Bem vindo(a) ao CEBI ! (51) 3568-2560

Profetas que não se calam

Profetas que não se calam
11 de setembro de 2020 Comunicação
blank

Por Pe.José Soares de Jesus*

O tempo da profecia não tem prazo e a vida do autêntico profeta e /ou profetiza segue a mesma linha, pois, estão sempre vivendo e anunciando a justiça de Iahweh em meio a muitas adversidades. Por isso, seguindo a direção do artigo passado, podemos afirmar categoricamente que quanto mais o cristão exerce a sua vocação profética fora dos muros e da segurança dos templos mais sentirá a dureza e a perseguição em sua vida.

Tomando como referência o primeiro testamento, sabemos que o fenômeno profético aparece com diversas expressões e significados: adivinho, vidente e até homem de Deus. Já a palavra ‘profeta’ é formado pelo substantivo ‘nabi’ em hebraico, derivado do verbo naba’, que significa “profetizar, predizer, delirar, entrar em transe” e, tudo isso em função de sua árdua missão que é anunciar e receber a palavra e a bênção de Deus. Jeremias em muitas ocasiões desabafou o seu sofrimento por ter que receber a palavra de Iahweh e profetizar desgraças e infortúnios: Jeremias 14, 17 – 22.

O lastro com Jeremias pode nos ajudar a constatar uma realidade muito adversa no meio eclesial que é a existência de profetas e profetizas em nossas igrejas e comunidades. O clima é de apatia e profunda desconfiança na atualidade, quando os profetas que ainda teimam em resistir, falam contra o pecado social que fere os pobres, que degrada a natureza, que espolia os trabalhadores e trabalhadoras seja no campo ou na cidade. Nota-se também na atual conjuntura das igrejas e, sobretudo nas grandes celebrações, uma preocupação exacerbada com castiçais e velas e muitos suportes que embelezam o altar, mais retiram do nosso povo, o gosto pela palavra e sua força profética. Parece que instituíram um apartheid entre a palavra proclamada e a palavra que é celebrada e, como as duas realidades não devem se encontrar, a dimensão profunda de levar a provocação profética de clamor, denúncia, contestação e apelo por mudança, fica relegada a um segundo ou quarto plano.

Seguindo o caminho de Jesus, o profeta de Nazaré – cf. Mateus 13, 51–58 – podemos e devemos vencer a tamanha desilusão através de um olhar diacrônico e sincrônico da nossa história recente. No diacrônico, podemos elencar vozes que de dentro para fora de nossas igrejas gritaram a favor da vida e nunca abandonaram o rebanho a sua própria sorte. Olhando para a multidão foram capazes de dar comida aos famintos e proteger os sem teto e sem rumo, realçando e atualizando a preocupação de Jesus como em Mateus 14,16: “Dai-lhes vós mesmos de comer”. Foram vozes e corações sensíveis as causas sociais e humanitárias como a de Dom Hélder Câmara, Dom Pedro Casaldáliga, religiosas e religiosos, leigos e leigas que doaram seu tempo para confirmar perante a sociedade excludente sua opção pela vida. Outra figura profética e que completaria em 2020 cem anos é Dom José Vicente Távora[1], primeiro arcebispo de Aracaju – Sergipe. Ele, participou do Concílio Ecumênico Vaticano II – 1962 a 1965 – e, juntamente com outros bispos, tornou-se signatário do Pacto das Catacumbas. No ano de sua eleição – 1957 – dirigiu um discurso com força e sabedoria com as seguintes palavras:

“Quanto o vosso pastor deseja que essa paz e esses dons se encarnem na vossa vida, em cada um dos seres que vos são queridos e se estabeleçam no seio de nossa sociedade, para a fecundação desses bens que a nossa inquietude está buscando fixar. Penso em que a nossa Diocese é modesta, esquecida, pequena, mas penso, também em que ela poderia constituir uma grande família, mais unida, mesmo admitindo que essa união nem sempre pode ser perfeita, porque a condição humana traz consigo a contradição. Mas, se paixões existem, não somos necessariamente seus escravos. Elas desafiam nossas qualidades de equilíbrio, de capacidade para a coexistência pacífica. A oposição de idéias, mesmo políticas, não significa, necessariamente divisão definitiva, ruptura da fraternidade entre os homens. O vosso Pastor nutre, na mais pura aspiração evangélica, a esperança de vos ver dentro da Caridade Cristã que, somente ela, salva os povos” (NASCIMENTO, 2015, p. 30).

