Bem vindo(a) ao CEBI ! (51) 3568-2560

Pensar outramente: o despertar da responsabilidade dialogal

Pensar outramente: o despertar da responsabilidade dialogal
10 de outubro de 2021 Comunicação

Os cristãos não devem se furtar à política, mas abraça-la com coragem e ousadia

 

Por Gabriel Vilardi, SJ*

Vivemos em um mundo fragmentado. Sentimos diariamente o peso da polarização nos grupos, nas famílias, na sociedade. O desejo de dominação e poder não está restrito às relações pessoais, nem só entre as disputas geopolíticas internacionais, mas se espraia para a relação Estado-cidadão. Há uma ideologia perversa, muitas vezes apoiada na religião, que anseia pela eliminação dos ditos maus cidadãos pelos “cidadãos de bem”.

O centro parece prevalecer sobre as periferias. Conforme aponta o papa Francisco, a “globalização da indiferença” e a “cultura do descarte” impõem-se com crueldade. As vozes rebeldes que ousam questionar e desafiar o sistema socioeconômico estabelecido precisam ser silenciadas. Ressurge um clamor por governos fortes que flertam despudoradamente com o autoritarismo e com o enfraquecimento deliberado do Estado Democrático de Direito. Crise tornou-se uma palavra desconcertantemente atual.

Diante desse cenário desolador o sumo pontífice, na Fratelli tutti, nos alerta com firmeza que “a política deixou de ser um debate saudável sobre projetos a longo prazo para o desenvolvimento de todos e o bem comum, limitando-se a receitas efêmeras de marketing cujo recurso mais eficaz está na destruição do outro” (n. 15). Trata-se da má política, sustentada pelas fake news e pelos extremismos que negam a pluralidade.

Mas frente a esses tempos incertos, qual o caminho a seguir? Certamente não o que opte, confortável e orgulhosamente, por uma alienação antipolítica! Aliás, desde o papado de Pio XI, passando por São Paulo VI e Bento XVI e novamente trazido à baila pelo atual pontífice, o ensino social da Igreja não deixa margem para dúvidas: “a política é a forma mais perfeita de caridade”. E os cristãos não devem se furtar àquela, mas abraça-la com coragem e ousadia.

Uma política que nasça do diálogo franco e de uma amizade social, para além de quaisquer interesses egoístas e mesquinhos. Este, por sua vez, só pode brotar a partir de uma proximidade própria da “cultura do encontro”. Cultura perpassada pela confiança mútua entre irmãos e irmãs de uma mesma família humana. Encontros que não temem a diferença, antes valorizam a riqueza da alteridade que é o outro.

Segundo o filósofo judeu Emmanuel Levinas, sobrevivente dos horrores do nazismo, o face a face com outrem me compromete enquanto subjetividade ética. A “epifania do rosto” revela uma relação assimétrica e impede que o sujeito se feche em si e seja reduzido a mesmidade. Ou seja, a homogeneização é rechaçada, porque desumaniza e empobrece. Esse terceiro suscita uma responsabilidade que é justiça social e antecede qualquer outro paradigma.

Pensar outramente é, pois, o desafio que se impõe! E, como nos ensina o papa Bergoglio, passa inevitavelmente pela política, “um apelo sempre novo”: “que a sociedade se oriente para a prossecução do bem comum e, a partir deste objetivo, reconstrua incessantemente a sua ordem política e social, o tecido das suas relações, o seu projeto humano” (Fratelli tutti, nº 66). Projeto que coloque no centro a vida na sua dimensão integral, inclusive o cuidado com a Casa Comum. Jamais, portanto, a avidez pelo lucro e outros interesses utilitários de uma pequena elite devem prevalecer sobre a coletividade.

Uma política que dialogue sem medo com todos os setores da sociedade e em que haja espaço para os descartados e marginalizados do sistema vigente: as mulheres, os povos indígenas, os afrodescendentes, a população LGBTQIA+, os migrantes e refugiados, a classe trabalhadora, os sem-terra e as pessoas em situação de rua, os encarcerados… Vítimas de uma lógica excludente, não precisam ser tuteladas paternalmente pelo Estado, mas ouvidas e consideradas na sua dignidade humana.

