Bem vindo(a) ao CEBI ! (51) 3568-2560

Dia das Mães : “Amarradão na torre dá pra ir pro mundo inteiro…”

Dia das Mães : “Amarradão na torre dá pra ir pro mundo inteiro…”
9 de maio de 2020 Comunicação

Uma reflexão que vem das Bodas de Caná à música “Sandra”, de Gilberto Gil

Apesar das garras do capital transformarem nossas relações em comércio, muitos de nós vivenciamos o dia das mães como uma festa familiar ou, no mínimo, um momento de externar gratidão, refletir o papel materno na vida da gente. Dois escritos são bem importantes pra dizer da força materna, geradora de vida continuamente -não só no parto ou na acolhida de uma nova vida no lar – na minha vida. Para mim eles se conectam. A força geradora de vida que Maria distribue nas Bodas de Caná e a Música “Sandra” de Gilberto Gil.

Nas Bodas, Maria sente a hora, provoca o filho, articula o povo e nos deixa um legado que fica registrado como a última frase dela em toda bíblia: “façam tudo o que ele vos disser”.

Esse fato, como tantos outros de Maria, seguiu Jesus na caminhada. Antes dele louvar ao Pai porque este escondeu o ensinamento dos entendidos para revelar aos pequenos, Maria já tinha cantado tudo isso no Magnificat. A pastoral da visitação a Zaqueu, Maria e Marta e outras tantas pessoas, Jesus também aprendeu da prima de Isabel. Jesus tinham uma torre de apoio, como canta Gilberto Gil na música que fala das mulheres que o acudiram quando vivia um momento de isolamento e quarentena, pois é, as mulheres gerando vida e força em tempos semelhantes a este que vivemos.

Na música, Gil fala de um pequeno período que ficou detido num hospício. Essas mulheres o apoiaram e ele fala que dá Torre dá pra ir pro mundo inteiro. Essa frase me faz desconfiar que Jesus foi pro “mundo inteiro”, pela força do Espírito, sem dúvida, mas porque estava o tempo todo amarradão na Torre. Sem muletas, tinha clareza de que sua família eram todos os que seguiam a palavra. Mas a Torre nunca o deixou, até a descida da cruz, quando ela o tomou sobre os braços… “E é só balançar, que a corda me leva de volta pra ela…” Dirá Gil ao fim da música.

Marias, Sandras, mães, mainhas… Que o mundo louve a Deus pelas Torres de onde cada um e cada uma poder ir por mundo inteiro. Deus salve o amor Divino que quis ser mãe da gente.

Feliz dia das mães.

Valmir Assis, é Cientista social, mestrando em Ciências das religiões pela UNICAP, membro da Comissão de Justiça e Paz da Arquidiocese de Olinda e Recife e coordenador regional do Movimento de Trabalhadores Cristãos.