No espaço sincrônico da profecia, podemos afirmar que a carência de provocadores está presente tanto na cidade como na periferia, nos grupos que fazem a estrutura das paróquias – no caso dos católicos ou luteranos – e em outros segmentos religiosos. O aprofundamento das pessoas que estão ligadas a grupos bíblicos, nas CEBs, nas comunidades ligadas a grupos evangélicos e que seguem a metodologia do CEBI, para não deixar morrer o grito da profecia é intenso, mas a luta tem sido árdua e de muito desgaste, levando-se em conta o momento histórico e eclesial que vivemos. No campo ou nas pequenas e grandes cidades, existe uma preocupação intensa com a profecia e os desdobramentos que emanam da palavra. Os problemas sócio-ambientais, políticos e religiosos são gritantes e desafiam por demais os cristãos e cristãs. Temos que dirigir nosso olhar com mais afeição para as cidades e como trabalhar nesses espaços à ação profética e libertadora de Jesus.

Mexendo ainda nesta linha de reflexão, o grande e brilhante teólogo José Comblin assim afirmou sobre a cidade: “Como viver o evangelho na atual cultura pós-moderna que é a cultura urbana? Em lugar da paróquia, o centro da vida cristã será a pequena comunidade: lugar da iniciação, da formação, dos sacramentos, da educação, do discernimento moral, da preparação para o agir dentro da sociedade. A paróquia sobreviverá até que desapareçam os últimos representantes da antiga cristandade. Se não houver pequenas comunidades cristãs, as novas gerações farão toda a sua adesão às novas religiões — também na forma de neopentecostalíssimos católicos”[2]. Vê-se claramente que desafios não faltam e urge redescobrir o caminho de Jesus que se preocupava com a aflição do seu povo.

A profecia dos que não se calam pode renascer e deve fazer um caminho de profunda imersão na vida dos que labutam nas nossas cidades. Acompanhando o que ensina a Conferência de Aparecida, temos que tornar-nos a voz dos que não tem vez e voz. Habilitar nossa profecia como o traço que leva as pessoas ao Cristo e não a marginalidade e ao sofrimento. “O encontro com Jesus Cristo através dos pobres é uma dimensão constitutiva de nossa fé em Jesus Cristo. Da contemplação do rosto sofredor de Cristo neles e do encontro com Ele nos aflitos e marginalizados, cuja imensa dignidade Ele mesmo nos revela, surge nossa opção por eles” (DaP, 257). Temos que quebrar com a luz da profecia, as redes de exclusão a que milhares de homens e mulheres ficam expostos sem condição de trabalho, renda e/ou dignidade. Tamanho isolamento força-os a viverem na periferia com poucas condições de vida. Portanto, é nas adversidades que surgem os novos profetas que renovam a esperança do povo de Deus. São vozes das mais diversas procedências e que devem ser ouvidas pela contundência de seu testemunho, pois conseguem costurar de modo espetacular a vida com a fé. Por isso, comentaremos um pouco a profecia de dois homens iluminados e iluminadores do nosso tempo:

  1. a) Papa Bergolio: O profeta nunca se cala diante de tantas atrocidades. Por isso, constatamos de modo imperativo que o papa Francisco é o nosso novo Amós. Desde o dia de sua eleição até hoje, Francisco grita e age como verdadeiro profeta. Nas diversas frentes de combate está o papa Bergolio com sua palavra incansável e cortante destacando-se como o maior líder do século XXI. O Profeta Francisco de Roma e do mundo, utiliza com habilidade sua força de estadista para fazer ecoar sua profecia. Na política, por exemplo, tem se pronunciado com extrema pertinência e num seminário promovido pela Pontifícia Comissão para a América Latina – sobre a Doutrina Social da Igreja – declarou: “É necessária uma nova presença de católicos na política na América Latina”. E continuou: “As circunstâncias em que vivemos não mudarão de imediato”. São questões interligadas quando se fala em economia, religião e meio ambiente. O papa, por isso, adverte: “A política não é a mera arte de administrar o poder, os recursos ou as crises. A política é uma vocação de serviço”[3]. Francisco demonstra sintonia com os temas atuais e profunda linearidade com o magistério dos papas anteriores.

