Bem vindo(a) ao CEBI ! (51) 3568-2560

MST lança carta aos candidatos e candidatas às eleições municipais

MST lança carta aos candidatos e candidatas às eleições municipais
29 de outubro de 2020 Comunicação

Da Página do MST

A Carta da Reforma Agrária Popular e os municípios propõe medidas possíveis e necessárias a serem executadas com a força da participação popular

Em tempos de pandemia e campanha eleitoral para eleições municipais, durante a Conferência: “Eleições Municipais e os Desafios da Classe Trabalhadora”, realizada no último dia 22 de outubro, o MST apresentou a Carta da Reforma Agrária Popular e os Municípios com medidas possíveis e necessárias a serem executadas com a força da participação popular.

No documento os Sem Terra defendem o exercício da democracia e política por parte da população dos municípios, buscando pressionar o cobrar dos governos estaduais e federal para que se responsabilizem por assegurar condições de vida digna nos municípios a todo o povo.

A carta indica a necessidade dos governos defenderam a soberania alimentar, enfrentando o problema da fome com o fortalecimento de “programas e políticas públicas que incentivem a produção de alimentos diversos e saudáveis nas áreas da reforma agrária, através do PAA Municipal – Programa de Aquisição de Alimentos e do PNAE – Programa Nacional de Alimentação Escolar”, propõe.

Além da necessidade de arrecadação de terras disponibilizando áreas da União nos municípios, promover a defesa ambiental, o incentivo à cultura, educação, esporte, lazer e saúde, e melhorar a infraestrutura nos acampamentos e assentamentos da Reforma Agrária.

Veja abaixo o documento na íntegra.

 

A Reforma Agrária Popular e os municípios

Carta do MST às candidatas e aos candidatos às eleições municipais

O contexto das eleições de 2020 é marcado por uma profunda crise do sistema do capital, agravada por uma pandemia que já fez milhares de vítimas no Brasil. A situação social do país é grave com 13,8% da população desempregada e cerca de 40 milhões vivendo de bico ou trabalho precário. Segundo o Banco Mundial, o Brasil deve fechar o ano de 2020 com 14,7% de sua população em extrema pobreza.

A partir de 2016, a agenda ultraliberal do golpe, impôs sucessivas retiradas de direitos: a Emenda Constitucional 95 do teto dos gastos, a reforma trabalhista, a volta do Brasil ao mapa da fome, sucateamento dos programas de fortalecimento da agricultura familiar, diminuição de programas de assistência social, redução da oferta de empregos, queda da massa salarial e a reforma da previdência.

Tudo isso tem impacto direto no município e coloca desafios fundamentais para os futuros e futuras prefeitos, prefeitas e para os vereadores e vereadoras.

Diante deste quadro, apresentamos a presente CARTA da REFORMA AGRÁRIA POPULAR e os MUNICÍPIOS com medidas possíveis e necessárias a serem executadas com a força da participação popular, exercendo de forma democrática a política e pressionando os governos estaduais e federal para que se responsabilizem por assegurar condições de vida digna nos municípios para todo o povo.

Soberania Alimentar

  1. Enfrentar o problema da fome, fortalecendo programas e políticas públicas que incentivem a produção de alimentos diversos e saudáveis nas áreas da reforma agrária, através do PAA Municipal – Programa de Aquisição de Alimentos e do PNAE – Programa Nacional de Alimentação Escolar;
  2. Desenvolver políticas de nutrição e alimentação saudável, para diminuir o sobrepeso e a obesidade, causadores de inúmeras doenças. Precisamos de comida de verdade!
  3. Organizar o banco popular de alimentos no município com a participação dos pequenos produtores no abastecimento periódico e na gestão;
  4. Estimular a produção agroecológica, sem o uso de agrotóxicos ou transgênicos, desenvolvendo uma política de fomento, crédito e aquisição de insumos. Combater a pulverização aérea de agrotóxicos como medida fundamental para garantir alimentos saudáveis, preservação dos bens naturais e da saúde humana;
  5. Integrar a politica de reforma agrária com a garantia da irrigação, especialmente na região do semiárido;
  6. Incentivar a formação do COMUSAN ou CONSEAN – Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional. E a construção do Plano de Soberania Alimentar do município;
  7. Criação da Secretaria de Segurança Alimentar e de Agricultura nos municípios e da CAISAN – Câmara Intersecretarial de Segurança Alimentar e Nutricional;
  8. Estimular a criação de frentes ou comissões de soberania alimentar nas Câmaras Municipais, com ampla participação da sociedade;
  9. Garantir redes de comercialização direta dos pequenos produtores com os consumidores, através de cestas, pontos de distribuição e feiras periódicas com caráter educativo sobre nutrição e vida saudável;
  10. Construir agroindústrias dentro das áreas da Reforma Agrária, com pequenas unidades de beneficiamento que possibilitem agregar valor à produção, ampliando a diversidade de produtos e gerando trabalho e renda, principalmente para a juventude e para as mulheres.

