Bem vindo(a) ao CEBI ! (51) 3568-2560

Reflexão do Evangelho: Planejamento e organização das lutas do povo em Betfagé

Reflexão do Evangelho: Planejamento e organização das lutas do povo em Betfagé
3 de abril de 2020 Zwei Arts

Leia a reflexão sobre Mateus 21,1-10, texto de Ildo Bohn Gass.

Boa leitura!

Betânia e Betfagé são aldeias muito próximas uma da outra, logo abaixo do Monte das Oliveiras, em direção a Jericó e ao Mar Morto. É também ali que Jesus planeja e organiza as lutas do povo (Mc 11,1-11; Lc 19,29-40; Jo 12,1-19). É na comunidade dos pobres (Betânia: “casa dos pobres”), na periferia de Jerusalém, que Jesus se reúne com seu movimento para organizar uma ação simbólica a fim de evidenciar o confronto com o poder político romano. É a passeata popular para Jerusalém. Ao liderar uma passeata montado em um jumento, Jesus assume sua missão de messias libertador, de rei dos pobres, justo e desarmado. Está diametralmente em oposição a outro projeto que buscava a glória através da violência e da opressão. Jesus, ao contrário, mantém-se firme no caminho do serviço aos mais pobres, simbolizado pela entrada triunfal em Jerusalém, montado em um jumento. Em Betfagé e Betânia, Jesus articulou, com seu movimento, a passeata popular para Jerusalém. São aldeias de organização das lutas do povo, de sua profecia de denúncia do poder opressor de César e Herodes, bem como de anúncio do projeto de poder popular. Jesus recorda o movimento profético liderado por Zacarias que sonha com um messias popular que vem libertar o povo oprimido (Zc 9,9). Montar um jumento revela, de um lado, que é um movimento popular pacifista contra o uso de armas. O jumento era o animal de carga dos pobres. No exército, na guerra, era usado o cavalo (cf. Am 2,15). Em vez de ramos que aclamam o libertador do povo, os soldados usavam carros e espadas, arcos e flechas, capacetes e escudos. Ao contrário, o messias vem eliminar as armas (Zc 9,10), transformando os instrumentos de guerra em ferramentas de trabalho (Is 2,4; Mq 4,3).  De outro lado, a opção por um jumento para sua montaria também revela que Jesus não é um rei poderoso e opressor, pois a montaria dos reis era a mula (1Rs 1,33.44). O jumento era a montaria dos pobres (Zc 9,9). Era a montaria dos juízes libertadores da época tribal, modelo de sociedade justa, solidária e de partilha (cf. Jz 5,10; 10,4; 12,14). Jesus, portanto, é o messias libertador dos pobres.

Convém lembrar mais dois fatos relacionados com a tomada popular do poder em Jerusalém. O primeiro fato faz lembrar a expulsão definitiva dos dominadores gregos de Jerusalém em 142 a.C. por Simão, o segundo filho do macabeu Matatias. Naquela ocasião, os judeus vitoriosos entraram triunfalmente na cidade (cf. 1Mc 13,51). Agora, da mesma forma como Simão, o movimento organizado por Jesus marcha firme sobre Jerusalém, a fim de resistir contra o poder colonialista dos romanos que ocupavam toda a terra da Palestina.  O segundo fato tem a ver com os procuradores romanos no tempo de Jesus. Naqueles anos, Pilatos (interventor romano na Judeia e na Samaria de 26 a 36 d.C.) entrava triunfalmente em Jerusalém nas grandes festas judaicas. Ele supervisionava pessoalmente o controle da ordem. Ele vinha do sol poente, montando um cavalo e com um destacamento militar bem armado com lanças e espadas, vindo de Cesareia marítima. De seu lado, o ódio e a violência. Diferentemente, Jesus entrava em Jerusalém vindo do leste, do sol nascente, montando um jumento, a montaria dos pobres. Jesus lidera uma passeata pacífica, sem exército e sem armas, com vista ao poder popular de justiça e de libertação. De seu lado, o amor e a paz.

Por fim, ainda lembramos que o sentido original da palavra hosana é “ajuda-nos, socorre-nos, liberta-nos, salva-nos” (v. 9). É um grito por auxílio (cf. Sl 118,25; 2Rs 6,26; 19,19). Em Jesus, como no passado, Deus ouviu o grito de seu povo, escutou-o atentamente e o socorreu (Ex 3,7-8). O povo também aclama Jesus como descendente do rei Davi. Sim, tal como Davi que, em seu tempo, libertou as tribos da opressão dos filisteus, Jesus vem para libertar o povo da opressão dos romanos. Não é por acaso que foram os romanos que prenderam Jesus sem crime, o torturaram e o condenaram à morte de cruz. Portanto, a missão política de Jesus é trazer uma nova forma de exercer o poder. Um poder serviço, com base na verdade e não em mentiras, fundamentado no amor e não no ódio ao diferente, alicerçado na paz e não na força bruta das armas, na democracia e não na violência e no autoritarismo.

Liga228 situs judi bola merupakan situs judi bola online dengan pasaran terlengkap.

Kunjungi situs judi bola terlengkap dan terupdate seluruh asia.

Situs sbobet resmi terpercaya. Daftar situs slot online gacor resmi terbaik. Agen situs judi bola resmi terpercaya. Situs idn poker online resmi. Agen situs idn poker online resmi terpercaya. Situs idn poker terpercaya.

situs idn poker terbesar di Indonesia.

List website idn poker terbaik.

Game situs slot online resmi

slot hoki terpercaya

slot terbaru

rtp slot gacor

agen sbobet terpercaya

slot online judi bola terpercaya slot online terpercaya judi bola prediksi parlay hari ini