Bem vindo(a) ao CEBI ! (51) 3568-2560

Covid-19: FEACT Brasil atua no fortalecimento da Justiça de Gênero

Covid-19: FEACT Brasil atua no fortalecimento da Justiça de Gênero
1 de junho de 2020 Comunicação
Com vários países adotando as medidas de isolamento social, cerca de quatro bilhões de pessoas agora estão se abrigando em casa contra o contágio global do novo coronavírus. É uma medida protetora, mas que traz outro perigo mortal. Vemos uma pandemia crescente, a da violência contra as mulheres.
Uma em cada três mulheres em todo o mundo já sofreu violência. Os números crescem como resultado da pandemia do novo coronavírus (Sars-CoV-2), aponta o relatório “A sombra da pandemia: violência contra mulheres e meninas e Covid-19”. O documento foi divulgado em abril pela ONU Mulheres, entidade da Organização das Nações Unidas para igualdade de gênero e empoderamento.
Em países profundamente desiguais como o Brasil, períodos de quarentena deflagram outras realidades — violações de direitos ainda mais aviltantes no acesso à terra, território, moradia, trabalho, saneamento básico, comunicação e segurança alimentar por parte de populações vulnerabilizadas. A violência de gênero é uma delas.
As mulheres negras estão mais vulneráveis à infecção e aos impactos socioeconômicos da pandemia, visto que elas são a maioria das pessoas vivendo abaixo da linha de pobreza no Brasil. Mulheres são a maioria trabalhando nas áreas de enfermagem, mulheres são maioria nos trabalhos domésticos, estes, nunca valorizados ou remunerados como deveriam. O racismo e o machismo são vetores de mortes acentuadas pelo cenário da pandemia. Confira a matéria clicando aqui.
Na cidade de São Paulo, houve um aumento no número de prisões em flagrante de violência doméstica — passaram de 177 em fevereiro para 268 em março.
Outro exemplo desse aumento se percebe em Blumenau (SC), onde as ocorrências de violência doméstica subiram 39%. Dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública mostram que houve aumento expressivo de feminicídio dentro de casa em março, em São Paulo (46%), Acre (100%), Rio Grande do Norte (300%) e Mato Grosso (400%). A comparação foi realizada com março de 2019.
Por isso, é importante que organizações baseadas na fé fiquem atentas para a urgência de se pensar ações que reduzam o sofrimento de mulheres, crianças, adolescentes e pessoas idosas forçadas a viver diuturnamente na presença de seus agressores.
Clique aqui e confira algumas ações de enfrentamento à violência de gênero, de emergência e ajuda humanitária protagonizadas por organizações que integram o Fórum Ecumênico ACT Brasil (FEACT).
___
Fórum Ecumênico ACT Brasil é formado por 23 organizações baseadas em fé, entre elas, sete igrejas. Existe há 18 anos com este nome e promove ações pelo Estado Democrático Laico e de Direito, em uma perspectiva ecumênica de que o nosso planeta e a nossa causa não podem deixar ninguém de fora, todas e todos somos parte do mesmo futuro.
O FEACT integra a Aliança ACT, uma coalisão global, que reúne 151 organizações também baseadas na fé, além de igrejas, trabalhando juntas em mais de 125 países.
Com informações do FEACT Brasil
Foto: Reprodução/CAPA
Matéria originalmente publicada no site do CONIC :https://www.conic.org.br/portal/noticias