Notícias

O sentido de urgência: a necessidade de se conversar sobre o HIV

Minha coluna hoje será ocupada por Ramon Nunes Mello, um jovem e talentoso poeta que no Dia Internacional da Luta Contra a Aids nos brindou com um belíssimo depoimento, que me emocionou por sua delicadeza e coragem. Com isso, louvo a atitude e bravura de jovens artistas e intelectuais que lutam contra o estigma da Aids num momento em que a juventude gay volta a figurar entre os mais infectados pelo vírus.

**************************************

Sou Ramon Nunes Mello, 31 anos, poeta, escritor e jornalista. Estou soropositivo. Reagente. Essa é a palavra que consta no resultado de um exame positivo de HIV, metáfora para um despertar da vida. Reagente. No mesmo sangue em que hospedo o vírus HIV, carrego (além de muitos sonhos) o senso de integridade e convicção de que a grande cura da AIDS é o combate ao preconceito.

O primeiro momento – a descoberta – é de desespero. Porque, embora não mais signifique sinônimo de morte, o imaginário em torno do HIV é repleto de sombras. Eu vou morrer? Não vou mais namorar? Como será minha vida agora? Tive de enfrentar meus medos e rever a minha forma de enxergar o mundo. Não foi nada fácil. Procurei amigos, familiares e conhecidos para me entender diante de uma nova dinâmica de vida. Por essas pessoas tenho imensa gratidão, pois fui acolhido com solidariedade e afeto.

Ciente do diagnóstico, passei a cuidar melhor de minha saúde física, mental e espiritual. Optei pela vida, positivo. Amigos queridos me apoiaram e me indicaram um excelente infectologista e pesquisador – Dr. Estevão Portela Nunes – fundamental no processo de enfrentamento dos meus próprios preconceitos. Passado um tempo, criei coragem e conversei com minha família, que tem sido amorosa como sempre. Todo esse caminho foi fundamental para que eu decidisse abrir a questão publicamente, e começasse a direcionar a minha vida para uma possível atuação com direitos humanos.

O que mudou? Inúmeras coisas, principalmente no que diz respeito ao amor próprio. A conexão com o que me fortalece se aprofundou: a linguagem literária como busca e forma de vida; a prática do yoga, da meditação e do silêncio com mais profundidade; o exercício da minha fé na comunhão com a natureza, através da ayahuasca – planta mestra, enteógeno, que ensina a valorizar o ouro das palavras e a ancorar a presença no corpo. Aceito o chamado, integro o medo, confio em minha transformação e agradeço a chegada de dias auspiciosos, em busca de amor, liberdade, humor, paz, alegria e solidariedade.

Após o susto, me encontro em outro momento, entendi a necessidade de se conversar sobre o HIV. Não há culpa ou vergonha, importante lembrar, embora os preconceitos cultivados em nossas sociedades ainda façam pensar o contrário. Vou continuar a me relacionar, transar, namorar e amar, com mais consciência. Amor não tem fim. Obviamente, desde o diagnóstico em 2012, além de usar preservativo, tomo diariamente antirretrovirais, o que tornou minha carga viral indetectável – fundamental para não propagar o vírus, ou seja, não contaminar o outro.

Mas, contar ou não contar? Esse é o grande dilema das pessoas que vivem com HIV. Tenho obrigação de falar sobre a minha sorologia com todos os meus eventuais parceiros? Não. Há responsabilidade com minha saúde e cuidado com as pessoas que se relacionam comigo. E, de acordo com legislação brasileira, quem está soropositivo tem o direito ao sigilo e ninguém pode expor a situação sorológica de uma pessoa. Provavelmente você já se relacionou afetivamente com alguém que vive com HIV, mas poucas vezes devem ter lhe contado do diagnóstico. O receio da rejeição e do preconceito provoca a necessidade de manter segredo. O maior problema da epidemia não é quem está soropositivo em tratamento, mas quem está “sorointerrogativo”, ou seja, desconhece a própria sorologia.

Respeito profundamente quem está soropositivo e opta pelo silêncio, diante do estigma e da discriminação, só quem lida diariamente com o HIV conhece as dificuldades. Mas faz parte da minha natureza, hoje mais do que nunca, viver de forma política. O silêncio seria outra sombra, uma forma de morrer sem lutar. É preciso acabar com o tabu, romper com a representação de que o HIV é igual à morte, e garantir ainda mais a cidadania de quem vive com o vírus. Compartilho publicamente o meu diagnóstico porque hoje tenho consciência de que a visibilidade em relação à vivência com o HIV pode modificar minha realidade e, quem sabe, colaborar com aqueles que passam pela mesma experiência.

