Bem vindo(a) ao CEBI ! (51) 3568-2560

Reflexão do Evangelho: Pergunta decisiva

Reflexão do Evangelho: Pergunta decisiva
24 de agosto de 2018 Centro de Estudos Bíblicos
Confira a reflexão do evangelho para o próximo domingo, 26 de agosto. O texto comenta sobre João 6,60-69, e pertence a José Antônio Pagola.

Boa leitura!

O evangelho de João conservou a recordação de uma forte crise entre os seguidores de Jesus. Não temos dados. Apenas nos é dito que aos discípulos lhes resulta duro o Seu modo de falar. Provavelmente parecia-lhes excessivo a adesão que espera deles. Num determinado momento, “muitos discípulos retiraram-se e já não iam com Ele”.

Pela primeira vez experimenta Jesus que as Suas palavras não têm a força desejada. No entanto não as retira, pelo contrário reafirma-as ainda mais: “As palavras que vos disse são espírito e vida, mas alguns de vós não acreditam”. As Suas palavras parecem duras, mas transmitem vida, fazem viver, pois contêm Espírito de Deus.

Jesus não perde a paz. Não o inquieta o fracasso. Dirigindo-se aos Doze faz-lhes a pergunta decisiva: “Também vós quereis partir?”. Não os quer reter pela força. Deixa-lhes a liberdade de decidir. Os Seus discípulos não hão-de ser servos, mas amigos. Se querem, podem voltar a suas casas.

Uma vez mais, Pedro responde em nome de todos. A sua resposta é exemplar. Sincera, humilde, sensata, própria de um discípulo que conhece Jesus o suficiente como para não o abandonar. A sua atitude pode todavia hoje ajudar a quem com fé vacilante pondera prescindir de toda a fé.

“Senhor, a quem iriamos?”. Não tem sentido abandonar Jesus de qualquer forma, sem encontrar um mestre melhor e mais convincente. Se não seguem Jesus, ficarão sem saber a quem seguir. Não devem precipitar-se. Não é bom ficar sem luz nem guia na vida.

Pedro é realista. É bom abandonar Jesus sem ter encontrado uma esperança mais convincente e atrativa? Bastará substitui-lo por um estilo de vida rebaixado, sem metas nem horizonte? É melhor viver sem perguntas, questões, nem busca de nenhum tipo?

Há algo que Pedro não esquece: “As Tuas palavras dão vida eterna”. Sente que as palavras de Jesus não são palavras vazias nem enganosas. Junto Dele descobriram a vida de outra forma. A Sua mensagem abriu-lhes a vida eterna. Onde poderiam encontrar uma notícia melhor de Deus?

Pedro recorda, por último, a experiência fundamental. Ao conviver com Jesus descobriu que vem de Deus. De longe, à distância, desde a indiferença ou o desinteresse não se pode reconhecer o mistério que está em Jesus. Os Doze conviveram de perto. Por isso podem dizer: “Nós acreditamos e sabemos que tu és o Santo de Deus”. Seguirão junto a Jesus.

Comentário do evangelho por Pe. José Antonio Pagola. Traduzido por Antonio Manuel Álvarez Perez.

Partilha de Ir. Maria Liani Postai cscAgradecemos aos seus autores por sua generosidade na partilha de seus dons! Neste 4º domingo do mês Vocacional, saudamos e agradecemos a todos os e as catequistas e cristãos Leigos e Leigas engajados nas Comunidades Cristãs, por seu testemunho de fé e por toda a missão exercida na evangelização e animação das Comunidades.