escolas públicas”, delegando às famílias a responsabilidade financeira do ensino. “E isso é obrigação do Estado, não adianta”, acrescenta.

Um terceiro movimento que ele vê é o da “evangelização da educação” — nesse sentido, vale ressaltar que o atual ministro da Educação, Milton Ribeiro, é pastor da Igreja Presbiteriana do Brasil. “A educação tem de ser para pensamento livre, crítico o tempo todo, não imposto”, defende Nemer. “Mas são essas as soluções que este governo pensa”, diz o pesquisador.

E ao trazer a educação para o centro do debate, ele frisa que o acesso ao ensino é a ponta de um iceberg. “A maioria que estuda em escola pública não tem segurança alimentar, não tem segurança física, vive em área de risco e o Estado o tempo todo negligencia essas pessoas”, afirma. “A educação precária sustenta o círculo vicioso da desigualdade social.”

Corrupção sistêmica

 

O filósofo Luiz Felipe Pondé, diretor do Laboratório de Política, Comportamento e Mídia da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e professor da Fundação Armando Álvares Penteado, prefere escolher a própria “política brasileira” como o maior problema do país — citando “as duas mais prováveis opções que teremos para 2022”.

“Uma é Bolsonaro, que se revelou uma catástrofe. Outra é o retorno do PT [Partido dos Trabalhadores, do ex-presidente Lula da Silva], que é muito responsável pelo buraco em que a gente está, uma verdadeira gangue que provavelmente vai voltar ao poder porque a outra opção se revelou pior do que ela.”

Pondé classifica essa situação como “um problema agudo” e diz que a corrupção “é sistêmica e envolve todos os Poderes”. “Solução para isso? Talvez daqui a mil anos”, afirma.

Leia mais

 

 

Matéria publicada no portal Instituto Humanitas-UNISINOS/ADITAL 

Foto de chamada: Pixabay

Liga228 situs judi bola merupakan situs judi bola online dengan pasaran terlengkap.

Kunjungi situs judi bola terlengkap dan terupdate seluruh asia.

Situs sbobet resmi terpercaya. Daftar situs slot online gacor resmi terbaik. Agen situs judi bola resmi terpercaya. Situs idn poker online resmi. Agen situs idn poker online resmi terpercaya. Situs idn poker terpercaya.

situs idn poker terbesar di Indonesia.

List website idn poker terbaik.

Game situs slot online resmi

slot hoki terpercaya

slot terbaru

rtp slot gacor

agen sbobet terpercaya