Notícias

A Tertúlia de Ana Júlia – Um Olhar Teológico [João Santiago]

A Tertúlia de Ana Júlia – Um Olhar Teológico [João Santiago]
Assisti com um misto de encanto espanto e prazer o amoroso, indignado e verdadeiro discurso da adolescente Ana Júlia, de 16 anos, na tribuna da Assembleia Legislativa do Paraná. Ela nos proporcionou uma Tertúlia juvenil e alvissareira, ao resgatar em grande parte, a dignidade humana, manchada pela desmoralização da política, dos políticos e dos partidos. Para desmoralizar um partido que insistia em ser diferente, os que têm as mãos sujas de sangue se uniram e feriram de morte a democracia brasileira e as instituições, políticas, judiciárias e legislativas.
 
 
Patrocinada pela demoníaca grande mídia e abençoada pelo seletivo judiciário brasileiro. Com a sua autoridade e coerência, pois estava com o uniforme do seu colégio, Ana Júlia é uma profetiza. Mas, sobretudo com a clareza de ideias, Ana Júlia rearrumou o desarrumado habitáculo de educadores e educadoras. Pronunciou o mais belo discurso político dos últimos tempos. Um dos mais belos que eu já vi. Belo porque bom, por isso, bom e belo. Diante da irresponsabilidade do governo estadual do Paraná, e do arranjo maligno nacional que ocupa o lugar reservado ao governo federal. Era visivelmente chocante o olhar de paisagem arrasada de parte do agrupamento de amigos que legitima a barbárie ética e moral da chamada casa das leis e casa do povo. Bastou o povo enviar uma menina, com caráter e postura de mulher, e dizer livremente a sua palavra, para cair a máscara da desfaçatez dessa pseudodemocracia que são os partidos políticos e suas representações nas Assembleias Legislativas e Câmaras de vereadores. Com raríssimas e honrosas exceções, Claro. Eu pude ver algumas destas exceções.

Sim, aquela era uma sessão com pouca participação e o tema interessava a poucos. O ranço da Casa Grande e o vírus cruel do machismo branco e de posses, e a aberração da prepotência não aguentaram nem cinco minutos de verdade verdadeira. Como dizia minha avó, a verdade dói. Logo se viu o primeiro passo dos tiranos. Que é a ameaça. Logo se empunhou a arma da hipocrisia, que são os miseráveis regimentos, feitos para blindar os que mandam e punir os mandados que não obedecem. “Eu vou cortar o microfone! Eu vou encerrar a sessão se vocês continuarem se manifestando”. Disse o representante do Estado sem nem mesmo olhar as próprias mãos. Eles não questionaram o fato de serem chamados de representantes do Estado.

 
A Casa Grande costuma dá quatro passos: a) ameaçar, fazendo tortura psicológica; b) desmoralizar publicamente; c) prender para amedrontar; e d) por fim, quando o teimoso não se rende, eliminar. Felizmente, dessa vez, apesar de vivermos na teoria o estado de direito e na prática o estado de exceção, por enquanto ficou no primeiro passo. Vivemos no Brasil a expressão jurídica chamada de Super Regra, quando a Constituição fica em segundo plano, dando primazia à vontade do ditador e dos interesses de seu grupo. Apesar de estarmos no Paraná, diante da legislatura que será lembrada na história como a “Bancada do Camburão”.
 
Diga-se de passagem, que a menina é muito inteligente! Pediu desculpas e alimentou o ego do opressor, massageando-o. Ganhou tempo e concluiu o seu discurso. Ana Júlia ensinou para todos os brasileiros e brasileiras, o que é liberdade. Sua palavra trazia o sabor, o som e a expressão da liberdade. A verdade tem essa marca teológico-profética forte de libertar os humildes e enfurecer os insanos. Já foi assim com Herodes Magnos que não suportou a verdade de um menino e também cometeu violência. E o governador Pôncio Pilatos também. O sacerdote Caifás, igualmente, fazendo uma interpretação ao pé da letra, classificou a verdade de blasfêmia.

Ana Júlia me fez lembrar com o seu carisma de líder, Hortência, nossa campeã olímpica de basquete. A Rainha Hortência. Aquela respirada profunda antes de arremessar para a cesta é a mesma de Ana Júlia ao reiniciar a próxima frase e elaborar o próximo raciocino. Cesta para a democracia! Cesta para os insubmissos adolescentes e jovens brasileiros. São muitas as mulheres anônimas e subversivas que não se rendem às ameaças regimentais e legalistas. Pude conhecer e conviver e aprender com muitas. Entre elas estão, Janeide Lavor e Ozélia da Silva em Manaus, Valtânia Moura em Picos no Piauí, Ednalva Costa em Teresina e Rosinha Pereira em Pedro II, também no Piauí. Débora Sampaius em Imperatriz no Maranhão. Em Curitiba, no meio familiar posso destacar Lourença Santiago, Claudiana Barreto e Valdevânia de Assis. São mulheres que desde meninas trazem essa estranha marca de ter fé na vida. Como Ana Júlia e sua companheira de fé, Nicole, ambas são símbolos de uma geração de jovens que ocupam mais mil escolas no Brasil.

