Bem vindo(a) ao CEBI ! (51) 3568-2560

Ninguém está seguro até que todas/os estejam seguras/os – por que precisamos de uma resposta global à COVID-19

Ninguém está seguro até que todas/os estejam seguras/os – por que precisamos de uma resposta global à COVID-19
9 de junho de 2021 Comunicação

 

O Arcebispo de Cantuária, o Presidente do CICV (Comitê Internacional da Cruz Vermelha) e os líderes mundiais de fé, saúde e humanitários lançaram um apelo conjunto para a distribuição equitativa das vacinas COVID-19 em todo o mundo.

No dia da abertura da Assembleia Mundial da Saúde, o Arcebispo de Cantuária e o Presidente do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) disseram que os líderes globais devem escolher entre “nacionalismo vacinalista ou solidariedade humana”.

Em uma Declaração conjunta assinada hoje (24 de maio) por lideranças religiosas, da área da saúde e de organizações de ajuda humanitária em nível global, o Arcebispo Justin Welby e o presidente do CICV, Peter Maurer, disseram que a distribuição equitativa das vacinas Covid-19 é um imperativo humanitário.

A declaração é assinada por lideranças cristãs, muçulmanas e judaicas, bem como pelo Comitê Internacional da Cruz Vermelha e pela Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (IFRC); pelo Diretor Geral da OMS, Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus, e pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR). As lideranças religiosas incluem altos representantes de todas as principais denominações cristãs, o Grande Imã de Al-Azhar e o Dr. Azza Karam e o rabino David Rosen de Religiões pela Paz.

A Declaração, que exige a liderança decisiva de países e organizações de todo o mundo, declara: “Há uma escolha. O mundo dos próximos 10 anos pode ser um mundo de maior justiça, abundância e dignidade. Ou pode ser um mundo de conflito, insegurança e pobreza. Estamos em um momento decisivo”.

Os impactos catastróficos da pandemia, combinados com as questões existentes de conflito, desastre e fome, significam que o mundo está enfrentando o desafio de reverter a “dinâmica devastadora”, dizem as lideranças.

“As pessoas não precisam apenas de vacinas – elas precisam ter acesso a profissionais de saúde qualificados e equipados para fornecer apoio médico adequado. Precisamos construir um mundo onde cada comunidade, independentemente de onde vivem ou de quem são, tenha acesso urgente às vacinas: não apenas para a COVID-19, mas também para as muitas outras doenças que continuam a prejudicar e matar. Como a pandemia nos mostrou, em nosso mundo interdependente, ninguém está seguro até que todos estejam seguros”.

A Declaração pede às lideranças mundiais que trabalhem para:

  1. Garantir o acesso equitativo às vacinas tanto dentro dos países como entre eles, fornecendo vacinas e financiamento, assim como compartilhando conhecimento e experiência.
  2. Não deixar ninguém para trás, incluindo as comunidades estigmatizadas e marginalizadas para as quais o acesso à saúde já é um desafio.
  3. Concentrar-se no quadro de saúde mais amplo para populações vulneráveis – para que as pessoas não sejam protegidas da Covid apenas para morrer de pólio.

A declaração na sua íntegra:

A distribuição equitativa de vacinas é um imperativo humanitário.

Há uma escolha. O mundo dos próximos 10 anos pode ser um mundo de maior justiça, abundância e dignidade. Ou pode ser um mundo de conflito, insegurança e pobreza.

Estamos em um momento decisivo. A COVID-19 tem sido uma verdadeira crise global na qual todos nós temos suportado um fardo. Em muitos casos, isto nos levou a refletir sobre aquelas injustiças mais longas que se perpetuaram em partes do mundo onde a pandemia é mais uma camada de miséria, instabilidade e agitação. Estas desigualdades foram expostas e exacerbadas pelo impacto da pandemia, tanto entre os países como dentro de cada país. Os efeitos serão sentidos em escala global nos próximos anos.

O impacto de uma catástrofe como a pandemia COVID-19 é medido na tragédia da perda e morte individual, bem como na perturbação nacional e global de quase todas as partes da vida. Nenhum país do mundo foi intocado.

As variantes do vírus, potencialmente mais infecciosas e resistentes às vacinas, continuarão a nos ameaçar se não forem controladas agora.

Aquelas/es de nós que assinaram esta declaração representam organizações com raízes em comunidades em todo o mundo. Trabalhamos de perto com aquelas/es afetadas/os por conflitos, desastres e fome, e conhecemos os imensos desafios que eles enfrentam – mas também de sua resiliência mesmo nas piores situações.

Em 2021, a economia mundial está enfrentando a pior crise desde 1945. Para alguns países, isto aumentará acentuadamente a pobreza e o sofrimento. Para outros, isso significa fome e morte. As consequências da pandemia estarão conosco por um longo tempo. Haverá um impacto econômico contínuo, com todo o sofrimento humano que isso trará. Uma geração de crianças, especialmente meninas, deixou a escola e não vai voltar.

