Notícias

Carta Aberta: Pela promoção da paz e respeito às comunidades indígenas

Carta Aberta: Pela promoção da paz e respeito às comunidades indígenas
O Conselho de Missão entre Povos Indígenas (Comin), o Conselho de Igrejas Cristãs do Brasil (Conic) e a Fundação Luterana de Diaconia (FLD) reiteram a sua disposição e compromisso de solidariedade aos povos e comunidades indígenas, no convívio de justiça, paz e respeito entre as diferentes culturas e etnias. Repudiam a situação de violência e conflito que envolve as comunidades indígenas no Mato Grosso do Sul, bem como no Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Bahia, em decorrência do direito territorial indígena.

As situações de violência e de conflitos incidentes em relação às comunidades indígenas no Brasil se intensificaram no último período histórico. Recentemente, o conflito entre comunidades Guarani-Kaiowá e produtores agrícolas no estado do Mato Grosso do Sul se destacou no noticiário e mídias. Tal situação decorre do processo histórico de esbulho territorial e invisibilização social a que estas comunidades estão submetidas. O mesmo ocorre em outras regiões e localidades brasileiras.

O estímulo à política econômica desenvolvimentista, sobretudo no setor agropecuário, pelas recentes ações governamentais, proporcionou o interesse mercantilista e predatório, que resultou no ressurgimento da percepção de que as comunidades e povos indígenas devem ser suplantados ou restringidos em seus direitos territoriais, concepção e modo de vida e ocupação territorial. De modo geral, cresce a opinião de que tais percepções de viver e o direito consuetudinário indígena sejam incompatíveis com o desenvolvimento econômico e organização sócio-política brasileira.

A restrição de direitos é colocada também pelas diversas proposições legislativas de alteração dos direitos constitucionais (federal e estaduais), bem como pelas convenções, declarações e regulamentações internacionais, da qual o Brasil é signatário. As proposições legislativas visam restringir ou anular o direito de demarcação e proteção dos espaços territoriais de ocupação e uso tradicional indígena, e também de outras comunidades tradicionais, dentre elas quilombolas, ribeirinhos, faxinais, caboclos, sertanejos, pescadores artesanais. Proposições como a PEC 215, PLP 227, Portaria 303/AGU, PEC 237, PL 1610/96, PL 31/RS, e outras, evidenciam o retrocesso legal que se impõe às comunidades indígenas, que ainda se mobilizam para assegurar os direitos de autonomia, autodeterminação e diferenciados, estabelecidos pela Constituição Federal de 1988.

No âmbito do sistema da Justiça Federal, as recentes decisões às ações contrárias aos processos demarcatórios desrespeitam a Constituição Federal, que, através dos artigos 231 e 232, garante o reconhecimento da terra tradicionalmente ocupada pelos povos indígenas. As decisões da Justiça Federal apresentam uma reinterpretação fundamentalista e radicalmente restritiva, ao estabelecer o instituto do ‘marco temporal’. Tais decisões judiciais imputam às comunidades indígenas uma situação equivocada, pois exige uma condição de sujeito de direito mesmo quando a legislação e o Estado às imputavam à tutela. O regime da tutela, que incidiu sobre as comunidades indígenas, também foi associado à intenção deliberada da integração forçada à sociedade nacional. Ambos, o regime da tutela e a política da integração dos povos indígenas, estão registrados no Relatório Figueiredo; no Relatório da Comissão Nacional da Verdade (CNV); pelo filme-documentário: Índios – Memórias de uma CPI; e pelo Relatório da CPI-ALERGS, sobre a reforma agrária no estado do Rio Grande do Sul (década de 1960).

Recentemente, lideranças indígenas no Brasil pediram aos governos europeus, estadounidense e japonês para que embarguem importações de produtos do agronegócio brasileiro, pois, em sua visão, esta expansão é uma das responsáveis pelas violências cometidas contra os direitos indígenas. Para além da incitação e promoção da violência, reiteram a prática de discursos ilegais e criminosos, na intenção de convencer a opinião pública e justificar as ações violentas cometidas contra as comunidades indígenas.

O Conselho de Missão entre Povos Indígenas (Comin), o Conselho de Igrejas Cristãs do Brasil (Conic) e a Fundação Luterana de Diaconia (FLD) reiteram a sua disposição e compromisso de solidariedade aos povos e comunidades indígenas, no convívio de justiça, paz e respeito entre as diferentes culturas e etnias. Repudia a situação de violência e conflito que envolve as comunidades indígenas no Mato Grosso do Sul, bem como no Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Bahia, em decorrência do direito territorial indígena. Convida a sociedade brasileira a persistir no propósito da Constituinte Federal de 1988, em estabelecer as diretrizes para uma sociedade plural e multiétnica. O convívio pacífico se nutre da disposição ao diálogo, em reconhecer os processos históricos afetos a cada grupo, aos diferentes jeitos de viver e ver o mundo.

Foto: Comunidade Kaingang Sen'gu, Constantina (RS)/Sandro Luckmann 2012

Liga228 situs judi bola merupakan situs judi bola online dengan pasaran terlengkap.

Kunjungi situs judi bola terlengkap dan terupdate seluruh asia.

Situs sbobet resmi terpercaya. Daftar situs slot online gacor resmi terbaik. Agen situs judi bola resmi terpercaya. Situs idn poker online resmi. Agen situs idn poker online resmi terpercaya. Situs idn poker terpercaya.

situs idn poker terbesar di Indonesia.

List website idn poker terbaik.

Game situs slot online resmi

slot hoki terpercaya

slot terbaru

rtp slot gacor

agen sbobet terpercaya

slot online judi bola terpercaya slot online terpercaya judi bola prediksi parlay hari ini

Seu carrinho está vazio.