Arrecadação de Terras

  1. Disponibilizar áreas do município para formação de Comunas da Terra, com espaço para moradia, produção de alimentos e cultivo de árvores;
  2. Arrecadar áreas da União e do Estado que podem ser solicitadas pelos municípios para o desenvolvimento de projetos sociais de moradia, produção de alimentos e geração de renda;
  3. Destinar projetos públicos de irrigação para a Reforma Agrária, através do repasse do Ministério da Integração – MI para o INCRA – Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária, priorizando os perímetros já ocupados;
  4. Estimular a agricultura periurbana, tendo os agricultores e agricultoras dos acampamentos e assentamentos como agentes populares de hortas, agroflorestas, produção de sementes, construção de viveiros de mudas etc.

Defesa Ambiental

  1. Estimular a formação do CONDEMA – Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente com ativa participação da sociedade e construção do Plano Municipal de Meio Ambiente do município;
  2. Incentivar a agrofloresta como meio de produção de alimentos fartos e diversos, criando sistemas saudáveis de equilíbrio com a natureza;
  3. Estruturar viveiros nas áreas da reforma agrária e parcerias com hortos municipais, para ampla distribuição de mudas de árvores para as populações urbanas, especialmente das periferias.

Cultura, Educação, esporte, Lazer e Saúde

  1. Incentivar a educação do campo e o direito das crianças, adolescentes e jovens de estudarem próximos de suas moradias e dentro de sua realidade. Não fechar nenhuma escola do campo e construir escolas onde for necessário nas áreas da educação infantil, Básica e EJA – Educação de Jovens e Adultos;
  2. Organizar bibliotecas populares, espaços de cultura com diferentes linguagens artísticas, centros de esporte e lazer dentro dos acampamentos, assentamentos e também nas periferias urbanas;
  3. Apoiar a montagem e funcionamento das rádios populares, rádios postes, jornais impressos, jornais murais que estimulem a comunicação e o acesso à informação;
  4. Estimular processos de formação e capacitação em soberania alimentar, alimentação saudável e defesa popular da natureza contra as mudanças climáticas;
  5. Efetivar a construção de unidades de saúde nas áreas da Reforma Agrária, implantação do PSF – Programa Saúde da Família e incentivo ao cultivo e manipulação de ervas medicinais e condimentares;
  6. Estruturação de políticas e programas de enfrentamento à violência doméstica, especialmente contra crianças, mulheres, LGBTs – Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros e vulneráveis, voltado para a realidade do campo.

Infraestrutura

  • Melhoria e manutenção de pontes e estradas dos acampamentos e assentamentos possibilitando a circulação de pessoas, veículos, transporte escolar, e de escoamento da produção, com pavimentação dos trechos mais críticos;
  • Garantir do acesso à água potável nas áreas da Reforma Agrária para consumo humano, redes de distribuição onde for possível e busca de soluções para captação e armazenamento de água para irrigação;
  • Construção de espaços coletivos nas áreas da Reforma Agrária, tais como praças, bosques, quadras poliesportiva e academia ao ar livre;
  • Disponibilizar Internet em espaços públicos proporcionando o acesso às comunidades do campo, historicamente inviabilizadas do direito à comunicação.

O Projeto de Lei Orçamentária Anual – PLOA 2021 enviado ao congresso pelo governo Bolsonaro, traz um corte de 42% nas áreas de Saúde, Educação, Assistência Social e Segurança Alimentar. Essas importantes áreas, necessitam de pelo menos R$ 665 bilhões de Reais e o governo reduziu isso no projeto a R$ 374,5 bilhões, o que deve causar forte impacto nos municípios.

Vivemos tempos difíceis, mas com organização popular e força política dos setores democráticos da nossa sociedade, certamente podemos mudar essa situação. Por isso, contamos com vocês para que exerçam a disputa institucional como trincheira de luta e compromisso com a classe trabalhadora de forma ética e militante.

Vamos à luta, a vitória do povo vai triunfar! Derrotaremos o bolsonarismo nas ruas e nas urnas, sempre, sempre, sempre!!

Brasil, 22 de outubro de 2020

Conferência Reflexões em Tempos de Pandemia. Tema: Eleições Municipais e os Desafios da Classe Trabalhadora

 

*Editado por Solange Engelmann

Liga228 situs judi bola merupakan situs judi bola online dengan pasaran terlengkap.

Kunjungi situs judi bola terlengkap dan terupdate seluruh asia.

Situs sbobet resmi terpercaya. Daftar situs slot online gacor resmi terbaik. Agen situs judi bola resmi terpercaya. Situs idn poker online resmi. Agen situs idn poker online resmi terpercaya. Situs idn poker terpercaya.

situs idn poker terbesar di Indonesia.

List website idn poker terbaik.

Game situs slot online resmi

slot hoki terpercaya

slot terbaru

rtp slot gacor

agen sbobet terpercaya

slot online judi bola terpercaya slot online terpercaya judi bola prediksi parlay hari ini