Bem vindo(a) ao CEBI ! (51) 3568-2560

Dalai Lama, Rowan Williams e outros líderes religiosos exortam o G7 a acabar com a desigualdade de vacinas

Dalai Lama, Rowan Williams e outros líderes religiosos exortam o G7 a acabar com a desigualdade de vacinas
10 de junho de 2021 Comunicação

 

Líderes religiosos de todo o mundo escreveram uma carta aberta a Boris Johnson, Primeiro Ministro do Reino Unido, e líderes do G7 antes de sua reunião de cúpula na sexta-feira, pedindo que as patentes de vacinas sejam renunciadas e que o financiamento seja aumentado para garantir que as vacinas cheguem aos países mais pobres e impedir a propagação de mais variantes.

A carta é assinada pelo Dalai Lama; pelo ex Arcebispo de Cantuária, Rowan Williams, que agora preside Christian Aid; Emmanuel, o Metropolita Sênior de Calcedônia, que representa o Patriarcado Ecumênico Ortodoxo; Martin Junge, Secretário Geral da Federação Luterana Mundial; e Thabo Makgoba, Arcebispo Anglicano da Cidade do Cabo, África do Sul.

A carta elogia o trabalho do Acelerador de Acesso a Ferramentas Covid-19 da Organização Mundial da Saúde (ACT-A), que já entregou vacinas a mais de 100 países. Mas eles apontam que ainda existe uma enorme iniquidade vacinal entre ricos e pobres. A carta pede mais financiamento e medidas ousadas para aumentar a produção.

Eles escrevem: “Os países de baixa renda representam menos de 1% das 900 milhões de doses administradas até o momento. Os países mais afluentes respondem por mais de 83%. A lacuna de vacinas entre as partes mais ricas e mais pobres do mundo está crescendo diariamente”.

Eles também apoiam apelos para que as patentes de vacinas sejam dispensadas para acelerar e facilitar a entrega de vacinas em países com baixa cobertura vacinal.

“A dispensa das regras de propriedade intelectual – uma proposta que está ganhando apoio de um número crescente de países do G7 – nos dá a oportunidade não apenas de aumentar a produção, mas também de diversificar os locais de produção.  Isto reduzirá o período de tempo antes que a imunidade do rebanho seja alcançada, um período durante o qual podem surgir variantes potencialmente perigosas”.

Apesar dos sucessos do programa ACT-A, eles advertem que sem uma injeção de fundos dos líderes do G7, o progresso irá estagnar:

“Embora muitos países do G7 tenham sido generosos em sua contribuição ao ACT-A, estamos muito preocupados que a lacuna de financiamento para o ACT-A seja de US$ 19 bilhões este ano. medida que os países procuram aumentar as taxas de cobertura vacinal, a lacuna de financiamento aumentará, a menos que os países aumentem seu apoio.  É necessário agir para reduzir os custos através de isenções de propriedade intelectual e da união de conhecimentos e recursos com produtores de genéricos.

“O G7 tem uma responsabilidade especial nestas duas áreas. Como um grupo das maiores economias do mundo, seus compromissos financeiros farão realidade ou quebrarão a ambição da ACT-A. Portanto, pedimos que aceitem a fórmula de repartição de encargos proposta pela Noruega e pela África do Sul e enviada a 89 países, sob a qual o G7 se comprometeria coletivamente a assumir 63% do custo do fechamento do hiato financeiro”.

A cúpula do G7, que começa na sexta-feira na Cornualha, Inglaterra, será um momento crucial para acelerar o esforço global de vacinação e é vista como um teste-chave para o governo britânico e para o G7 como um todo.

As lideranças religiosas concluem sua carta:

“Acreditamos que uma abordagem mais equitativa da vacinação nos países mais pobres do mundo é tanto uma obrigação ética quanto um imperativo epidemiológico, se quisermos proteger as pessoas vulneráveis onde quer que vivam, incluindo os cidadãos do G7.  O velho axioma de que “nossa vida e morte estão uma com a outra” nunca foi tão verdadeiro, e pedimos que vocês respondam rápida e efetivamente a este desafio.

A intervenção segue apelos similares do ex-Primeiro Ministro Gordon Brown, que exortou os líderes do G7 a apresentar um plano robusto para vacinar o mundo.

Ele disse à Sky News esta semana: “Isto é algo que o mundo tem que fazer juntos e é por isso que na sexta-feira, dia 11 de junho, quando Boris Johnson se encontra com o G7 em Cornualha, eles têm a oportunidade – os países mais ricos sentados ao redor da mesa – de tomar uma decisão que vacina a todos, colocando o dinheiro para pagar e compartilhando as doses sobressalentes no Reino Unido”.

 

O texto completo da carta:

Prezados líderes das nações do G7.

Estamos escrevendo a você antes de sua cúpula crucial no Reino Unido esta semana para instá-lo a tomar uma ação global decisiva em resposta ao Covid-19. Você está se encontrando contra um pano de fundo angustiante. Enquanto a vacinação oferece uma luz ao final de um túnel muito longo, as infecções Covid-19 estão atingindo níveis recordes e as mortes estão aumentando, mas em muitos dos países mais pobres e mais desfavorecidos do mundo. O Diretor-Geral da OMS advertiu recentemente que as mortes em 2021 poderiam exceder os níveis atingidos no ano passado.