Para asseverar com acuidade uma frente, destacamos a luta de Francisco pelo meio ambiente. Exercendo com autoridade e simplicidade inigualável sua profecia, o papa deixou o mundo todo extasiado com a Laudato Si. Nela observamos que o profeta reclama duramente daqueles que exploram a mãe terra através do consumo exacerbado e coloca os pobres na beira da estrada da amargura e da exclusão. Sempre com pertinência conduz nossa consciência cristã a pesquisar sobre o magistério da Igreja e, com ele, mantem uma relação de profunda continuidade. “Espero que está encíclica, que se insere no magistério social da Igreja, nos ajude a reconhecer a grandeza, a urgência e a beleza do desafio que temos pela frente” (Laudato Si, 15).

  1. b) Frei Carlos Mesters, o profeta da palavra: nascido na Holanda em 1931, o Brasil teve o privilégio de receber este autêntico carmelita que navegando nas praias e trilhando pelo sertão afora, ensinou como rezar a vida e a bíblia, a bíblia e as lutas do povo de Deus. E, como a obra do profeta ninguém – nem reis, nem tronos, nem poderes temporais ou religiosos – consegue calar ou eliminar, podemos adentrar nesse caminho através da metodologia da LPB (Leitura Popular da Bíblia).

Cremos que está neste caminho a grande contribuição de Frei Carlos, conseguindo despertar no meio do nosso povo o gosto pela palavra de Deus – contida na sagrada escritura – e também a capacidade de alimentar as comunidades com aspectos inovadores da leitura bíblica, fazendo com que muitos e muitas se tornem protagonistas da própria caminhada espiritual e libertadora.

A LPB contém didática, metodologia própria, clareza, hermenêutica própria e consegue ser profunda sem ser racional e sem ser um portal de estudos de uma casta intelectualizada. Fomentando a beleza do que sempre Frei Carlos lembra – a partir da teologia agostiniana – o livro mais importante para o cristão e a cristã aprofundar não é a bíblia, mas, a vida. E sempre completa: a bíblia não foi feita para substituir a vida, mas para ajudar a entender a vida. Como homens e mulheres de uma “igreja em saída”, desejada pelo papa Francisco, vamos unir a LPB e o legado de Frei Carlos a um novo impulso missionário e profético. Tudo isso com a convicção que os profetas de Iahweh nunca se calam e estão sempre a serviço do reino e da vida para todos e todas.

Pe. José Soares de Jesus

CEBS – CEBI/SE

 

[1] O primeiro arcebispo de Aracaju, era pernambucano de Orobó. Nasceu em 19 de julho de 1910. Foi ordenado sacerdote em 1934 na cidade de Limoeiro. Migrou para o Rio de janeiro onde tornou-se bispo auxiliar de Dom Jaime Câmara até o ano de 1957. De lá, saiu nomeado para diocese de Aracaju – SE. Foi alçado à condição de arcebispo no pontificado do Papa João XXIII e, assim tornou-se o primeiro arcebispo de Aracaju em 1960 com a divisão da província eclesiástica.

[2] Revista Vida Pastoral: n. 225, p. 8-15. Desafios da Igreja na cidade atual.  Padre José Comblin. https://www.vidapastoral.com.br/artigos/eclesiologia/desafios-da-igreja-na-cidade-atual/. Acesso: 5 de agosto de 2020.

[3]https://www.jornaluniao.com.br/noticias/geral/quota-politica-e-uma-vocacao-de-servicoquot-destaca-papa/. Acesso em 30 de jul. 2020.

 

Liga228 situs judi bola merupakan situs judi bola online dengan pasaran terlengkap.

Kunjungi situs judi bola terlengkap dan terupdate seluruh asia.

Situs sbobet resmi terpercaya. Daftar situs slot online gacor resmi terbaik. Agen situs judi bola resmi terpercaya. Situs idn poker online resmi. Agen situs idn poker online resmi terpercaya. Situs idn poker terpercaya.

situs idn poker terbesar di Indonesia.

List website idn poker terbaik.

Game situs slot online resmi

slot hoki terpercaya

slot terbaru

rtp slot gacor

agen sbobet terpercaya