Bem vindo(a) ao CEBI ! (51) 3568-2560

CEBI-RS Não em meu nome … seja lá qual for!

CEBI-RS Não em meu nome … seja lá qual for!
30 de maio de 2016 Centro de Estudos Bíblicos
CEBI-RS Não em meu nome ... seja lá qual for!
Até que ponto é permitido reproduzir ou anular expressões culturais, políticas ou sociais de outrem? Será sempre necessária a prévia autorização? Ou, no caso da anulação, declaração de incapaz? E se forem coletivas? Quem tem o poder de validar ou invalidar as manifestações de uma comunidade?
Em São Leopoldo, região metropolitana de Porto Alegre, membros das CEBs e da Pastoral da Juventude da paróquia Santo Inácio saíram na fria madrugada de inverno gaúcho da última quinta-feira (26/05/2016) para fazer o tapete de Corpus Christi, tradicional na cultura católica romana. Ato piedoso e digno de simples menção, entre tantas comuns a essa data, não fosse a ousada iniciativa do grupo. Para denunciar o golpe em marcha no país, eles produziram a arte abaixo:
 
Dentro de um mundo plural (católico = universal), nada mais profético. Porém, outros membros da mesma paróquia consideraram prudente silenciar o protesto, apagando-o e escrevendo "luz" por cima dele:
 
Foto: Jéssica F. Gonçalves/Tiago Greff
O tapete conduzia à porta da Igreja central do município (N. Sra. Da Conceição). Poucas horas depois, um dos responsáveis assumiu a autoria pela internet: “Apenas queria deixar claro que isso (essas imagens) foi feito sem autorização. Por isso peço que não vinculem com a paróquia. Nos mantemos neutros quanto a opiniões sobre esse assunto. Esse não era nem momento e nem local para esse tipo de manifestação. Por isso, providências foram tomadas, apagando esse ato vergonhoso”.
O caso lembra um episódio bíblico em que os apóstolos impedem um homem de expulsar demônios em nome de Jesus e depois vêm correndo contar o fato ao Mestre (Mc 9,38). Deviam estar eufóricos. Mas tomam um balde de água fria: “Não o impeçam, pois não há ninguém que faça milagre em meu nome e logo depois possa falar mal de mim. Porque quem não é contra nós é por nós” (vv.39-40). Que tapa de pelica! A resposta traz alguns recadinhos à patrulha da fé: 1) Jesus e sua proposta não precisam de defensores/patrulheiros; 2) Fazer intriga é coisa de gente insegura; 3) O verdadeiro testemunho não se dá por palavras, mas pelos atos (expulsar demônios). De fato, no Evangelho de João está escrito: “Nisso reconhecerão que vocês são meus discípulos e discípulas: se vocês tiverem amor uns pelos outros!” (Jo 13,35). Ele não disse: “se professarem sua fé em mim”; ou: “se andarem com a minha turminha”. Mesmo em Marcos, alguns versículos antes da fofoquinha apostólica, ele diz: “Se alguém quiser ser o primeiro, seja o último e o servo de todos” (v.35); e emenda: “Quem receber um destes pequeninos por causa do meu nome, a mim recebe; e quem me recebe, não recebe a mim, mas àquele que me enviou” (v.37).
Não resta dúvida: equivoca-se quem pensa prestar culto a Deus silenciando as pessoas que acreditam agir em seu Nome. Quem o faz deveria assumir: é meu nome – e não o de Deus – que está em xeque! Até porque o próprio Cristo nos lembra: “Se Satanás expulsa a Satanás, como poderá subsistir o seu reinado? E se eu expulso os demônios por Beelzebu, por quem os expulsam os vossos adeptos? Por isso, eles mesmos serão os vossos juízes” (Mt 12,26-27).
Vale, ainda, lembrar que o silenciamento é uma das formas de violência e extermínio de jovens. Não é só fisicamente que se mata uma pessoa. Quando sua voz é anulada, é como se ela fosse proibida de existir. Para mudar essa situação, é preciso criar meios de romper com a invisibilidade social. Ao compor “Cálice”, Chico Buarque e Gilberto Gil talvez não imaginassem o sucesso que ela faria como símbolo da resistência contra a ditadura. Registre-se que a reação dos militares contribuiu muito para isso. Mas o mérito mesmo foi dos autores, que burlaram a censura. A linguagem apocalíptica foi eficaz para alimentar tanto a resistência das primeiras comunidades cristãs quanto a da juventude brasileira das décadas de 60 e 70. Essa talvez seja a saída para um novo momento em nosso país, onde a repressão parece querer voltar a todo custo. Quem sabe a imagem logo abaixo nos inspire. Criatividade o nosso povo tem de sobra.