 
Tendo que suportar durante as madrugadas o terror de um grupo de vândalos de extrema direita que se intitulam Movimento Brasil Livre, com fortes indícios de financiamento por parte de governos e parlamentares reacionários. Tudo isso sob o olhar míope ou cúmplice das autoridades, sejam judiciárias, legislativas ou executivas. E que gostam de criar terror e quebrar tudo nas manifestações pacíficas para incriminar os movimentos sociais.

Muitas mulheres fizeram proezas na Bíblia, é certo que nem sempre mostradas. Muitas vezes, na maioria delas, mudas, sem dizerem uma palavra. Duas de forma especial, Ester e Judite, enfrentaram e venceram os sistemas opressores de seus tempos. Libertaram seus povos das garras da opressão e do inferno da submissão. Para a Assembleia Legislativa o que interessa é cumprir o regimento que blinda seus membros preservando o “Poder” de dominar, de desligar o microfone e de encerrar a sessão. De fazer o que quiser, na verdade. Para Ana Júlia, para Nicole e para o movimento estudantil o que interessa é a educação de qualidade, a escola como lugar de aprender e não de ser humilhada. A educação como prática da liberdade, diria o mestre e humanista Paulo Freire. Nas palavras de Sandro Gallazzi “Oque importa a Assuero é o poder; o que importa a Ester é o povo. Ester só é feliz se o povo estiver feliz” (GALLAZZI, 1987, p 73). O movimento estudantil está revivendo as palavras de um mestre que também foi jovem, insubmisso e rebelde e que disse, “Se eles calarem as pedras gritarão” (Lucas 19 40).

Os opressores, dominadores e algozes dos pobres jamais entenderam como alguém pode amar algo que não seja o dinheiro e o poder. As expressões dos deputados diziam isso. Pareciam dizer que eles não acreditavam em tal possibilidade. Porém, são os pobres, vivendo na pobreza, que aprendem por necessidade, o valor da solidariedade, da partilha e do companheirismo. Essa é a escola das meninas e mulheres citadas aqui. Quem se refugia por de trás das leis de própria autoria, dos regimentos que lhes garantem a zona de conforto da imunidade, no mínimo o famigerado fórum privilegiado, não pode entender esses valores. Como Ester, Ana Júlia foi não apenas a primeira mulher, mas a primeira pessoa a usar a tribuna do palácio do poder, sem está investida de um cargo eletivo e sem a humilhante submissão. Para o Estado que persegue e violenta os professores e as professoras, de quem Ana Júlia disse com rebeldia e segurança que os deputados são representantes, que incrimina os movimentos sociais, fica uma verdade, “A presença de uma perseguição violenta é já o sinal da derrota do perseguidor” (GALLAZZI, 1987, p 123). O faraó de nosso Estado pensa que é Deus, mas como aquele antepassado distante seu que mandava matar crianças, há de suportar as pragas que merece.

Judite também assumiu o protagonismo da história de libertação de seu povo. Falou a sua palavra, trouxe os homens para a sua casa, eles vieram, a casa é da mulher. “Judite toma a iniciativa de convocar para sua casa os encontros de Betúlia” (GALLAZZO, 2001, p 82). Assim, Judite traz presente a memória de muitas outras mulheres. Continua Sandro Gallazzi, “A “casa da mulher” passa a ser o epicentro de tudo o que vai acontecer. Repete-se aqui também, uma das características da literatura “alternativa” do pós-exílio. Foi assim na história de Rute, cujo centro é a casa de Noemi; foi assim com os “aposentos da rainha Ester”. (ibidem). O que temos é o sinal de um novo tempo. A grande mídia, que hoje faz o papel de gigolô, que explora, prostitui e condena. Diz que as eleições foram u não ao PT. Será? Muitas mentes doentes atribuíram ao PT às ocupações das escolas. Quem me dera, que o PT tivesse feito um trabalho de base com essa juventude da geração “barriga cheia” e que conheceu o caminho da universidade. Quem me dera o PT tivesse sido capaz de formar estudantes conscientes o suficiente para ocuparem as suas escolas, exigindo respeito e dignidade. Ana Júlia, que o Deus de Judite, de Ester, de Rute e de tantas Marias, te proteja e te ilumine.

Curitiba, 31 de Outubro de 2016.

*Por João Santiago. Teólogo, Poeta e Militante. É Mestre em Teologia e Especialista em Assessoria Bíblica.

Liga228 situs judi bola merupakan situs judi bola online dengan pasaran terlengkap.

Kunjungi situs judi bola terlengkap dan terupdate seluruh asia.

Situs sbobet resmi terpercaya. Daftar situs slot online gacor resmi terbaik. Agen situs judi bola resmi terpercaya. Situs idn poker online resmi. Agen situs idn poker online resmi terpercaya. Situs idn poker terpercaya.

situs idn poker terbesar di Indonesia.

List website idn poker terbaik.

Game situs slot online resmi

slot hoki terpercaya

slot terbaru

rtp slot gacor

agen sbobet terpercaya

slot online judi bola terpercaya slot online terpercaya judi bola prediksi parlay hari ini

Seu carrinho está vazio.

×