Bem vindo(a) ao CEBI ! (51) 3568-2560

Indígenas pedem boicote à agricultura ‘manchada de sangue’

Indígenas pedem boicote à agricultura ‘manchada de sangue’
30 de outubro de 2015 Centro de Estudos Bíblicos
"Estados Unidos, Ásia e Europa devem saber que parte da soja, da carne e do açúcar que lhes chega está manchada de sangue de crianças indígenas. Continuar consumindo é estimular mais crimes contra nossos povos", disse à Agence France-Presse – AFP Lindomar Terena, coordenador de Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB).

O pedido de boicote, lançado há alguns dias, vem de seis povos indígenas. Há o apoio de movimentos sociais, sindicatos e da Igreja brasileira, assim como da Anistia Internacional.

Os nativos pedem aos compradores estrangeiros que deixem de adquirir – através de gigantes brasileiros como JBS, Marfrig, Bunge e ADM – os produtos agrícolas do Mato Grosso do Sul.

Procuradas pela AFP, essas empresas não deram declarações.

Essa região, na fronteira com o Paraguai, é cenário de um conflito mortal entre os indígenas – particularmente guaranis – e os agricultores.

Algumas plantações e pastos foram reconhecidos como terras indígenas, mas a justiça demora em reintegrá-las às tribos.

Condenados a viver em estradas ou em bairros marginais, alguns indígenas decidiram reocupar os territórios, aumentando a tensão.

Em 2014, houve mais de 40 assassinatos de indígenas no Mato Grosso do Sul, segundo dados da CIMI, uma ONG que denuncia o genocídio. A última morte, de um jovem líder guarani, aconteceu em agosto deste ano.

Além dos homicídios, a taxa de suicídio dessa população é a mais alta do mundo, de acordo com a ONG Survival International: 232 para cada 100.000 habitantes em 2013.

A convocatória de um boicote internacional preocupa os agricultores da região, cuja riqueza se sustenta pelas exportações.

"É uma iniciativa completamente ridícula. Os indígenas estão sendo manipulados com o objetivo de enfraquecer nossa economia", denunciou à AFP Mara Caseiro, deputada local e filha de agricultores.

"Não existem capangas enviados pelos produtores; não há ataques contra as comunidades indígenas. Há entradas ilegais às propriedades privadas, o que gera conflitos", acrescentou.

"Doer no bolso". Elpidio Guaraní decidiu em agosto, junto com outros habitantes, reocupar uma parte de uma propriedade. O julgamento sobre o estatuto dessa terra está suspenso desde 2013.

"Você vê essa cicatriz? Uma bala me atravessou o quadril em um ataque em setembro. Sei que a ordem veio de um produtor da região", contou no início de outubro em uma faculdade do Rio de Janeiro, onde buscava apoio para sua causa.

Outros porta-vozes indígenas viajaram para transmitir o o pedido de boicote à Alemanha, França e a Organização dos Estados Americanos (OEA), em Washington.

"Contamos com a opinião internacional, porque aqui o governo não tem a menor vontade de acabar com essa insegurança jurídica sobre as terras indígenas", disse Lindomar Terena.

"Qualquer tentativa de diálogo com a agroindústria, fracassa. A única solução é doer no bolso", acrescenta Edmilson Schinelo, do CEBI (Centro de Estudos Bíblicos) e um dos articuladores da campanha no Brasil.

O estado do Mato Grosso do Sul é um importante produtor de soja, milho, cana e carne. Exporta principalmente para China, Itália, Argentina e Holanda.