CEBI em destaque

CEBI-PE Coletivo Vozes Marias realiza a Iª Conferência de Mulheres Evangélicas

O coletivo Vozes Marias promoveu nos dias 22 e 23 de setembro, o III Seminário de Discurso religioso e Violência contra a Mulher e a I conferência de Mulheres Evangélicas pelo Direito de Viver.

Os eventos, que aconteceram simultaneamente, foram sediados na Universidade Católica e na 1ª Igreja Batista de Bultrins, em Olinda.

Coletivo de mulheres

O coletivo Vozes Marias é um coletivo de mulheres acadêmicas evangélicas de várias denominações, que promove discussão de gênero nos espaços religiosos.

Para Bárbara Arguiar, coordenadora do coletivo:

“o que a gente vê no cotidiano das mulheres de igreja é que muitas vezes elas não ocupam espaços de protagonistas. Quando existe essa luta, essa tensão, somos vistas como rebeldes que desobedecem a ordem”, reflete Bárbara.

O CEBI Pernambuco colaborou com o evento do dia 23, com a assessoria de Josélio Silva, em uma oficina que abordou a “Lei Maria da Penha, tipos de violência contra as mulheres e masculinidades”. Também tivemos a participação efetiva da pastora Helivete Ribeiro, integrante do Vozes Marias, da 1ª Igreja Batista de Bultrins, e do CEBI Pernambuco.

“Para mim é um sonho antigo que estamos realizando. Há 15 anos fazemos um trabalho com as mulheres aqui na comunidade. Esta conferência superou a nossa expectativa, recebendo mulheres não só da nossa igreja, mas de outras também. As mulheres estão mudando. A linguagem está diferente. Espero muita libertação para essas mulheres. Que elas se encham de coragem para lutar pelos seus direito”, disse Helivete.

Para Josélio Silva foi uma oportunidade de desconstruir a chamada “ideologia de gênero”, termo que se contrapõe à teoria de gênero e as lutas feministas por justiça de gênero. A estrutura do poder masculino sobre as mulheres e as crianças encontrou o seu apogeu no Império Romano, onde o pater familias era senhor dos escravos (famulus), das mulheres, dos filhos adultos e das crianças.

Tal modelo familiar copiado e adotado desde o Brasil Colônia, arrastou-se com modificações até meados do século XX, quando finalmente o Estatuto da Mulher Casada permitiu uma maior liberdade à mulher, e posteriormente, a Constituição Federal de 1988 buscou igualar os direitos entre homens e mulheres, sem distinção de sexo.

Atualmente, metade dos lares são chefiados por mulheres. Entretanto, são elas que ainda sofrem violências físicas, psicológicas e simbólicas. Se faz urgente que os homens repensem seu papel na sociedade. Deus criou homem e mulher sob sua imagem e semelhança (Gn. 1, 27), e esse modelo machista e patriarcal não reflete a imagem de Deus.

Foi mais uma oportunidade de estarmos presentes no trabalho das Vozes Marias que muito se assemelha com o trabalho de gênero realizado pelo CEBI.

Recomendamos:
Noviças rebeldes: Quando o convento era a liberação
Feminismo camponês e popular
Na Igreja, as mulheres não têm reconhecimento

Construindo o futuro da luta contra o racismo [Angela Davis]

Fonte: Texto e fotos enviados por José Josélio da Silva e Helivete Ribeiro, do CEBI-PE, 28/09/2017.

situs judi bola AgenCuan merupakan slot luar negeri yang sudah memiliki beberapa member aktif yang selalu bermain slot online 24 jam, hanya daftar slot gacor bisa dapatkan semua jenis taruhan online uang asli. idn poker slot pro thailand

Seu carrinho está vazio.

mersin eskort
×