Bem vindo(a) ao CEBI ! (51) 3568-2560

Reflexão do evangelho: fé na ousadia de Deus

Reflexão do evangelho: fé na ousadia de Deus
4 de dezembro de 2017 Centro de Estudos Bíblicos
Reflexões do Evangelho no site do Centro de estudos Biblicos.
Confira a reflexão do evangelho elaborada por Odete Adriano sobre Marcos 1,1-8. O texto se refere ao próximo domingo litúrgico, dia 10 de dezembro.

Boa meditação!

Esta reflexão é sobre o segundo domingo do Advento. Advento é tempo de reflexão diante do plano de Deus para a humanidade. É tempo de refletir como estamos orientando nossas vidas em relação ao propósito de Deus. Advento também é vinda, chegada, presença. Ele vem.

Jesus vem!

É um período especial, pois antecede o Natal, e traz nada menos que três desafios à cristandade. Esse período

  1. quer nos lembrar do Advento histórico, passado;
  2. Quer nos lembrar do Senhor que quer ser, hoje, nosso hóspede, portanto, o aspecto presente;
  3. Finalmente, quer nos remeter ao futuro: o aspecto escatológico do mesmo.

O Advento é época de recuperar os grandes feitos de Deus. Eles são fundamentais para a nossa fé cristã e são orientadores para a nossa convivência na comunidade e no mundo, em testemunho e serviço. Recuperar os fatos, no Advento, significa, conforme Isaías, novo fascínio, força e vigor para superar nosso cansaço, desesperança, desânimo, vontade de desistir e cultivar nossa fé – esperança no Senhor.

Advento é esperança na renovação de todas as coisas, na libertação das nossas misérias, pecados, fraquezas. É esperança que nos forma na paciência diante das dificuldades e tribulações da vida, diante de tantas coisas que afligem nossa alma e ferem nosso corpo.

Advento é, por isso, época de não só pensar em doces e presentes, mas, acima de tudo, é convite para olhar em direção ao que realmente importa, ou seja, a oferta da vida com esperança, em Cristo Jesus. É tempo de encontrar o novo.

O “evangelho” de Jesus não vem dos palácios

Os primeiros versos do Evangelho segundo Marcos retomam a profecia do Antigo Testamento e a conduzem ao Novo, ao evento do Espírito. O Espírito perfaz o novo! Marcos ressalta que Jesus Cristo, o Filho de Deus, é a Boa Nova da salvação para a humanidade. Como o mensageiro antigo (Isaías 52,7: “Como são belos, sobre os montes, os pés do mensageiro da paz…”), João Batista proclama o alegre anúncio, que culmina em Jesus (Marcos 1,14-15) e ressoa nas comunidades cristãs como apelo a anunciar a mensagem de libertação no mundo inteiro (Marcos 13,10; 14,9).

Sabe-se que, para o evangelista, as palavras e ações de Jesus são “evangelho”. “Evangelho” é uma palavra que era utilizada pelas autoridades para anunciar as suas ações. Contudo, para o evangelista Marcos, o “evangelho” de Jesus não vem dos palácios, mas da periferia de Nazaré (W. Marxen). O evangelho é alegria, não é imposto, como o evangelho imperial. Aqui, é-nos apresentado Jesus Cristo como “Filho de Deus”, uma expressão que é central para o Evangelho segundo Marcos (cf. Marcos 1,11; 15,39). Para as comunidades cristãs, não é o imperador de Roma que é o filho de Deus, mas Jesus de Nazaré. Ao mesmo tempo em que reconhece a presença divina em Jesus, é resistência contra um império que se apresentava como sagrado.

Em seguida, Marcos 1,2-8 apresenta o precursor, João Batista. Jesus está na linha da profecia! João Batista é o profeta anunciado em Isaías. Restaura Israel a partir do deserto, como Moisés o fez com o povo que saiu do Egito, e como tinha sido a prática de Elias no Horebe. João Batista, o profeta, tem seu foco no deserto. Para a história de Israel, o deserto é símbolo de vida, de resistência, vida restaurada, de vida nova.

A profecia de João Batista apela à conversão, ao arrependimento. Isso é antiga tradição profética. O arrependimento é o eixo da renovação.

Fé na renovada ousadia de Deus e olhos fixos no futuro

O povo de Deus sempre teve os olhos fixos no futuro, com esperança na vinda definitiva do Senhor (Isaías). Marcos nos chama a olhar à nossa volta e enxergar dentro de nossa história a vinda de Deus: João é o novo Elias (2 Reis 1,8), isto é, a profecia que volta a ser proclamada, o povo se reúne e se organiza para recomeçar como nos tempos do “deserto”, enquanto os poderosos se abalam por se sentirem desmascarados (Mateus 2,3.7). Em Jesus de Nazaré, é Deus mesmo quem opera a restauração das pessoas.