O mundo está enfrentando o desafio de como reverter estas dinâmicas devastadoras, sendo a saúde uma parte fundamental de tal resposta.  Defendemos aqui a ‘Saúde para Todas/os’, onde a vida de cada pessoa é valorizada e o direito de cada pessoa à saúde é defendido. As pessoas não precisam apenas de vacinas – elas precisam ter acesso a profissionais de saúde que sejam qualificados e equipados para oferecer suporte médico adequado.

Precisamos construir um mundo onde cada comunidade, independentemente de onde vivem ou de quem são, tenha acesso urgente às vacinas: não apenas para a COVID-19, mas também para as muitas outras doenças que continuam a prejudicar e matar. Como a pandemia nos mostrou, em nosso mundo interdependente, ninguém está seguro até que todas/os estejam seguras/os.

Temos uma escolha: o nacionalismo “vacinal” ou a solidariedade humana.

Graças a uma ação internacional eficaz, várias vacinas foram produzidas. A Organização Mundial da Saúde, GAVI (Aliança Global para Vacinas e Imunização) e CEPI (Coalizão para Inovações em Preparação para Epidemias) estão liderando a iniciativa COVAX, que é atualmente o melhor esforço que temos para garantir que as vacinas cheguem às pessoas em todo o mundo. Entretanto, a COVAX pretende cobrir apenas 20% da população mundial – a mais vulnerável dos países de baixa renda – até o final de 2021 e ainda não está claro se ela atingirá esta meta. Enquanto isso, estudos mostram que se nos concentrarmos apenas na vacinação de nossas próprias populações, o mundo corre o risco de perder o PIB global de até US$ 9,2 trilhões (com metade desse custo sendo incorrido por países de alta renda) somente este ano.

Mas não se trata apenas de uma questão de dinheiro. A fim de conseguir uma vacinação global mais ampla, questões complexas de logística, infraestrutura e escalonamento devem ser tratadas. O Acelerador de Acesso às Ferramentas COVID-19 (ACT) está focado em fornecer um meio de acelerar o desenvolvimento, fabricação e distribuição dos produtos de diagnóstico e tratamento COVID-19. O ACT reconhece e tem como objetivo abordar a exigência de compartilhamento de informações – seja sobre tecnologia, propriedade intelectual ou fabricação.

Entretanto, é preciso fazer mais. O compartilhamento de informações, a transferência de tecnologia e o fortalecimento dos processos de fabricação, para citar alguns, exigem o envolvimento ativo dos Estados e do setor privado.

Portanto, pedimos aos líderes mundiais que trabalhem para:

  1. Garantir o acesso equitativo às vacinas entre países, fornecendo vacinas, compartilhando conhecimentos e perícia e financiando totalmente o Acelerador de Acesso às Ferramentas COVID-19 (ACT), que está trabalhando para proporcionar acesso equitativo e implementação do diagnóstico, terapêutica e vacinas COVID-19.
  2. Garantir acesso equitativo às vacinas dentro dos países, assegurando que todos os setores da população sejam incluídos nos programas nacionais de distribuição e vacinação, independentemente de quem são ou onde vivem, incluindo comunidades estigmatizadas e marginalizadas para as quais o acesso à saúde pode não ser simples.
  3. Apoiar os países financeira, política e tecnicamente para garantir que a contenção da COVID-19 não seja um objetivo isolado e, em vez disso, seja um elemento importante de uma estratégia de saúde mais ampla, implementada junto às comunidades para trazer melhorias a longo prazo à saúde das pessoas e ao acesso à saúde. Estamos comprometidos, em nossas diferentes instituições, a oferecer toda a ajuda possível para apoiar as ações das comunidades e autoridades.

Chegou a hora de uma liderança decisiva. Países e organizações em todo o mundo têm uma oportunidade única de abordar a desigualdade global e reverter algumas das consequências do ano passado. Ao fazê-lo, eles trarão esperança não apenas para os mais pobres do mundo, mas para todos nós.

Reverendíssimo Justin Welby, Arcebispo de Cantuária

Peter Maurer, Presidente do Comitê Internacional da Cruz Vermelha

Bispo Ivan M Abrahams, Secretário Geral do Conselho Metodista Mundial

Metropolitano Emmanuel de Calcedônia, Patriarcado Ecumênico

Reverendo Dr. Chris Ferguson, Secretário Geral da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas

Henrietta H. Fore, Diretora Executiva, UNICEF

Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus, Diretor-Geral da OMS

Filippo Grandi, Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados

Reverendo Dr. Martin Junge, Secretário Geral da Federação Luterana Mundial

Dra. Azza Karam, Secretária-Geral, Religiões pela Paz

Francesco Rocca, Presidente da Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho

Rabino David Rosen, Co-Presidente, Religiões pela Paz

Sheikh Ahmed al-Tayeb, O Grande Imã de al-Azhar

Cardeal Peter Turkson, Prefeito do Dicastério para a Promoção do Desenvolvimento Humano Integral, Roma

 

Foto: COVID 19 en Aden, Yemen. (Ph: ICRC)

 

Matéria publicada no site da ALC Notícias: https://alc-noticias.net/bp/2021/06/09/ninguem-esta-seguro-ate-que-todas-os-estejam-seguras-os-por-que-precisamos-de-uma-resposta-global-a-covid-19/