Bem vindo(a) ao CEBI ! (51) 3568-2560

É pela perseverança que mantereis vossas vidas (Lc 21,5-19) Ildo Bohn Gass

É pela perseverança que mantereis vossas vidas (Lc 21
É pela perseverança que mantereis vossas vidas (Lc 21,5-19) Ildo Bohn Gass
12 de novembro de 2013 Centro de Estudos Bíblicos

                     Ildo Bohn Gass é biblista do CEBI. É autor de "Satanás e os demônios na Bíblia".

 

O pano de fundo

Hoje, sabemos que o evangelho segundo Lucas foi escrito na última década do primeiro século. Nessa época, a guerra de luta pela liberdade por parte da nação judaica diante da ocupação romana já havia acontecido fazia mais de 30 anos (66-70 d.C.): "Quando ouvirdes falar de guerras e subversões, não vos atemorizeis, pois é preciso que primeiro aconteça isso. Mas não será logo o fim. Levantar-se-á nação contra nação, reino contra reino" (21,9-10).

Também o templo já se encontrava em ruínas, uma vez que fora destruído sob o comando do general romano Tito em 70 d.C.: "Dias virão em que não ficará pedra sobre pedra que não seja demolida" (21,6).

Igualmente, já era uma realidade a perseguição a Jesus e às lideranças das comunidades por parte dos romanos, através de seus poderes dependentes na Palestina ou diretamente pelos imperadores Nero em Roma (54-68 d.C.) e Domiciano em todo o império (81-96 d.C.).

Da mesma forma, autoridades de sinagogas perseguiam e expulsavam judeus que haviam aderido a Jesus: "Hão de vos prender, de vos perseguir, de vos entregar às sinagogas e às prisões, de vos conduzir a reis e governadores por causa do meu nome" (21,12).

Além disso, o evangelista recorda a crise que a boa-nova de Jesus gerou nas famílias especialmente judaicas. As pessoas que aderiam às comunidades eram "traídas pelo próprio pai e pela mãe, irmãos, parentes e amigos", gerando mortes e ódio (21,16-17).

A isso ainda se pode acrescentar que, no início dos anos 60, houve dois fortes terremotos no império romano. Um foi em 61 d.C. em Laodiceia, no oeste da atual Turquia. O outro foi em 62 d.C. na região de Pompeia, na Itália. O texto de Lucas também se refere a esses acontecimentos trágicos: "E haverá grandes terremotos" (21,10).

Todos esses fatos servem de pano de fundo para nossa narrativa. Eles são relidos fundamentalmente em duas perspectivas. Uma é a partir da experiência com Jesus de Nazaré, inserindo em sua profecia o anúncio desses acontecimentos. Dessa forma, os autores do evangelho retroagem esses fatos até a época de Jesus. A outra é a não realização da expectativa da parousia (presença, chegada) iminente de Jesus, como se esperava. Esta narrativa é uma advertência às comunidades para não se deixarem enganar, pois muitos viriam anunciando a proximidade da chegada de Jesus ou, até mesmo, se apresentando como a presença dele (21,8-9).

 

Jesus denuncia o sistema injusto do templo e anuncia o seu fim (21,5-6)

Nosso texto para reflexão na liturgia deste final de semana situa Jesus em Jerusalém nos dias que precedem a sua violenta morte imposta a ele por ser fiel ao Pai no anúncio de uma boa-nova aos pobres (4,18-19). E, no templo, Jesus presencia o gesto mais divino que há sobre a face da terra, isto é, a partilha protagonizada pela viúva pobre. Sua atitude é a única coisa boa que Jesus encontrou no templo de Jerusalém. E se encanta com esse gesto de uma mulher tão vulnerável e empobrecida (21,1-4).

Outro é o motivo de admiração dos discípulos. Maravilhavam-se pelas valorosas ofertas para pagar promessas e pelas impressionantes pedras com que estava construído o templo (21,5-6). Para a surpresa deles, Jesus denuncia a injustiça desse centro religioso, político e econômico da Judeia.  É o que ele deixou bem claro ao, "entrando no templo, expulsar os vendedores, dizendo-lhes: está escrito: minha casa será uma casa de oração. Vós, porém, fizestes dela um covil de ladrões" (19,45-46; cf. Isaías 56,7; Jeremias 7,11). Ao mesmo tempo, Jesus anuncia o fim dessa instituição, pois "dias virão em que não ficará pedra sobre pedra que não seja demolida" (21,6).