Fui em busca de referências em livros, blogs e sites (a internet é uma grande aliada) sobre o assunto, para entender como eu deveria me posicionar. Descobri diversas pessoas corajosas, muitas delas anônimas, que formam uma rede de informação e conhecimento. Mas foi no grande sociólogo e escritor Herbert de Souza, o Betinho (1935 – 1997), fundador da ABIA (Associação Brasileira Interdisciplinar de AIDS), que descobri um pensamento fundamental: “Tenho a convicção de que a AIDS, assim como tudo na vida, é um assunto político, e que a política da AIDS tem de ser construída em base à esperança e à coragem”. E fé na vida, eu acrescento.

Estou entre as 734 mil pessoas vivendo com HIV no Brasil (em todo o mundo, a estimativa é de 37 milhões), de acordo com o Ministério da Saúde. Esse vírus há três décadas se espalhou pelo planeta, infectou 60 milhões de pessoas, e causou mais de 30 milhões de mortes, inclusive alguns “irmãos de alma”, a quem admiro:  Henfil (1944 -1988), Lauro Corona (1957 -1989), Cazuza (1958 – 1990), Reinaldo Arenas (1943 – 1990), Nestor Pérlongher (1949 – 1992), Leonilson (1957 – 1993), Caio Fernando Abreu (1948 – 1996), Renato Russo (1960 – 1996) e Al Berto (1948 – 1997).

É notório o progresso no combate a HIV/AIDS no Brasil, e no mundo, mas não quer dizer que a doença esteja sob controle. Mais de 150 mil brasileiros têm o vírus HIV e não sabem, pois não fazem o exame. Ou até fazem o exame, mas não buscam o resultado por medo de encarar a realidade. Há uma crise mundial, muito próxima de todos nós, que tem implicações sociais, culturais, econômicas e morais. O índice de contaminação cresce diariamente entre jovens héteros e gays, infelizmente vivemos uma epidemia crescente e a vulnerabilidade é igual para todos.

Hoje há tratamento, é verdade, o que diminui consideravelmente a mortalidade por AIDS desde sua descoberta em 1981. Afora os efeitos colaterais dos medicamentos, principalmente o preconceito (muitas vezes do próprio portador) – e não o vírus – destrói a autoestima, o afeto e a sexualidade. Temos de lembrar sempre para evitar mais sofrimento: o HIV atinge pessoas de diferentes camadas sociais, gêneros ou religiões, sem distinção.

O mundo precisa de mais solidariedade, nós precisamos de mais amor: pela cura do planeta. Pela força de mudança que se apresenta no mundo, fixo meu olhar no presente e declaro meu apoio aos cidadãos que lutam pelos Direitos Humanos e trabalham por um Brasil mais igualitário, por um futuro com mais SOLIDARIEDADE – “a grande vacina contra a AIDS”, como ensinou o escritor e ativista Herbert Daniel (1946-1992).

O HIV não mais significa uma sentença de morte. As pessoas que vivem com o HIV não estão doentes, convivem com o vírus. Palavras que impõem limites e mudanças profundas – HIV/AIDS – é necessário pronunciá-las e escrevê-las, só assim podemos criar um novo imaginário diferente do estigma associado ao início da epidemia. O fim é o meio. Ou o recomeço.

Com poesia termino essa carta (que comecei a escrever no ano em que descobri estar soropositivo), ingrediente necessário para afastar a morte e todos os seus fantasmas:

Diálogo com William S. Burroughs

ser
extraplanetário
eu sou o outro você

in lak'ech ala k’in
transformo
objeto em sujeito

a linguagem
o verdadeiro
vírus

 
* Por Ramon Nunes Mello, natural de Araruama (RJ) é autor de “Vinis Mofados” (Língua Geral, 2009), “Poemas tirados de notícias de jornal (Móbile Editorial, 2011) e “Há um mar no fundo de cada sonho” – a ser lançado pela Verso Brasil Editora em 2016.

Liga228 situs judi bola merupakan situs judi bola online dengan pasaran terlengkap.

Kunjungi situs judi bola terlengkap dan terupdate seluruh asia.

Situs sbobet resmi terpercaya. Daftar situs slot online gacor resmi terbaik. Agen situs judi bola resmi terpercaya. Situs idn poker online resmi. Agen situs idn poker online resmi terpercaya. Situs idn poker terpercaya.

situs idn poker terbesar di Indonesia.

List website idn poker terbaik.

Game situs slot online resmi

slot hoki terpercaya

slot terbaru

rtp slot gacor

agen sbobet terpercaya

slot online judi bola terpercaya slot online terpercaya judi bola prediksi parlay hari ini

Seu carrinho está vazio.