Ser um defensor dos Direitos Humanos no Brasil é arriscado e pode custar a própria vida. Segundo o relatório da ONG Global Witness, publicado recentemente, somos o quarto país no mundo que mais mata ambientalistas. Uma dessas vítimas foi irmã Dorothy Stang, assassinada, em 12 de fevereiro de 2005, no estado do Pará.

A missionária estadunidense estava comprometida com os pequenos agricultores da região, fortemente marcada por disputas agrárias com o grande latifúndio. Mesmo consciente das ameaças, a religiosa não se intimidou nem fugiu dos conflitos, mas manteve-se até o fim aberta ao diálogo. Mártir da terra, seu testemunho inundou aquele chão perpassado por injustiças e contribuiu para que uma vida mais digna fosse assegurada àqueles camponeses.

Não haverá uma sociedade justa enquanto não se preservar e valorizar a memória das lutas históricas pelos direitos assegurados no atual ordenamento jurídico. Eles nem sempre estiveram aí. E diante dos recorrentes ataques, encontram-se perigosamente ameaçados. A Constituição Cidadã de 1988, não foi dada pela benevolência das classes dirigentes. Ao contrário, trata-se de uma longa e dura conquista da sociedade civil organizada que participou ativamente nesta construção conjunta.

Neste ano em que se comemora o centenário de duas fundamentais figuras da história recente do país, seus testemunhos lúcidos nunca foram tão importantes! Esses dois Paulos têm muito a nos ensinar. Dom Paulo Evaristo Arns, o cardeal da resistência, enfrentou com ousadia as violações dos anos de chumbo e sempre se colocou ao lado dos perseguidos políticos e do povo pobre da periferia. Seu lema “De esperança em esperança” traduz uma vida que foi sinal de coragem para muitos desamparados pelo arbítrio do poder.

Já o pensador Paulo Freire, patrono da educação brasileira, apostou no processo educativo como conscientização crítica contrária a qualquer educação bancária uniformizante. Acreditava que a libertação das relações de opressão acontece conjuntamente, nunca de modo externo e solitário. Defendeu sempre a primazia do diálogo, em que “dizer a palavra, com que, pronunciando o mundo, os homens o transformam”. Mesmo diante de todas as incompreensões e reações adversas que sofreu, o incansável pedagogo insistiu com teimosia e ensinou a conjugar o verbo “esperançar”.

Não há noite escura o suficiente em que não se possa esperar a aurora que vem e desponta no horizonte. Como proclamou com profecia o bispo-poeta Pedro Casaldáliga:

É tarde,
porém é nossa hora.
É tarde,
porém é todo o tempo
que temos nas mãos
para fazer o futuro.
É tarde,
porém somos nós
esta hora tardia.
É tarde,
porém é madrugada
se insistirmos um pouco.

Em que pese o caminho possa ser um pouco longo, ainda assim ele está aí, disponível para ser trilhado. Basta darmos os primeiros passos e as dúvidas vão se dissipando paulatinamente. E aos poucos tomamos consciência de que continuamos os passos dados por aqueles e aquelas que nos precederam nesse peregrinar: irmã Dorothy Stang, dom Paulo Evaristo Arns, Paulo Freire… Não tenhamos medo de sermos homens e mulheres que sonham e buscam o diálogo fecundo, construtor de pontes e demolidor dos muros da indiferença estéril!

*Gabriel Vilardi, é jesuíta; bacharel em Direito pela Pontifício Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) e graduando em Filosofia pela Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia (FAJE). E-mail: gabrielvilardi@hotmail.com

 

Foto: legenda/crédito – Segundo Levinas, o face a face com outrem me compromete enquanto subjetividade ética (Unsplash/LinkedIn Sales Solutions)

 

Fonte: Portal Dom Total

Liga228 situs judi bola merupakan situs judi bola online dengan pasaran terlengkap.

Kunjungi situs judi bola terlengkap dan terupdate seluruh asia.

Situs sbobet resmi terpercaya. Daftar situs slot online gacor resmi terbaik. Agen situs judi bola resmi terpercaya. Situs idn poker online resmi. Agen situs idn poker online resmi terpercaya. Situs idn poker terpercaya.

situs idn poker terbesar di Indonesia.

List website idn poker terbaik.

Game situs slot online resmi