Bem-vindo ao CEBI! (51) 3568-2560 | [email protected]

Jesus, o Pão!

Jesus, o Pão!
3 de agosto de 2015 Centro de Estudos Bíblicos
Jesus
1. Preparação do ambiente
 
Arrumar o ambiente com flores pão e vinho, Bíblia.
2. Acolhida
 
Com alegria a pessoa responsável para esse momento, da às boas vindas!
3. Invocação ao Espírito Santo
 
Vem Espírito Santo vem, Vem Iluminar…
4. Animador/a
 
Hoje vamos continuar nossa reflexão falando de Jesus o pão da vida.  No encontro passado, falamos de fome de pão com o texto sobre a partilha, hoje refletiremos como essas pessoas que comeram o pão da partilhado de MC 8,  reagiram. Qual foi a resposta de Jesus diante do comportamento dos que foram lhe procurar novamente e o que de fato queriam. Jesus se coloca como pão. Entraremos no chamado discurso do pão da vida de João 6.
Vamos refletir essa doação de Jesus com a música de Zé Vicente:

Viva a aliança

Comungar é tornar viva aliança
Em Jesus, Razão de nossa esperança.
Ao redor do pão partido e do vinho da alegria o futuro se anuncia de vez
Na união viva da gente, nosso Deus se faz presente.
E a terra, de repente se torna o céu.

Comunhão sempre refeita, com o planta em
que nascemos nesta terra onde vivemos aqui
é tornar-se irmão da água, da flor, do fruto que acalma
a fome que não permiti o irmão sorrir.
É viver lembrando sempre dos companheiros ausentes
Dos que hoje  são sementes no chão
É olhar-se frente a frente, sem ódio sem falsamente.
É firmar sinceramente “sou teu irmão”.

É fazer-se solidário com sem terra e sem salário
Sem casa ou presidiário, na dor
É provar da novidade, da mais pura liberdade.
De uma nova humanidade, de paz e amor.
É firmar um compromisso com o poder feito serviço
Pois Cristo sempre fez isso irmão
A honra do Pai divino, não é tanto culto, ou hino…
É vida, e o nosso destino é libertação! Aleluia, aleluia!…

Animador/a: O que diz a música de Zé Vicente a respeito da comunhão? (deixar as pessoas comentarem o que entendeu da música)

5. Cantar

 
Para acolher a palavra de Deus.
  Vamos ler o texto,  parte do discurso de Jesus sobre o pão da vida, João 6; 35 – 59
     (dar tempo para as pessoas refletir sobre o assunto)
•    O que me chama atenção no texto
•    O que significa para nós o que Jesus diz no versículo 35, eu sou o pão da vida?
•    Como entendemos esta afirmação de Jesus, quem não come a minha carne e não bebe do meu sangue não terá vida em mim. (o que seria comer a carne e beber o sangue de Jesus?)

 
Refletindo
Sem a Luz do Espírito não se entende essas palavras, “como esse homem pode nos dar sua carne para comer”? Os discípulos que caminhavam com Jesus, tomaram a palavra ao pé da letra. Carne e Sangue: expressão da vida e da doação total. Jesus  Filho de Deus assume sua humanidade encarnando na realidade humana, tornando se “carne”, e é na sua humanidade que Ele dá a vida pelo mundo. Jesus nos convida a  compartilhar com Ele deste ministério de doação, e nos chama ao compromisso com o que ele disse  e fez. “Comer a carne e Beber o sangue de Jesus é participar com ele do projeto de vida, é lutar com Ele pela dignidade de toda criação, acolhendo, amando e vivendo o amor mais puro e sincero. Doando sua vida com alegria para o serviço, não deixando se alienar pelo sistema que transformar toda criação inclusive o ser humano como instrumento de produção para geração de lucro, produzindo e consumindo, alimentando esse sistema que a morte da criação de Deus. sinal, sacramento da presença de Deus no mudo, Se comer a carne e beber o sangue não significar compromisso com Cristo a serviço da humanidade doação aos que precisam de nós, de nada nos adiantará.     
•    Quando o Evangelho exige compromisso qual a reação de muitas pessoas? (Conversar)
 
 
Celebrando
 
“Prova de amor maior não há que doar a  vida pelos irmãos e irmãs”. Pedimos ao Senhor neste dia, que nos alimente com seu Espírito para que possamos entender e viver melhor o “Cristo Pão da Vida”

Orações

 
Fazer preces espontâneas… Após cada pedido cantar
prova de amor maior não há que doar a vida pelo irmão…
PAI NOSSO
 
 
Partilha
 
Vamos partilhar o pão e o vinho, hoje com um olhar diferente, olhar de compromisso, não com o olhar imposto pela lógica do mercado, onde tudo se vende e tudo se compra, mas com o olhar de Jesus Cristo, onde a criação deve estar a serviço de toda criação.
 
11. Canto Final
12. Combinar o próximo encontro

 
Olhando para o texto
Jesus nos leva a superar uma visão tradicionalista do maná no deserto do Ex 16, estabelecendo um novo parâmetro. Não esperar, mas trabalhar; não querer o provisório, mas o definitivo. Qual o alimento que nunca se acaba? Iluminado por todo o capítulo 6 de João, a partilha é o alimento que não se acaba.“Sobraram sete cestos cheios” 8,20. Jesus nos convida a entender a essência do sinal. Neste chamado, discurso do Pão da vida, Jesus oferece um novo rumo para a vida, e nos da novos sinais. O primeiro sinal é crer, acreditar naquele que Deus enviou.  Para o povo do texto, Moisés é o grande líder do passado, mas Jesus responde, o pão dado por Moisés não era o pão da vida, mas um pão para o momento. O Pão verdadeiro é aquele que vence todos os esquemas da morte. Jesus tenta ajudar as pessoas a enxergar melhor e se libertar das amarras do passado que não liberta. Jesus convida através de nossa fé a nos comprometer com a vida e não ficarmos agarrados ao que não liberta. “Fidelidade ao passado é aceitar o novo que nasce da semente plantada no passado”. O Povo que comeu o pão da partilha de Lc, 8 correu atrás de Jesus não porque tinha compreendido a proposta de Jesus mas porque tiveram pão de graça para comer.