Nesse sentido, ao inserir-se na linha profética, Jesus se antecipa a Marx na crítica à religião quando esta serve como fonte de injustiça, de alienação e de ópio para povo. O papel do templo é promover vida, é ser lugar de encontro com Deus como casa do Pai (2,49). Jesus mesmo é esse lugar em que o divino se humaniza e o humano é divinizado. Para as comunidades cristãs, partindo do fato histórico da destruição do templo, referem-se ao Antigo Israel como quem abandonou a Aliança, dando lugar à boa-nova do reinado de Deus vivido pelas comunidades, e que são o Novo Israel. Agora, a referência fundamental não é mais o templo, mas a pessoa de Jesus.

 

Discernir, ter coragem, testemunhar com sabedoria e perseverar (21,7-19)

Depois que Jesus apresenta seu projeto em relação ao templo, os discípulos perguntam a respeito da época em que isso deveria acontecer e do sinal que viria antes. Mais do que responder às perguntas, Jesus convida ao discernimento, ao testemunho e à perseverança.

Diante da insegurança dos conflitos acima lembrados, o evangelho quer animar e confortar, orientar e advertir as comunidades, dizendo que a destruição de Jerusalém e do templo ainda não é o fim deste mundo injusto (21,9).

Desse modo, ainda é preciso discernimento: "Atenção para não serdes enganados" (21,8). E mais, é preciso ter coragem, superar o medo: "Não vos atemorizeis!" (21,9). Além das guerras (21,9-10), o evangelista lembra também, em linguagem apocalíptica, os abalos cósmicos. Embora os terremotos, as pestes e a fome fossem realidades históricas, aqui também são citados junto com "fenômenos pavorosos e grandes sinais vindos do céu" (21,11). Essa linguagem apocalíptica é comum para se referir a uma realidade nova que está por vir, totalmente diferente da violência das guerras e da ocupação das colônias pelo império colonialista de Roma. E essa nova realidade já está sendo gestada nas relações de justiça vividas nas comunidades.

Em meio às perseguições, é preciso continuar dando testemunho e reafirmando a fé, mesmo que isso leve ao martírio. Em grego, a palavra que traduzimos por testemunho é martiría (21,13). Nesse testemunho, as comunidades não estão sós, pois o Espírito de Jesus ressuscitado está com elas, de modo que possam resistir com sabedoria e eloquência (21,14-15).

Discípulas e discípulos de Jesus não devem deixar-se enganar, mas perseverar, pois "é pela perseverança que mantereis vossas vidas" (21,19). As comunidades esperam, confiam e perseveram com fé na vitória de Deus. Perseverar não é aguardar de braços cruzados, mas engajar-se na superação de todas as forças do mal, resistindo com sabedoria e já vivendo hoje as relações que esperamos para todo o mundo amanhã.

Senhor, ajuda-nos no discernimento dos teus sinais em nossos tempos, para não sermos enganados por tantas mentiras e ilusões. Dá-nos coragem, ó Deus, para testemunharmos teu amor diante de tanta violência, muitas vezes legitimada em teu nome. Concede-nos sabedoria para seguirmos com perseverança no cuidado da vida. Amém!

Liga228 situs judi bola merupakan situs judi bola online dengan pasaran terlengkap.

Kunjungi situs judi bola terlengkap dan terupdate seluruh asia.

Situs sbobet resmi terpercaya. Daftar situs slot online gacor resmi terbaik. Agen situs judi bola resmi terpercaya. Situs idn poker online resmi. Agen situs idn poker online resmi terpercaya. Situs idn poker terpercaya.

situs idn poker terbesar di Indonesia.

List website idn poker terbaik.

Game situs slot online resmi

slot hoki terpercaya

slot terbaru

rtp slot gacor

agen sbobet terpercaya

slot online judi bola terpercaya slot online terpercaya judi bola prediksi parlay hari ini