Notícias

O protagonismo das mulheres nos movimentos sociais [Marcelo Barros]

O protagonismo das mulheres nos movimentos sociais [Marcelo Barros]
As comemorações do dia internacional da mulher nos fazem ver  o papel fundamental das mulheres nos movimentos sociais. O Patriarcalismo está na base de muitos males da sociedade. Por isso, a luta pela igualdade na relação de gêneros e pelos direitos da mulher une a todos, homens e mulheres. No entanto, na maioria dos grupos de base e iniciativas, a liderança é das mulheres. Em todo o Brasil, existe uma centena de organizações e movimentos de mulheres que lutam pela justiça e igualdade.
 
A maioria de mulheres pobres. A Organização das Quebradeiras de Coco e o Movimento de Seringueiras na região amazônica, assim como o Coletivo das Mulheres Negras em defesa da Vida no Sul do Brasil se unem na mesma caminhada. No Movimento de Trabalhadores sem Terra, MST e nas lutas de periferia urbana tem se fortalecido o protagonismo das mulheres. Camila Moraes, 28 anos, gaúcha e jornalista, criadora da revista eletrônica Acho digno retrata lutas como o projeto “Minha mãe não dorme enquanto eu não chegar”, ação direcionada para as mães dos jovens assassinados pela polícia e pelo tráfico nas periferias urbanas. Mulheres jovens, muitas das quais negras de periferia, formam a Frente Nacional das Mulheres do Hip-hop. Na Bahia, se destaca o Instituto Odara, organização cultural de mulheres negras. No Rio e São Paulo, a Articulação de Mulheres Negras Brasileiras (AMNB).
 
Há alguns meses, o governo de São Paulo decidiu fechar várias escolas públicas. Então, jovens e adultos tomaram a iniciativa de ocupar as escolas fechadas. Mulheres negras lideraram as mobilizações e muitas delas sofreram forte repressão policial. No interior do Ceará, a organização de mulheres Pretas Simoa trabalha a diversidade religiosa e contra a discriminação, o fortalecimento da dignidade negra e a defesa de trabalhadoras domésticas. Esse grupo tem o nome de Tia Simoa, mulher que, no século XIX, liderou greves de jangadeiros no Ceará e lutou pela abolição da escravatura.
Só quando sabemos da existência de todos esses movimentos, compreendemos o sucesso da Marcha das Mulheres Negras, realizada em 18 de novembro de 2015, em Brasília. O Le Monde Diplomatique afirmou: “cerca de 50 mil mulheres negras de todo o país ocuparam as ruas da capital para representar com o seu corpo e sua alma os 48, 6 milhões de mulheres negras brasileiras que, segundo o IBGE, constituem cerca de 25, 5% da população brasileira”. Larissa Santiago, integrante do Blogueiras Negras, afirma: “2016 será o ano de refazer os laços entre nós e entre todos que acreditam nas mudanças e na revolução capitaneada pela mulher negra” (Daniela L. da Silva e Juliana C. Nunes, Dandaras rebeladas, in Le Monde Diplomatique Brasil, fev. 2016, pp. 9 – 10).  
Esse protagonismo das mulheres nos movimentos sociais é internacional. Existe a Rede de Mulheres Afro-Latino-americanas do Caribe e da Diáspora. Em maio, na Bahia, a organização internacional AWID (Associação Mulheres e Desenvolvimento) vai promover um fórum com o tema: “Futuros feministas: construindo poder coletivo em prol dos direitos e da justiça”. Na luta pela educação e para garantir pela equidade no mercado de trabalhos, a revista internacional The Economist  considerou a doutora em Psicologia Cida Bento, uma das 50 profissionais mais influentes do mundo no campo da diversidade.
Para as comunidades cristãs, esse dia internacional da mulher ocorre em plena Quaresma e durante a Campanha da Fraternidade Ecumênica sobre o cuidado com a Terra, a Água e o Saneamento Básico. Também nas Igrejas, muitas comunidades são coordenadas por mulheres, mesmo se algumas confissões ainda não se abrem plenamente a essa participação. Quem se deixa guiar pelo Espírito, qualquer que seja a sua tradição religiosa, sabe que a desigualdade ou discriminação, seja de gênero, racial ou social são anti-espirituais. O apóstolo Paulo escreveu: “Judeus e gregos, homens e mulheres, escravos e livres, todos formamos uma unidade e somos iguais em Cristo” (Gl 3, 28)
Nessa semana em que o mundo inteiro celebra a causa da igualdade de gêneros, recordemos o que disse o Dalai Lama: “Todos temos de desenvolver a capacidade de empatia recíproca que, interiormente, cada pessoa possui. É a incapacidade de suportar o sofrimento da outra pessoa. Só a solidariedade compassiva salvará o mundo”. No Brasil, as organizações de mulheres de periferia e movimentos populares nos ensinam isso. Parabéns!
 
   

Liga228 situs judi bola merupakan situs judi bola online dengan pasaran terlengkap.

Kunjungi situs judi bola terlengkap dan terupdate seluruh asia.

Situs sbobet resmi terpercaya. Daftar situs slot online gacor resmi terbaik. Agen situs judi bola resmi terpercaya. Situs idn poker online resmi. Agen situs idn poker online resmi terpercaya. Situs idn poker terpercaya.

situs idn poker terbesar di Indonesia.

List website idn poker terbaik.

Game situs slot online resmi

slot hoki terpercaya

slot terbaru

rtp slot gacor

agen sbobet terpercaya

slot online judi bola terpercaya slot online terpercaya judi bola prediksi parlay hari ini

Seu carrinho está vazio.