Notícias

Ministro do STF determina liberdade de presos em 2ª instância; Lula pode ser solto

por Redação de Brasil de Fato*

Decisão de Marco Aurélio Mello atendeu pedido do Partido Comunista do Brasil e pode beneficiar milhares de presos

Na tarde desta quarta-feira (19), o ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), publicou uma decisão informando a soltura de todos os presos que estão detidos por condenações em segunda instância.

De caráter provisório, a decisão partiu de um pedido do Partido Comunista do Brasil (PCdoB) e pode ser usada no caso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que aguarda seu julgamento nos tribunais superiores.

“Restabeleceu-se o devido processo legal. Ou seja, o ministro Marco Aurélio dá uma decisão liminar de liberar os detidos presos a partir de decisão em segunda instância que não se enquadrem nas questões especialíssimas do código penal e isso atinge o presidente Lula. Foi restabelecida a determinação constitucional”, comentou a presidenta nacional do PT, Gleisi Hoffmann.

Defesa de Lula entra com pedido de soltura

Às 14h48 desta quarta-feira, a defesa de Lula entrou com um pedido na Justiça requerendo a liberdade do ex-presidente, que cumpre, desde abril deste ano, pena de 12 anos e um mês de prisão pela condenação em segunda instância do caso do triplex em Guarujá (SP).

“Nós estamos fazendo os procedimentos que devem ser feitos junto à execução penal. Os advogados do presidente estão providenciando e nós achamos que é uma questão de tempo a sua liberação”, informou Hoffmann.

Ela também disse que, apesar de ser a decisão de um ministro, é uma “decisão da última instância do Judiciário”, que remeteu a decisão ao próprio plenário do Supremo, que deverá fazer a discussão do mérito da decisão ou revisão da liminar. No entanto, o STF está em seu último dia de funcionamento antes do recesso e não há previsão de uma nova reunião do plenário em 2018. “Portanto, nós acreditamos que o presidente Lula é alcançado por essa decisão, restabelecendo-se a justiça”.

PGR se posiciona

Em nota, Raquel Dodge, procuradora-geral da República, disse que a prisão após condenação em segunda instância é constitucional e irá procurar formas de reverter a decisão:

“Embora ainda não tenha sido intimada da decisão, a procuradora-geral já analisa, juntamente com a equipe, as medidas judiciais cabíveis. A procuradora-geral destaca que o início do cumprimento da pena após decisões de cortes recursais é compatível com a Constituição Federal, além de garantir efetividade ao Direito Penal e contribuir para o fim da impunidade e para assegurar a credibilidade das instituições, conforme já sustentou no STF”, afirma a nota.

#LULALIVRE

#LULALIVREHOJE

Publicado originalmente por Brasil de Fato.

situs judi bola AgenCuan merupakan slot luar negeri yang sudah memiliki beberapa member aktif yang selalu bermain slot online 24 jam, hanya daftar slot gacor bisa dapatkan semua jenis taruhan online uang asli. idn poker slot pro thailand

Seu carrinho está vazio.

mersin eskort
×