Como líderes políticos em todo o mundo, todos vocês estão se esforçando para proteger seus cidadãos. Muitos países hoje estão lutando com altas taxas de transmissão, unidades de terapia intensiva sobrecarregadas e escassez desesperada de oxigênio. O sofrimento humano continua a ocorrer em escala internacional.

Acreditamos que este sofrimento é evitável se forem tomadas medidas rápidas – o tipo de ação que o Presidente Biden recentemente apoiou ao exigir a renúncia às patentes de vacinas.

O reconhecimento de nossa humanidade comum torna imperativo que enfrentemos os desafios colocados por um vírus que não reconhece fronteiras. A frase “nenhuma/um de nós está segura/o até que todas/os nós estejamos seguras/os” não é um slogan político, mas um fato científico, e deve ser clara a partir da rápida disseminação das variantes mais transmissíveis.

A vacinação universal, liberada do regateio de custos competitivos e da aplicação inflexível de patentes, e disponibilizada rapidamente para os países mais pobres, nos protegerá a todos; e quanto mais cedo estivermos todos protegidos, mais cedo as sociedades, economias e esperanças poderão se estabilizar e se recuperar.

É completamente compreensível que os governos de todos os países queiram vacinar seus próprios cidadãos. Mas na luta contra uma pandemia global, devemos perceber que somos uma comunidade humana, e que a segurança de todos depende do sucesso global da vacinação.

É neste contexto que nos dirigimos a você. Até o momento, foram administradas cerca de 1 bilhão de doses de vacina Covid-19.

Há pouco mais de um ano, a OMS e seus parceiros se reuniram para forjar a parceria ACT-A. O objetivo era assegurar a distribuição equitativa de vacinas, diagnósticos e terapias. As instalações da Covax compartilham os riscos do desenvolvimento de vacinas e, mais importante ainda, garantem que os frutos desse desenvolvimento serão compartilhados de forma ampla e justa.

Muito já foi alcançado. A Covax já entregou mais de 43 milhões de doses de vacinas a mais de 100 países. Entretanto, os países de baixa renda representam menos de 1% das 900 milhões de doses administradas até o momento. Os países mais ricos respondem por mais de 83 por cento. A lacuna vacinal entre as partes mais ricas e mais pobres do mundo está crescendo a cada dia.

As finanças têm um papel crítico a desempenhar para preencher essa lacuna. Embora muitos países do G7 tenham sido generosos em sua contribuição ao ACT-A, estamos muito preocupados que a lacuna de financiamento para o ACT-A seja de US$ 19 bilhões este ano. medida que os países procuram aumentar as taxas de cobertura vacinal, a lacuna de financiamento aumentará, a menos que os países aumentem seu apoio.  É necessário agir para reduzir os custos através de isenções de propriedade intelectual e da partilha de conhecimentos e recursos com produtores de genéricos.

O G7 tem uma responsabilidade especial nestas duas áreas. Como um grupo das maiores economias do mundo, seus compromissos financeiros farão acontecer ou quebrarão a ambição da ACT-A. Portanto, pedimos que aceitem a fórmula de repartição de encargos proposta pela Noruega e pela África do Sul e enviada a 89 países, pela qual o G7 se comprometeria coletivamente a assumir 63% dos custos para fechar a lacuna de financiamento.

Acreditamos que as somas envolvidas – provavelmente na ordem de US$ 30 bilhões por ano – são eminentemente acessíveis, que os instrumentos de financiamento estão disponíveis e que a arquitetura ACT-A fornece um mecanismo de entrega eficaz. Como a Câmara Internacional de Comércio e outros argumentaram, os custos deste investimento serão, sem dúvida, menores do que a interrupção econômica global que acompanha as baixas taxas de vacinação.

A dispensa das regras de propriedade intelectual – uma proposta que está ganhando apoio de um número crescente de países do G7 – nos dá a oportunidade não apenas de aumentar a produção, mas também de diversificar os locais de produção.  Isto reduzirá o período de tempo antes que a imunidade do rebanho seja alcançada, um período durante o qual podem surgir variantes potencialmente perigosas.

Acreditamos que uma abordagem mais equitativa da vacinação nos países mais pobres do mundo é tanto uma obrigação ética quanto um imperativo epidemiológico, se quisermos proteger as pessoas vulneráveis onde quer que vivam, incluindo os cidadãos do G7.  O velho axioma de que “nossa vida e morte estão com nossa/o vizinha/o” nunca foi tão adequado, e pedimos que você responda rápida e eficazmente a este desafio.

Sua Santidade o Dalai Lama

Dr Rowan Williams, Presidente da Christian Aid, ex-arcebispo de Cantuária

Emmanuel, o Chefe Metropolitano de Calcedônia

Dr. Martin Junge, Secretário Geral da Federação Luterana Mundial

Dr Thabo Makgoba, Arcebispo Anglicano da Cidade do Cabo, África do Sul.

Noticia Original:

https://mediacentre.christianaid.org.uk/the-dalai-lama-rowan-williams-and-other-faith-leaders-urge-g7-to-end-vaccine-inequality/

 

Matéria extraida do site da ALC Notícias: https://alc-noticias.net/bp/2021/06/09/dalai-lama-rowan-williams-e-outros-lideres-religiosos-exortam-o-g7-a-acabar-com-a-desigualdade-de-vacinas/

 

Foto: Recife- Vacinas para todas