Bem vindo(a) ao CEBI ! (51) 3568-2560

Sobre a divulgação do relatório da ONU sobre as mudanças climáticas, o CCM diz que “os sinais dos tempos nunca foram tão evidentes”

Sobre a divulgação do relatório da ONU sobre as mudanças climáticas, o CCM diz que “os sinais dos tempos nunca foram tão evidentes”
8 de novembro de 2021 Comunicação

Em um contexto em que populações em muitas regiões estão sofrendo os efeitos de níveis recordes de calor, incêndios devastadores e inundações extremas, o Reverendo Dr. Odair Pedroso Mateus, secretário-geral adjunto do Conselho Mundial de Igrejas (CCM), orou por aqueles que sofrem e reagiu imediatamente às últimas evidências científicas indicando que a temperatura global está subindo.

 

Mateus falou em nome do Reverendo Prof. Dr. Ioan Sauca, secretário-geral interino, que está de férias.

O último relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas da ONU confirma que as mudanças climáticas causadas pelo homem estão acelerando e mudando radicalmente o planeta, nossa única casa.

O relatório observa que estamos perigosamente perto de exceder o limite relativamente seguro de 1,5°C do aumento da temperatura global em menos de duas décadas, o que teria consequências cada vez mais desastrosas.

“Os sinais dos tempos nunca foram tão evidentes”, disse Mateus. “O relatório é uma séria bandeira vermelha.”

“Esta é uma preocupação que está no topo da agenda da próxima Assembleia do CCG”, acrescentou, observando que em um texto recentemente publicado sobre o tema da Assembleia – “O amor de Cristo leva o mundo à reconciliação e à unidade” – um grupo internacional de teólogos escreveu que “segundo muitos cientistas, a Terra está hoje em um novo período de sua história, chamado de Antropoceno, no qual o impacto do domínio humano, especialmente nos últimos 200 anos de industrialização, não pode mais ser revertido.”

O relatório da ONU também destaca que as metas do Acordo de Paris de 2015, que incluem manter o aumento da temperatura global a não mais do que 2°C acima dos níveis pré-industriais, ainda podem ser alcançadas desde cortes imediatos, drásticos e sustentáveis nas emissões de dióxido de carbono.

“A esperança está em ação”, disse Mateus, instando que a próxima Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, COP26, programada para ser realizada em Glasgow de 1 a 12 de novembro, formuta um plano de ação imediato.

“A COP26 deve levar a medidas concretas e suficientes que sejam implementadas agora”, disse ele.

O subsecretário-geral ressaltou que nunca foi tão urgente para todos os governos, mas especialmente para aqueles que representam países ricos e poluidores históricos, redobrar as Contribuições Nacionalmente Determinadas com vistas a alcançar as emissões líquidas zero o mais rapidamente possível.

“Esta situação exige nada menos do que uma transformação urgente e radical em relação às sociedades e economias de emissão líquida zero, em um quadro de justiça e solidariedade”, disse ele. “Temos os meios financeiros e tecnológicos para responder firmemente à emergência climática, e esses meios devem ser compartilhados com as comunidades pobres e vulneráveis que menos contribuíram para a crise.”

Mateus também ressaltou que é preciso ouvir crianças e jovens que incitam os adultos a fazer mudanças sistêmicas resilientes ao clima, pois as crianças serão as mais afetadas pelos impactos das mudanças climáticas.

“Todos nós devemos fazer nossa parte para dobrar a curva de emissões e evitar uma catástrofe climática, bem como promover sociedades resilientes”, observou. “As medidas sem precedentes tomadas por muitos governos e as iniciativas de solidariedade de muitas comunidades para abordar a pandemia COVID-19 mostram o potencial para uma resposta global eficaz à emergência climática.”

À medida que a COP26 se aproxima, a iniciativa Climate Sunday insta as igrejas a se concentrarem na criação (comunicado de imprensa do WCC, 3 de agosto de 2021)

Saiba mais sobre o trabalho do CCM sobre cuidados de criação e justiça climática

 

Foto: legenda/crédito – Em novembro de 2020, os furacões Eta e Iota atingiram duramente a costa norte de Honduras /Sean Hawkey/WCC

Fonte : sitre do CMI: https://www.oikoumene.org/es