Bem vindo(a) ao CEBI ! (51) 3568-2560

A chamada do povo é para o projeto popular [Rede Jubileu Sul Brasil]

A chamada do povo é para o projeto popular [Rede Jubileu Sul Brasil]
21 de março de 2022 Comunicação

Ainda na carona da guerra, o governo Bolsonaro tenta passar no Congresso Nacional o chamado Pacote da Destruição, com Projetos de Lei que podem conceder anistia à grilagem, ameaçam a vida dos povos tradicionais e dão às costas para os direitos da natureza

 

Por Rede Jubileu Sul Brasil *

 

Vivemos tempos de guerra na Europa. O contexto de enfrentamentos entre Rússia e Ucrânia coloca o mundo frente a frente com ameaças inéditas e desafios antigos, que comportam variantes históricas, sociológicas, econômicas e de um novo arranjo geopolítico em curso. Como aprofundar o debate sobre o conflito em sua complexidade sem legitimar a guerra? Sem aceitar a invasão russa que fere a soberania da Ucrânia, nem heroicizar a liderança ucraniana pela resistência à ocupação? Sem compactuar com a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), que pauta sua estratégia na militarização, com tentativas para avançar nas fronteiras?

Após semanas de conflito, as sanções comercias e econômicas à Rússia repercutem no mundo, cujo tabuleiro geopolítico está em movimentação. Sem falar na inflação que o conflito já está produzindo no mundo inteiro, com o aumento no preço dos combustíveis e alimentos. No Brasil, se de um lado temos o governo Bolsonaro e diplomatas do país em ações e pronunciamentos contraditórios ou até mesmo divergentes, de outro, temos as lideranças políticas, inclusive da esquerda, vacilantes na tarefa de encontrar uma forma de contrapor narrativas pautadas exclusivamente pela versão norte-americana da guerra, enquanto vemos crescer no país a aversão contra tudo que se identifique com a Rússia, haja vista a grande proliferação de memes divulgados em perfis das redes sociais e a crescente onda de notícias falsas de todos os lados, gerando desinformação sobre a guerra e as posições envolvidas.

Com esse cenário, como contribuir para que a população brasileira avance na reflexão e compreensão do que de fato está em jogo na guerra deflagrada na Europa? Como promover um debate geopolítico para além das programações especiais duvidosas que aparecem na TV e dos conteúdos amplamente distribuídos, sem nenhum compromisso com a verdade, nas redes sociais? Como fazer o contraponto à mídia comercial hegemônica que pauta a guerra sempre, e quase exclusivamente, a partir da agenda imperialista norte-americana? Há muito se sabe que uma guerra sempre interessa para o capitalismo em mutação, para os Estados Unidos e as potências europeias e suas economias em crise.

Entendemos que dentro dos conflitos armados e de ocupação os/as principais afetados/as são as mulheres, crianças e idosos, é a população mais vulnerável, principalmente aquelas que carregam em seus corpos o modelo patriarcal, excludente e extrativo.

Não podemos nos omitir nem deixar de denunciar o impacto que está presente em qualquer conflito militar, com aprofundamento das agressões e ódio sobre a vida das pessoas e da natureza, gerando ondas de migração e refugiados.

Na semana em que celebramos o Dia Internacional da Mulher, o Brasil acordou com mais um episódio repudiável de machismo e misoginia protagonizado pelo deputado estadual de São Paulo, Arthur do Val, agora sem partido, que compartilhou relatos inaceitáveis a respeito das mulheres refugiadas ucranianas após viagem ao país, em meio à guerra. As declarações do deputado estremeceram o tabuleiro eleitoral no Brasil, obrigando o ex-juiz Sérgio Moro (Podemos), pré-candidato à presidência da República, a se posicionar sobre a atitude do seu companheiro de palanques e fotos. Não é de hoje que a garantia da vida das mulheres está negligenciada! Neste 14 de março, a memória pelos quatro anos do assassinato da vereadora do Rio de Janeiro, Marielle Franco e seu motorista, Anderson Gomes, denunciam a impunidade vigente no país. São quatro anos sem reposta para a pergunta que não cala: quem mandou matar Marielle?

Ainda na carona da guerra, o governo Bolsonaro tenta passar no Congresso Nacional o chamado Pacote da Destruição, com Projetos de Lei que podem conceder anistia à grilagem, ameaçam a vida dos povos tradicionais e dão às costas para os direitos da natureza. As milhares de vozes que se levantaram no último dia 9 de março, no gramado da Esplanada dos Ministérios, com forte presença de artistas e povos indígenas, parece anunciar tempos de maior engajamento popular contra retrocessos, carestia e estagnação do país, trazendo a arte de volta para o embate em defesa da democracia e dos direitos fundamentais do povo brasileiro.

No 8 de março, tivemos nas ruas a resistência feminina, que fortaleceu a luta pela vida das mulheres e reafirmou o repúdio ao governo Bolsonaro e a tudo que ele representa: ameaça à democracia, à soberania nacional, aos direitos dos povos tradicionais e aos direitos da natureza.

No esquenta da confirmação das candidaturas para as eleições gerais, para além de garantir o Fora Bolsonaro, precisamos pautar a necessidade de um projeto popular para o Brasil, da organização nas bases, para fortalecer as pautas que interessam ao povo e podem garantir geração de renda e emprego, políticas públicas para saúde, educação, ciência e infraestrutura, com respeito aos povos tradicionais e a seus territórios.

Não devemos, não pagamos!

Somos os povos, os credores!

Não à militarização!

 

Artigo publicado no site do da Revista Fórum

 

 

Liga228 situs judi bola merupakan situs judi bola online dengan pasaran terlengkap.

Kunjungi situs judi bola terlengkap dan terupdate seluruh asia.

Situs sbobet resmi terpercaya. Daftar situs slot online gacor resmi terbaik. Agen situs judi bola resmi terpercaya. Situs idn poker online resmi. Agen situs idn poker online resmi terpercaya. Situs idn poker terpercaya.

situs idn poker terbesar di Indonesia.

List website idn poker terbaik.

Game situs slot online resmi