Assim como se deu com Elias, João foi perseguido e morto covardemente, mas a palavra ressurge em Jesus (Marcos 1,14-15; 6,16). Também Jesus foi perseguido e assassinado, mas a caminhada da Palavra prossegue com seus discípulos e discípulas.

Ouvir de Elias, de João, de Jesus, é ouvir falar da renovada ousadia de Deus, a ousadia da liberdade, que não aceita calar-se nunca, nem teme os poderosos do mundo. Sempre de novo a Palavra ressurge para anunciar que são possíveis “novos céus e nova terra” (2 Pedro 3,13; Marcos 1,9-13; 9,2-13). A Palavra volta a levantar-se para denunciar os obstáculos que se antepõem ao propósito de Deus e proclamar que só há uma maneira de viver nessa nova realidade: “endireitar” os caminhos, reconhecer os erros pessoais e coletivos, refazer as relações pelo perdão, pela igualdade e pela partilha (Lucas 3,10-14). Aí, sim, o “deserto” se transforma em larga estrada, em jardim do Senhor.

O deserto era o lugar onde frequentemente se refugiava quem se sentia à margem do sistema e se punha na oposição. Lá estavam os essênios, pessoas que romperam com o templo e se consideravam vanguarda do novo povo. Para lá se dirigia quem se proclamava profeta ou messias e pretendia organizar a resistência popular. Por lá andavam guerrilheiros (sicários, zelotas) e bandidos. O movimento de João é de protesto e de resistência. Por isso, foi preso e morto. Herodes o temia.

Batismos e rituais de purificação eram práticas comuns no ambiente dos fariseus e dos essênios. No movimento de João, não são os sacrifícios que purificam do pecado, mas a confissão e o arrependimento, a mudança de vida. O povo não peregrina em direção ao templo, mas sai das cidades, como num êxodo, em direção ao deserto. É como se fosse preciso sair de novo do Egito, “a casa da servidão”, e, pelo Jordão, entrar na Terra Prometida, isto é, Terra Partilhada.

Sob a expressão “remissão dos pecados” está escondida a antiga esperança da “remissão das dívidas” prevista para o Ano do Jubileu (Levítico 25), o ano da graça do Senhor (Lucas 4,19), o perdão das dívidas (Mateus 6,12; Lucas 11,4). O novo tempo anunciado por João é a possibilidade, com Jesus, de restauração radical da convivência do povo em sociedade, segundo os ideais da igualdade e da justiça. Para isso, é que se prevê a “imersão” (batismo) no Espírito Santo. Será como passar pelo fogo (Mateus 3,11; Malaquias 3,2) que purifica e destrói, para que algo novo possa surgir. Essa novidade era esperada desde o final do exílio na Babilônia e é dela que falavam profetas e profetisas no grupo de discípulos de Isaías (Is 40-66).

Deus sabe o caminho que devemos andar

João Batista, o precursor, propõe a conversão como meio para preparar o caminho do Senhor e acelerar a chegada de um mundo novo de justiça. Deus caminha pelo deserto da história, ensinando-nos a endireitar as veredas através de gestos solidários de amor e paz.

Dietrich Bonhoeffer dizia:

“Eu não entendo os Teus caminhos, Senhor. Mas Tu sabes os caminhos que devo andar!” E é verdade! Deus sabe o caminho que devemos andar. Sabe, quanto mais procuro vivenciar e entender as coisas que Deus quer de mim, mais me surpreende o quanto Deus vem ao meu, ao nosso encontro nas áreas mais essenciais e carentes da vida: “significado, pertencimento, saúde, liberdade e comunidade”.

É que Deus – que é um Deus de amor e, consequentemente, de salvação – vem ao nosso encontro nas áreas mais necessitadas da existência humana e comunitária.

Por isso, “Ficai atentos, preparem-se!”. Ficai Atentos! Não se deixem seduzir pela propaganda consumista, uma vez que a alegria do consumismo é superficial e passageira. Ficai Atentos! A Esperança não pode esmorecer, mas resistir. Esperança Teimosa! Nascida do discernimento.

Construída mesmo no tempo de sofrimento e esmorecimento! O tempo que vivemos é tempo de resistir pela solidariedade ao egoísmo e ao individualismo que nos consomem. Ser sensível é ser humano! Olhar o mundo sem indiferença. Com compaixão e afeto que movam à transformação! Vivamos intensamente este Tempo do Advento! Pois o Advento nos ensina: Não canse de esperar, o que esperamos vai chegar!

  • 🙌 Gostou dessa reflexão? Talvez você queira visitar o nosso acervo completo de Reflexões do Evangelho, clique aqui.