Bem vindo(a) ao CEBI ! (51) 3568-2560

O evangelho vivo acontece hoje no testemunho dos cristãos!

O evangelho vivo acontece hoje no testemunho dos cristãos!
12 de maio de 2021 Zwei Arts

Leia a reflexão sobre Marcos 16,15-20, texto de Itacir Brassiani.

Boa leitura!

A Igreja une à solenidade da ascensão de Jesus a Jornada Mundial das Comunicações Sociais, que neste ano tem como tema a questão da necessidade de produzir e veicular informações indo ao encontro das pessoas onde elas estão e como são. “Venham e vejam”, é o lema da reflexão, inspirada na resposta de Jesus aos dois discípulos de João Batista que perguntaram onde ele morava. O Papa Francisco pretende, com este tema, advertir para o risco de veicularmos informações construídas nos gabinetes e salas de redação, diante da tela do computador, sem nunca sair à rua e ir ao encontro das pessoas implicadas nas notícias.

A palavra ascensão lembra subida, elevação, movimento de distanciamento. Mas expressa também a ideia e a experiência de ser destacado/a, promovido/a, reconhecido, reabilitado/a. É este segundo o sentido original da boa notícia pregada pelos cristãos a respeito de Jesus de Nazaré. Proclamar a ascensão de Jesus é um modo de proclamar sua ressurreição, de afirmar que a pedra rejeitada pelos construtores foi considerada pedra principal, que aquele que fora eliminado como subversivo e maldito é a mais plena expressão de Deus e do ser humano.  Ele se tornou um projeto, uma ideia que não pode ser aprisionada.

Na carta aos cristãos de Éfeso, Paulo manifesta o desejo de que o Espírito Santo lhes revele Deus em sua amável nudez e os ajude a conhecê-lo em profundidade. Conhecer Deus assim como se revelou em Jesus de Nazaré significa reconhecer e assimilar a esperança para a qual Ele nos chama e a herança gloriosa que nos concede: continuar na história sua vida de profeta e servidor; ser no mundo seu corpo vivo, corpo sob o qual tudo o mais foi colocado e acima do qual nada existe, fora o próprio mistério de Deus. E isso sem fugir do mundo.

Mas nunca é demais lembrar que a vida cristã é muito mais que desejo ou contemplação extática da plenitude divina. A pergunta que os anjos fazem aos apóstolos inertes ressoa hoje aos nossos ouvidos e pede nossa resposta: “Por que vocês estão aí parados, olhando para o céu?” Os/as discípulos/as de Jesus Cristo não podemos permanecer na simples contemplação de alguém que subiu ao céu, mesmo que este alguém seja o próprio Jesus Cristo. A ascensão de Jesus não significa o fim da sua presença no meio de nós. Ao contrário, é o início da missão em seu nome, sob a guia do seu Espírito.

A Palavra de Deus deixa isso bastante claro. “Vão pelo mundo inteiro e anunciem a boa para todas as pessoas”. Por isso, podemos dizer que a liturgia da ascensão focaliza esta responsabilidade intransferível da comunidade cristã. Convictos/as de que o Crucificado foi exaltado, vencemos o medo e tornamo-nos testemunhas de Jesus Cristo no coração do mundo e nos pulmões da história. E sabemos que testemunhar Jesus Cristo significa afirmar e trilhar o caminho do amor serviçal e solidário, trazer no corpo as marcas de Jesus Cristo: amar como Jesus amou, sonhar como Jesus sonhou, pensar como Jesus pensou, viver como Jesus viveu.

A Palavra de Deus atesta também que a ascensão de Jesus Cristo não é um distanciamento em relação aos seus discípulos e discípulas, uma fuga do mundo e dos seus desafios. Antes, é a identificação plena de Jesus com Deus, permanecendo plenamente inserido no mundo. E isso não é algo que tem a ver apenas com Jesus de Nazaré: ele é o primogênito de muitos irmãos e irmãs, a cabeça de um corpo de muitos e variados membros. À glorificação do primogênito segue-se a honra dos seus irmãos e irmãs. À elevação da cabeça segue-se o reconhecimento da dignidade daqueles que realizam sua vontade.

No Brasil, a ascensão de Jesus também abre Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos, que une fiéis católicos e evangélicos numa mesma e intensa prece. Para nós, cristãos católicos, já soou o tempo de deixar a lamentação e a negação das estatísticas que mostram a diminuição do percentual de católicos e o crescimento do índice de cristãos evangélicos. Do ponto de vista do Evangelho, não interessa o crescimento numérico deste ou daquele segmento cristão, mas que Jesus seja conhecido e seguido, que os cristãos deem testemunho de unidade e ajudem a construir uma sociedade fraterna e solidária.

Jesus de Nazaré, sacramento do abraço entre o céu e a terra: depois de termos acompanhado tua progressiva manifestação aos discípulos e receber a missão que confias a quem te segue, queremos hoje contemplar teu pleno reconhecimento pelo Pai. Ajuda-nos a entender que é porque abriste mão de todo e qualquer privilégio e te fizeste humano e igual ao mais humilde que teu nome é incomparável e diante de ti se dobram todos os joelhos. E ajuda-nos a compreender que é descendo, amando e servindo que seremos tuas testemunhas. E que nossa comunicação seja fruto do encontro e do conhecimento das pessoas e acontecimentos. Assim seja! Amém!