Bem-vindo ao CEBI! (51) 3568-2560 | [email protected]

Comentário do Evangelho: E vós quem dizeis que eu sou?

Comentário do Evangelho: E vós quem dizeis que eu sou?
21 de junho de 2019 CEBI Secretaria de Publicações
Leia a reflexão do Evangelho para o próximo domingo. O texto fala sobre Lucas 9,18-24, e pertence a Orides Bernardino.

Boa leitura!

O Evangelho de Lucas situa esta narrativa em um contexto diferente dos outros dois Evangelhos sinóticos. Lucas afirma que Jesus “estava rezando em um lugar retirado, e os discípulos estavam com ele”, enquanto em Marcos e Mateus o evento se dá no caminho para Cesareia de Filipe. A ênfase na atitude orante de Jesus é típica de Lucas. Muitas vezes, neste Evangelho, especialmente antes de momentos importantes na sua vida, Jesus se encontra em oração.

No texto de hoje, Lucas escreve que Jesus faz uma pergunta: “Quem o povo diz que eu sou?” Na resposta dos discípulos, ele percebe que não haviam entendido a sua proposta. O povo o imaginava como João Batista, Elias ou algum dos antigos profetas (Lucas 9,18-19). Os discípulos aceitavam-no como Messias, mas como Messias glorioso, bem de acordo com a propaganda do governo e da religião oficial do templo (Lucas 9,20-21). E Jesus tenta explicar-lhes que o caminho previsto pelos profetas era o caminho do sofrimento, como consequência do compromisso assumido com os excluídos. Seguir Jesus implica em assumir a cruz e segui-lo no caminho (Lucas 9,22).

Comentando

1. Lucas 9,18: “Quem o povo diz que eu sou?”

A pergunta de Jesus é uma espécie de balanço de toda a sua vida. Ao encontrar-se sozinho com seus discípulos para a oração, ele fez esta pergunta para retomar uma questão que outras pessoas já estavam levantando. Perguntavam acerca dele, de sua missão, de seu propósito. Escribas e fariseus já haviam feito essa pergunta sobre a autoridade de Jesus para perdoar os pecados (Lucas 5,21; 7,49). Também João Batista enviara alguns de seus seguidores com a pergunta: “És tu aquele que esperamos?” (Lucas 7,20). Os discípulos também ficam surpresos quando a tormenta e o vento obedeceram à sua ordem, e formularam a pergunta: “Quem é ele, que até os ventos e a água lhe obedecem?” (Lucas 8,25). Também Herodes faz pergunta semelhante, provavelmente a partir de um interesse político, após ter mandado decapitar João (Lucas 9,9). Ao retomar a pergunta, Jesus mostra que, em primeiro lugar, sua história precisa ser recuperada a partir das formas que causaram impacto em seus contemporâneos, a partir das percepções do povo humilde do campo e habitantes das aldeias e povoados da Galileia, que o conheciam diretamente.

2. Lucas 9,19: “Eles responderam…”

O povo continuava pensando como antes (cf. Lucas 7,16; 9,8), pois ainda estava preso à ideia de um Messias guerreiro e triunfalista. A maioria o tinha por João Batista. Outros por Elias. Outros acreditavam que um antigo profeta voltara à vida. Percebemos que há três respostas. “Três” equivale a “todos” os falatórios que corriam em meio ao povo. A ninguém ocorre fazer memória do Messias da esperança profética. Esperava-se um Messias carismático, da casta davídica, com força e poder, com exército aguerrido, ou ainda, cumpridor da lei. Jesus, ao contrário, fala do Reino de Deus, mas não gosta de relacioná-lo com Davi (cf. Lucas 20,41-44). Jesus não tem os poderosos do seu lado e não aceita a violência. Ao contrário, ele é o Messias que vem montado num jumento, animal dos pobres e considerado impuro pela lei. É aclamado pelo povo simples. Em vez de espadas, os ramos revelam que seu poder é de paz e de serviço.

3. Lucas 9,20-21: “E vós quem dizeis que eu sou?”

Numa busca de outras possíveis avaliações de sua pessoa, Jesus formula a segunda pergunta: “E vós quem dizeis que eu sou?” Note-se que Jesus não exige uma resposta pessoal. O plural indica que espera a resposta da comunidade de discípulos. Coerente com sua pedagogia dialógica, Jesus os coloca contra a parede, a fim de que explicitem sua compreensão do projeto do Reino. Pedro responde em nome do grupo: “O Cristo de Deus”. A missão que Jesus recebera do Pai não é de ser um Messias guerreiro, como fora o rei Davi, mas o Ungido servo de Javé (Isaías 52,13–53,12). O Messias da esperança profética liberta o povo não pela violência, mas enfrentando e assumindo o sofrimento com fidelidade até as últimas consequências, a fim de cortar o mal pela raiz. Por isso, para não espalharem uma compreensão equivocada de sua missão, Jesus exige que não o digam a ninguém. Se ele é o Ungido, isto deverá ser descoberto através de suas ações, de uma revisão da memória e do projeto que ele anuncia e vive.

4. Lucas 9,22-24: “… tome a sua cruz cada dia e siga-me.”

Jesus encarna o modelo do humano querido por Deus. Quando o revelar, sabe que todos os poderosos da terra, sem exceção, colocar-se-ão de acordo: será executado como um malfeitor. Não bastará eliminá-lo. É preciso apagar sua imagem. O Ungido de Deus veio a este mundo inaugurar o Reino, iniciar uma construção histórica. Mas como construir o Reino? Ele responde da seguinte forma: “Se alguém quer me seguir, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz cada dia e siga-me. Pois quem quiser salvar a sua vida vai perdê-la; e quem perder a sua vida por causa de mim, esse a salvará”. O grande desafio será sempre o de escolher entre o projeto e a glória de Jesus e os projetos e a glória do mundo (a tentação da abundância; do poder e da riqueza; do prestígio). Precisamos responder à pergunta de Jesus através da opção preferencial pelos pobres. Para isto, é necessário renunciar a toda e qualquer pretensão de hegemonia e dominação.

 

Concluindo

O texto faz ressoar as perguntas de Jesus. É fácil responder “quem é Jesus para mim?” Esta narrativa nos convida a responder esta pergunta através de nossa maneira de viver, de nossas opções concretas, de nossa forma de ler os acontecimentos da vida e da história. Tenhamos cuidado com qualquer Jesus que não seja exigente, que não traga consequências sociais, que não nos engaje na luta por uma sociedade mais justa. Pois, o Jesus real, o Jesus de Nazaré, o Jesus do Evangelho não foi assim e deixou bem claro: “Se alguém quer me seguir, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz cada dia, e siga-me”. Ou seja, assumir a sua proposta: uma renovação da sociedade e da história a partir de baixo, de quem está na pobreza e na exclusão.

Ele recusou a proposta de ser rei, rejeitou toda forma de violência, entrou em conflito com o sistema de templo e com a ideia tradicional de um Messias salvador da pátria. Assumiu, porém, o Messias servo sofredor. Jesus, em sua prática, valorizou as pessoas pobres e excluídas. Colocou no centro de sua missão as crianças, as mulheres, os doentes, os possessos, os publicanos e os pecadores. Com uma prática e proposta dessas, era de se esperar outro desfecho para sua vida? Claro que não! A proposta de Jesus era totalmente contrária aos interesses de “alguns”. E a pergunta continua ecoando: “E vós quem dizeis que eu sou?”

Texto de Orides Bernardino.